Sábado, 19 de Agosto

07/04/2014 - Copyleft

Dilemas da mídia na democracia

O dilema, na democracia, não é entre uma imprensa calada ou essa que temos. Uma imprensa monopolizada por algumas famílias, que atua como um partido político.

por Emir Sader em 07/04/2014 às 06:22



Emir Sader


A Presidente Dilma Rousseff costuma dizer que “prefere a imprensa barulhenta que calada”. Só que esse dilema se colocava na ditadura, quando a imprensa podia ser calada pela ditadura e era preferível que, qualquer que fosse sua orientação, permanecesse livre para expressá-la.

Na democracia as opções são outras. Ninguem quer calar a imprensa. Essa é a versão que ela busca dar das propostas de democratização dos meios de comunicação. Estas, ao contrário, não querem que ninguém deixe de falar, mas que muito mais gente, oxalá todos, possam se expressar.

O dilema, na democracia, não é, então, entre uma imprensa calada ou essa que temos. Uma imprensa monopolizada por algumas famílias, que define o que diz, como, quando, que pretende ser o partido de oposição, que distorce e/ou esconde a verdade. Uma imprensa financiada pelas agências de publicidade e, através destas, pelas grandes empresas, que colocam publicidade e, por meio delas, condicionam o funcionamento da imprensa.

Uma imprensa que escolhe quem vai escrever, como e quando, alinhando-se abertamente – conforme confissão explicita disso – como partido politico da oposição. Uma imprensa que, apenas dos índices econômicos revelarem o oposto: a economia cresce, aumenta o nível de emprego, os salários sobem acima da inflação, a inflação está controlada – cria um clima de incerteza, de preocupação, de insegurança, que por sua vez, se reflete em pesquisas manipuladas. Essa a imprensa que temos hoje, que condiciona as chamadas “agências de risco”, que pressiona sistematicamente o governo pelo aumento da taxa de juros, que representa não a população, mas o capital financeiro.

A alternativa a essa mídia antidemocrática não é calá-la. É democratizar a formação da opinião publica, limitando o poder monopolista dos meios atuais, abrindo canais alternativos da mídia – TV, rádio, jornais, internet. Ao não avançar em nada nessa direção, o governo é vitima da monopolização antidemocrática da mídia.

A mídia criou um clima de “terrorismo econômico”. E no marco de um modelo hegemonizado pelo capital especulativo, sumamente volátil e sensível a movimentos bruscos, esse clima tem efeito, aqui e lá fora. E o governo assiste impassível a essas manobras que anulam as tentativas do governo de canalizar recursos para os investimentos produtivos. O governo reage defensivamente, aumentando sucessivamente a taxa de juros diante do fantasma artificialmente construído do risco inflacionário.  Reage exatamente como os especuladores e seus ventríloquos na mídia desejam – aumentando as tendências recessivas, pela atração dos capitais para a especulação.

Os boatos, o pânico forjado, o terrorismo da inflação, ao não ter respostas politicas, se tornam forças materiais e as auto profecias se cumprem, deixando o governo em um circulo vicioso. Sem democratização dos meios de comunicação, quebrando essa cadeia antidemocrática e especulativa, nem sequer a retomada do crescimento econômico será possível e sustentável. O dilema da mídia na democracia não é entre mídia monopolista ou silêncio, mas entre terrorismo econômico da ditadura midiática ou democratização dos meios de comunicação.

Tags: Política





Orlando F. Filho - 15/04/2014
O roberto danunzio pertence aqueles radicais de esquerda de araque pois comparar emir sader a william bonner é demais. Brasil de Fato existe há anos e já li muito. Eu me considero radical mas não tão idiota que não saiba analisar uma situação. Imagino Fidel seguindo os conselhos do roberto danunzio!!! Estaria morto a essas alturas!!! Certa épóca fiz parte da CS(Convergência Socialista). Isso foi na época em que o movimento sandinista lutava para derrubar somoza na Nicaragua. Estavam discutindo o que fazer, como ajudar, etc. Eu então propus que aqueles que pudessem deixar suas responsabilidades e embarcar para lutar junto aos sandinistas, deveriam fazê-lo. A conversa mudou na hora e começaram a falar da necessidade de uma nova localização, assuntos banais. São os radicais a la roberto danunzio que quando a porca torce o rabo, vem com um discurso falho e fácil de ataques pessoais.


arquimedes andrade - 12/04/2014
O capitalismo nasceu com duas forças de sua sustentação: o capital financeiro a a força armada.

E assim foi a sua expansão até a sua fase da globalização financeira. E em muitos momentos de sua "modernização conservadora" não hesitou em usar o nazi-fascismo, ditaduras militares etc. É esse "capitalismo parasitário" que dita a pauta no cotidiano, que financia as campanhas. (...) E tem aqueles países, denominados por Fiore de "as dobradiças felizes"do capitalismo (Noruega, Suécia, Canadá...) com Estado de Bem-Estar Social. A questão central é a luta para superar as desigualdades socioeconômicas e regionais. Igualar por cima. Ou seja, democracia política, social, econômica e nos meios de comunicação.

O nosso desafio é encontra uma bandeira comum das esquerdas e dos progressistas. Mas é fato que os governos Lula - Dilma tirou o Brasil do atraso. É um processo que precisa de mais 50 anos de dose petista, incluso a luta de combate à corrupção ( meleca que a civilização não conseguiu limpar ainda e cujo remédio é vergonha na cara).


romulo augusto fauaz de andrade - 12/04/2014
essa rede globo faz o que quer com o povo e com os politicos pois o que usam é a ciencia das artes onde ensaios leitura dramatizada tecnica de interpretaçao de jornais de augusto boal


josé fonseca - 11/04/2014
Muito bom os comentários. A quantidade de jornal de papel vendida é de apenas hum milhão por dia e parece pouca gente atingida. a tv causa mais estrago atinge mais gente mas as discussões políticas não acontecem ( vide o sr. Maher com política interna dos Eua ) na tv , há pouca discussão política na tv.


carlos a. nunes - 11/04/2014
pois é... não sei o que é pior, uma família (mídia0 que atua como partido, ou um partido (PT óbvio) que atua como família, eximindo-se mútuamente de qualquer ética. São mais que imorais, são amorais.


Marcia Eloy - 09/04/2014
O homem é um animal político. Política vem da palavra "polis" cidade, tudo o que se faz na cidade ou numa sociedade. Num clube se elege o presidente, num condomínio um síndico, em qualquer administração há um presidente, logo ninguém pode viver fora da política, a não ser os que não a praticam, porque gostam de impor suas vontades e não aceitam uma eleição ou melhor a vontade da maioria. Já vivemos 21 anos neste regime e só poucos o querem de volta.


roberto danunzio - 09/04/2014
No dia em que houver conscientização popular através de uma imprensa livre do poder econômico e livre do pode político, o nobre colunista vai cair no esquecimento junto com o famiserável William Bonner. Recomendo a leitura do Brasil de Fato, do Correio da Cidadania e outros órgãos da esquerda combativa que não está atrelada ao poder político que está atrelado ao poder econômico, em última instância.


Orlando F. Filho para nelson mucenic - 08/04/2014
Discurso fraco e falta de informação é o seu meu caro que não sabe que na Alemanha existe uma regulamentação da imprensa e não tem censura não, inclusive lá existem jornais de esquerda e aqui não. Censura, assassinatos existiu na ditadura. Vc deve seraqueles que defendem o PIG e acham que eles são democráticos. Está iludido achando que essas famílias tem algum compromisso com a democracia. Todas essas famílias apoiaram a ditadura civil/militar, inclsive o grupo Folha emprestava suas viaturas C14(um utilitário fabricado pela General Motors aqui no Brasil, que tinha um porta mala imenso para levar presos aos montes). Mesma coisa com a família mesquita, família marinho. Um jornal hoje pode, impunemente, acabar com a carreira e a imagem de alguém e depois publica a retratação lá no fim da página, bem pequenininha prá ninguém ver. Só para refrescar sua memória, aqui em São Paulo o dono da Escola de Base(infantil) foi acusado por um delegado de molestar crianças. O PIG nem procurou saber se havia alguma verdade naquilo e abriu seus microfones, páginas para esse delegado irresponsável que só queria holofotes. Depois ficou provado que o dono da escola era inocente. Resultado: ele teve que fechar a escola porque os pais não foram informados devidamente pelo PIG que vc tanto defende. Quer outra: A folha de s paulo(bem minúscula mesmo) publicou uma ficha da Dilma, supostamente do DOPS, onde estava escrito "terrorista". Mesmo com o depoimento de um coronel que trabalhou no órgão de repressão na época da ditdura dizendo que aquela ficha era falsa, pois não era o tipo de impresso usado no DOPS(Depto. de Ordem Política e Social, onde meu pai ficou preso). A Folha deu manchete? Não nem deu bola e para o PIG aquela ficha continua valendo até hoje. Então amigo, analise as coisas com informações, pois o PT não deu nenhum golpe para chegar ao poder e temo um congresso que, caso não ache o projeto viavel, pode recusá-lo. Mal intencionado é vc que vem aqui tentar desviar o assunto pois um partido não é só apenas uma pessoa, mas uma instituição que representa uma filosofia política. Deixe de pensar com o fígado e comece a usar o cérebro(se é quem vc sabe como)


Orlando F. Filho - 07/04/2014
É preciso uma campanha maciça para conscientizar a população da mentira que é o PIG. Mentem quando dizem que querem democracia pois apoiaram um golpe que derrubou um presidente democraticamente eleito, torturou, desapareceu, assassinou milhares de brasileiros cujo único crime foi de opinião(segundo eles, deixo bem claro). Agora, hipocritamente, gritam contra um projeto para regulamentar(não controlar) a atuação da imprensa, porque é um absurdo que um processo por difamação e calúnia demore anos e na hora de indenizar a vítima, eles recorrem mesmo provado que cometeram o crime. Uma imprensa realmente livre não pode estar nas mãos de poucas famílias que nunca tiveram compromisso filosífco com nada, a não ser com os próprios bolsos. Nós da esquerda precisamos sair à ruas panfletar para explicar ao povo o MAL que esse tipo de imprensa causa à democracia.


Nelson Mucenic - 07/04/2014
"O estraçalhamento das consciências pelo império da propaganda é condenado com veemência por alguns intelectuais ativistas, mas eles mesmos praticam abundantemente a estimulação paradoxal sobre as mentes indefesas de alunos, leitores, ouvintes e espectadores..."

Mentes hipnotizadas diante da logica de ilusões.



"André Vargas (PT-PR), é ex-secretário nacional de Comunicação do PT, entusiasta do "controle social da mídia" (que é a expressão a que recorrem vigaristas para designar a censura), membro da tropa de choque que saiu em defesa dos mensaleiros e, por um bom tempo, chefe político da rede do subjornalismo delinquente que chama a si mesma, num rasgo de sinceridade, de "blogs sujos"".



E os discursos se vão ralo adentro. Inclusive esse seu, que por sinal é bem fraco.


José Jésus Gomes de Araújo - 07/04/2014
Muito bem colocado o problema. E quem acaba vítima dessa cegueira são as causas populares, quiçá a continuidade eleitoral do próprio governo. Que deu neles? Compulsão suicida? Sempre, ao fundo percebemos a presença do Coronel Aureliano Buendia de Garcia Marques.


Marcia Eloy - 07/04/2014
O que está faltando, e já há algum tempo, e a reação da esquerda. passeatas com o rosto de pessoas mortas e desaparecidas, outra com dados do crescimento brasileiro e por aí vai. Por que o partido e os "aliados " estão tão calados?


MARIA ANGELA ABDUCH - 01/05/2014
Parabéns caro Prof. Emir e pêsames àqueles que não conseguem de modo algum perceber o MAL que nos causa a mídia economicamente poderosa do país, tão bem retratada neste excelente artigo.

PARCERIAS