Segunda-Feira, 26 de Junho

 

03/04/2014 00:00 - Copyleft

Ruy Guerra: O Ovo da Serpente

Quem não quer ou não consegue reconhecer uma verdade tão simples não é burro - é perverso. E perigoso.


Ruy Guerra, especial para Carta Maior
Tony Costa


Um filme de Ingmar Bergman – belíssimo. Aqui, nesta crônica, a mesma metáfora.
 
Gosto de metáforas ou eu não gostasse de palavras, que são metáforas mortas, segundo Jorge Luiz Borges.
 
Há 30 anos escrevi uma crônica sobre o golpe de 1964.
 
Naquele momento nunca imaginei que voltaria a tocar no assunto tantos anos depois, porque pensei que as instituições militares já teriam se redimido desse momento sujo de sua história com um pedido de desculpas à nação.
 
Pensava, ingênuo, que essa mancha indelével na história das Forças Armadas brasileiras iria ficar circunscrita aos compêndios de História e sair, ainda que dolorosa e lentamente, da corrente sanguínea do cotidiano da nação.
 
Engano crasso.
 
Isso não foi feito, antes pelo contrário.
 
A serpente deixou e choca os seus ovos.
 
São vozes orgulhosas, arrogantes, provocadoras, insidiosas, nostálgicas, que teimam em insistir que o golpe que se eternizou por duas décadas foi um momento glorioso da História do Brasil: são as vozes fardadas de militares, personagens desse negro período, que buscam anular o passado negando, de pés juntos, o que já corre à luz do dia; são vozes fardadas dos militares que vieram depois e que por “esprit de corp” ou por obediência hierárquica,se refugiam no silêncio; são as vozes civis dos que ganharam poder e que se locupletaram nesse longo período de desbragada corrupção, que cochicham ou louvam em alto e bom som.
 
Todos unidos, cúmplices na tentativa de desmentir o estigma marcado a ferro no corpo e na alma do povo brasileiro durante duas décadas de um governo autoritário - e autoritário é aqui um eufemismo.
 
Duas décadas.
 
Vinte e um anos, para sermos exatos, de arbitrariedades, ameaças, prisões, censura, torturas, assassinatos, ocultação de corpos das vítimas, dentes arrancados e dedos decepados, atentados e testemunhos falsos, subornos, delações, expurgos, sequestros ... que mais? Falta, mas qualquer brasileiro pode acrescentar outras ignomínias, mais torpezas, desmandos. Um legado de corrupção, ignorância, desigualdade, matraca e mordaça. E um imenso buraco cultural. A castração sistemática do pensamento criador e político de toda uma juventude, e não só. Um fosso que vai levar décadas para ser transposto.
 
Mas para abordar esse tema seriam necessárias mais de três telas.
 
Não é preciso ser historiador para entender que o futuro tem suas raízes no passado. Que um homem, mulher ou nação é feito do que foi e do que carrega na memória, individual e coletiva. Que o que passou tem mais força do que o que está para vir, porque tem o poder de pesar no que se desenha no horizonte. Que não é dever, nem imposição mas uma necessidade incontornável não fechar os olhos para a realidade, por mais ingrata que seja, sem se indagar o que ela significa.
 
O conhecimento do passado é transformador. O silêncio embalsama, nega o movimento, é pá de cal.
 
Abro um parêntesis:
 
Às vezes me sinto tentado a ser inconveniente, usar uma palavra mais contundente. Numa conversa falada, em que a velocidade da ideia e da palavra não admitem retrocesso, uso. E raramente me arrependo; a veemência justifica. Exorcizado o ímpeto da palavra que seria falada, paro, para substituí-la por uma mais delicada. Demorei e resolvi escolher um palavrão infantil: burro.
 
Fecho parêntesis e retomo a escrita.
 
As Forças Armadas são assim tão burras que não conseguem entender que ninguém mais do que elas têm interesse em se demarcar desse intolerável passado para retomar a sua dignidade profissional e humana, comprometida durante esses anos cruéis? Que quanto mais completo e rápido vierem à tona os fatos, ainda que incômodos, mais cedo pode haver um novo pacto de dignidade e respeito, entre si e entre todos, mediante seu reconhecimento? Que as instituições são dinâmicas e que as Forças Armadas de hoje podem e devem ser críticas em relação a si próprias, assumir o erro e expurgá-lo? Não creio que sejam.
 
Quem não quer ou não consegue reconhecer uma verdade tão simples não é burro - é perverso.
 
E perigoso.
 
Defende valores que devem ser combatidos, extirpados, porque esses valores são a bandeira de uma corja, baioneta e braço erguido, que atenta contra o axioma mais simples e fundamental do ser humano em sua constante caminhada para se civilizar: respeito ao próximo e ao Outro.
 
A palavra corja é mais do meu discurso falado, mas não a corrijo: sutileza seria omissão. E nessa palavra tanto cabem civis como militares.
 
Quebrem-se os ovos - enquanto ainda é tempo.
 
Rio, 1 de abril de 2014.
____________

 

Ruy Alexandre Guerra Coelho Pereira (Maputo, Moçambique, 22 de agosto de 1931) é cineasta, dramaturgo e ator. Envolveu-se com clássicos da história do cinema: autor de Os Fuzis, Os Deuses e os Mortos, atuou em Aguirre, a Cólera dos Deus, de Werner Herzog. Ruy está terminando o roteiro adaptado do romance Quase Memória, de Carlos Heitor Cony.


Créditos da foto: Tony Costa



Siga-nos no Facebook

Cadastro

Revista Digital Carta Maior

Saul Leblon

Leia Mais

PARCERIAS