Quarta-Feira, 28 de Junho

 

31/03/2014 00:00 - Copyleft

Torturador da ditadura se tranca em casa para evitar escracho

Militantes do Levante Popular da Juventude fizeram um escracho, na tarde desta segunda (31), na rua em frente à casa do coronel reformado do Exército


Najla Passos
Najla Passos


Brasília - “Aqui mora um torturador”, alerta a pichação feita pelos militantes do Levante Popular da Juventude, na tarde desta segunda (31), na rua em frente à casa do coronel reformado do Exército, Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe de 1970 a 1974 de um dos mais brutais aparelhos de repressão da ditadura civil-militar, o Doi-Codi de São Paulo. Hoje com 81 anos, ele é apontado como o responsável por conduzir pelo menos 502 sessões de tortura, das quais muitos presos políticos saíram mortos.

Localizada no Lago Norte, bairro nobre da capital federal, a residência de alto luxo manteve portas, portões e janelas cerradas durante os 30 minutos que durou o protesto. Se não fossem os três carros de luxo estacionados na garagem, ninguém diria que Ustra e sua família estavam ali, quietos, tentando se esquivar da presença incômoda daquelas jovens que, a despeito da revalidação da Lei da Anistia pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 2010, pediam punição para os algozes daqueles que lutaram pela democracia brasileira. “Se não há justiça, há escracho público”, afirmava uma faixa pregada na fechada da casa.




“O Levante tem o compromisso de denunciar os torturadores da ditadura para que essa história não seja esquecida e para que essa impunidade que já dura três décadas tenha fim. E o coronel Brilhante Ustra é um emblema desta impunidade, porque é o único torturador já condenado pela justiça brasileira, mas continua desfrutando o benefício da liberdade que os lutadores que passaram pelas mãos dele não tiveram. E ainda recebendo uma pensão milionária do Estado”, afirmou Francis Barbosa Rocha, da coordenação do movimento.

Ustra foi condenado pela justiça de São Paulo, em 2012, a pagar indenização de R$ 50 mil aos familiares do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, assassinado nas dependências do Doi-Codi em 1971. Entretanto, por força da Lei da Anistia, revalidada pelo STF, não pode ser condenado criminalmente pelas torturas, assassinatos e desaparecimentos forçados que cometeu no período, muitos deles já documentados e comprovadas por investigações operadas por familiares das vítimas e, mais recentemente, pela Comissão da Verdade.

Aos poucos, os vizinhos foram abrindo janelas e portas, se aproximando, conversando com os manifestantes, tentando entender o ato. A maioria se dizia perplexa. Muitos filmaram, fotografaram. “Eu juro que não fazia ideia que uma pessoa assim morava aqui do lado”, disse uma jovem que pediu para não ser identificada.  “É claro que a gente não concorda com nada do que ele fez, mas fico com pena das duas filhas, que são pessoas maravilhosas, e tem que viver assombradas pelo passado do pai”, justificava uma outra, que também pediu para não ter sua identidade revelada.

Entre os jovens manifestantes, a solidariedade era com as vítimas de Ustra: jovens, como eles, que tiveram a vida interrompida de forma brutal. Vários cartazes com as fotos dos mortos e desaparecidos no Doi-Codi de São Paulo foram afixados na rua. Os oradores citaram nomes e biografias de várias das vítimas do coronel no aparelho de repressão. Uma esquete mostrou como eram tratados trabalhadores, camponeses, jovens e militantes tidos como “inimigos do regime”. “Pula, pula, pula quem é contra a ditadura. Pula, sai do chão quem é contra a repressão”, cantaram os jovens ao som do funk ritmado nos tambores, ao final do ato.

Como não houve divulgação prévia, polícia e imprensa convencional só conseguiram chegar quando o ato já estava acabando. Não foi o primeiro. Desde 2012, quando foi criado, o Levante já realizou outros 70 em várias cidades brasileiras, sempre expondo militares e civis que apoiaram a ditadura e seu terrorismo de estado. Nesta segunda, a manifestação contou também com o apoio de militantes do Movimentos dos Pequenos Agricultores (MPA) e do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST).



Créditos da foto: Najla Passos



Siga-nos no Facebook

Cadastro

Revista Digital Carta Maior

Saul Leblon

Leia Mais

PARCERIAS