Quinta-Feira, 22 de Junho

14/11/2014 - Copyleft

Quando o governo retomará a iniciativa?

Política é construção de força e também iniciativa. Uma das coisas boas de vencer a eleição é poder recuperar a iniciativa. Quando o governo vai recuperá-la?

por Emir Sader em 14/11/2014 às 12:30



Emir Sader


Política é construção de força, mas é também iniciativa. Uma das coisas boas de vencer a eleição é poder recuperar a iniciativa.

Mas quando o governo vai recuperar iniciativa? Quem tem a iniciativa pode definir a agenda, os temas centrais, os termos em que esses temas serão abordados.

Durante toda a campanha – como continuidade de todos os anos anteriores de predomínio da mídia monopolista na fabricação da opinião pública – a direita teve a inciativa. Mediante a ofensiva brutal contra o governo, seja pelo terrorismo econômico, seja pelo denuncismo reiterado, ganhou o debate. Dilma triunfou sobretudo pelo efeito das políticas sociais do governo.

Terminadas as eleições, a oposição mantem sua ofensiva, na disputa das agendas nacionais. Para o governo, os temas centrais sao a reforma política, a desmonopolizacao da mídia, a retomada do crescimento econômico. Mas onde estão os meios para disputar essa agenda na opinião pública? Ao invés de avançar, ela encontra já resistências, na ação do Congresso e de parlamentares do PMDB que se opõem a um procedimento democrático para a reforma política.

A agenda nacional segue dominada pela oposição: viés deformado de abordar a economia – destaque para o déficit de empregos, camuflagem do crescimento econômico pelo segundo mes consecutivo, abordam viciada da apresentação das contas do governo – e pela retomada do denuncismo, contando com a PF.
 
Enquanto isso Dilma parece acreditar que ela tem todo o tempo que quiser para formar o novo governo e definir o plano de ação do segundo mandato.


Não basta a Dilma ter dito que vai apurar até as ultimas consequências a operação da Veja nos últimos dias de campanha. É preciso apurar e desde já, recolocando o tema na pauta política do país.

Não basta a Dilma dizer que vai atuar contra os monopólios e os oligopólios na mídia, como manda a Constituicao. É preciso que ela comece já a agir e a demonstrar os caminhos pelos quais vai se fazer cumprir a Constituição.

Não basta a Dilma reiterar a prioridade da reforma política, para acabar com os financiamentos empresariais. É preciso buscar os caminhos pelos quais se possa contornar a resistência daqueles que a sabotam, se pronunciando contra o plebiscito, pelo qual o povo determina as orientações fundamentais na reforma. Na ausência disso, a proposta que circula é uma contra-reforma, um retrocesso, que tornaria ainda menos democrático o processo eleitoral.

Não basta a Dilma deixar correr as especulações sobre o ministério e dizer que vai definir as coisas quando quiser. O governo anterior acabou e o novo precisa começar a existir urgentemente.

Política é também capacidade de iniciativa. Ainda mais diante de um oposição que retoma o tipo de ação que lhe permitiu ter muito mais  votos do que obteria, se tivéssemos um processo democrático de formação da opinião pública.

A oposição cria um clima de expectativa sobre a nomeação do Ministro da Fazenda para, qualquer que seja o nome escolhido, promover a ideia de que ele decepciona o “mercado”. É preciso deslocar o debate do nome para o plano de ação do novo governo para retomar um ciclo de expansão da economia e começar a agir imediatamente, não em resposta ao terrorismo econômico – como foi o aumento da taxa de juros – mas conforme um plano coerente de política economica, decorrente da derrota que foi imposta ao modelo neoliberal, que agora os colunistas da oposição recomendam ao governo.

Aprender da campanha eleitoral é disputar permanentemente a opinião pública, com medidas e com meios de poder ganhar essa disputa. O governo segue na defensiva, enquanto não falar ao país o tempo todo, enquanto não dispuser dos meios de comunicação à altura da disputa que enfrentamos. Por não dispor deles, quase perdemos a eleição. É preciso avançar imediatamente no fortalecimento dos canais públicos de comunicação, nos meios alternativos, no combate aos monopólios e oligopólios na mídia, que sabotam a democracia no Brasil.

Tags: Política





Odorico Ribeiro - 22/11/2014
Ontem eu vi por televisão as declarações feitas no Congresso Nacional Venezuelano pela esposa de um jovem advogado assassinado nas manifestações violentas aqui na Venezuela no inicio deste ano. É muito difícil ver esse video aí embaixo, sinto muito, porque é muito doloroso. Muito. Com que se veja os dois primeiros minutos basta para sentir a situação que houve aqui a partir do dia 12 de fevereiro e que durou uns 3 ou 4 meses.



Busquei escrever para todos os amigos no Brasil tantas cartas quantas foram possíveis sobre esse fato inaudito. E tudo porque uma parte da oposição (a parte fascista, uns 10% dos eleitores, quase 2 milhões de pessoas) decidiu que o Nicolás Maduro não podia mais ser o Presidente do país. Eles não queriam e ponto.



Contrariando todas as normas democráticas, eles mataram, aterrorizaram, mutilaram, queimaram e destruiram instalações públicas e privadas. Só que agora, derrotados, não sabem o que fazer. Vale a pena lembrar os outros casos, igualmente dolorosos, que em total somaram 43 vítimas mortais. Bem isso sem contar, com os que foram feridos graves e mutilados cujo número ultrapassa os cem casos.



O fato é que a sua soberba nunca lhes deixou ver a possibilidade de serem derrotados. O plano deles lhes pareceu "perfeito", pois contou com o apoio mediático e das redes sociais, além que eles criaram (em cumplicidade com os grandes capitais) uma situação econômica e financeira complicadíssima (similar ao aplicado no Chile que derrubou o Salvador Allende e pôs o Pinochet no poder).



Pois é, eles pensaram que ia ser moleza e que o venezuelano não suspeitaria de nada. Só que não foi bem assim, apesar dos grandes danos causados. Enormes danos ao país.



Enfim, agora as comissões de justiça no Congresso já estão formadas e lá vão ser ouvidas as mães das vítimas, seus pais, irmãos, tios, sobrinhos, amigos, avós, testemunhas, que pedem justiça. Aí no Brasil a grande midia calou ou mentiu sobre esse assunto. Não sei até quando vamos dar crédito a esses loucos, que na verdade são cúmplices de tudo isso. Na verdade, depois de tudo o que vi e que lhes tentei escrever, a essas alturas do campeonato já o único que posso acrescentar é que foi a estupidez mais estúpida que vi na minha vida.


Odorico Ribeiro - 22/11/2014
Basta lembrar o exemplo que passou a seis ou sete quarteirões da minha casa, onde esses fascistas criminosos (liderados por paramilitares muito bem treinados) invadiram em massa a um edificio onde funciona uma creche do estado, a queimaram, atiraram bombas molotov, dispararam e fizeram com que o horror tomasse conta das quase 90 crianças que estavam ali dentro, além de professoras e funcionarios. Ninguém poderá tirar dessas cabeças esse momento de terror.



O líder intelectual dessa matança e líder do partido fascista foi preso. Há videos gravados dele em varios lugares (inclusive nos EUA) dizendo que iria tirar o Maduro da presidência fosse como fosse. Há outros tantos videos dele liderando arremetidas contra instituições. Ele é conhecido por sua violência que não é de hoje. No golpe de 2002, foi muito valente quando derrubou ao Chávez dando porrada em varios chavistas e metendo-os preso (ele era prefeito de um municipio). Obviamente ele aparecia cantando de galo na televisão.



Com a reviravolta do caso, pois o Chávez voltou ao governo em apenas dois dias, ele parecia uma ovelhinha. Como sempre a covardia é uma característica desses idiotas. Há vários videos dele em outras manifestações violentas. O Chávez e seus seguidores sempre buscaram evitar confrontações, houve muito perdão, tudo em pro da paz, para que a Venezuela seguisse seu caminho em harmonia.



Só que desta vez a coisa foi longe demais. Pois bem, justamente quando está tudo conformado para seu julgamento e começam as declarações das vítimas, tesmunhas e familiares, surge uma campanha mediática nacional e internacional que chama a esse líder (?) da direita de "preso político" e busca confundir a todos.



Não sei o que haverá nos dias que seguem, nem em 2015. Não sei. Provavelmente algo eles irão tentar fazer. Apoio de Washington eles têm. Enfim, só me resta esperar. Aí está o video. Triste, sim, tristíssimo. Mas vê-lo é obrigatorio.







http://www.youtube.com/watch?v=ANg01ETr5p0





Orlando F. Filho - 18/11/2014
Ao contrário alguns profetas do apocalipse escreveram aqui, o governo legalizou as terras das comunidades quilombolas e irá entregar os certificados a outras comunidades. Escreveram aqui que o governo não estava apoiando as comunidades. Recentemente assisti a documentário sobre estas comunidades e, em nenhum momento, elas culparam o governo pela situação, mas disseram que os mais jovens vão estudar na cidade e depois não querem voltar a morar nas comunidades. Mas aqui alguns apenas querem ser pedra e não têm a coragem de dizer qual sua orientação política, o que demonstra, na minha opinião, uma falta de caráter imensa. Igual aos que votaram no playboyzinho que não tem o caráter de aceitar a derrota e atuar eticamente pois todos tem liberdade de expressão e não de manipulação, como é o caso do PIG. Quero deixar claro que não sou filiado ao PT pois durante muito tempo participei da CS na década de 70(nos tempos da ditadura onde as reuniões eram clandestinas) e depois me desliguei. No primeiro turno, meu voto seria do PSTU por ter alguns amigos no partido, etc. Mas quando percebi que dilma poderia perder, votei nela para que o playboy não ganhasse. Certa vez na frança, os socialistas não iriam votar mas quando perceberam que miterrand(me corrijam se estiver errado) iria perder, foram em massa votar nele para a direita racista não ganhar. Aqui não, alguns que sofrem de "esquerdismo" aquela doença infantil da qual lenin nos alertou, preferem dar chances para a direita do que votar na esquerda mesmo que não seja sua linha filósofica. Já dizia Bretch "o pior analfabeto, é o analfabeto político". e existem aos montes por aí, inclusive alguns que se dizem "politizados". hahah


Milton Campanario - 18/11/2014
Que iniciativa? Está tudo nas mãos da presidenta e no momento depende dela e só dela. Como só teremos um congresso novo e limpo depois deste processo de lubrificação dos canais políticos com nosso dinheiro da Petrobras, o melhor a fazer é compor a equipe e esperar a base aliada limpar a roupa de óleo sujo. O PCI implodiu depois das mãos limpas e agora isto pode acontecer aqui. Esta é a questão.


roberto danunzio - 18/11/2014
Orlando, você é um péssimo gozador, precisa se aperfeiçoar um pouquinho, é tanta falta de jogo de cintura que não me senti nem um pouco ofendido, melhor caprichar um pouco mais. Convivo com comunidades indígenas e sertanejas há vinte anos, diretamente, leio muito a respeito e conheço muita, mas muita gente boa que trabalha com esta gente lutadora ligada à terra. Ah, se meus conhecimentos fossem fundados em documentários da NatGeo!! Também possuo muitos amigos no meio sindical. Tudo o que digo aqui é o reflexo de muita experiência consolidada e refletida. Se tivesse lido "O que fazer" de Lenin e tivesse desprezado toda a literatura marxista que foi escrita durante o século XX e XXI, não saberia o que fazer, na verdade. Já falei diversas vezes aqui dos projetos que admiro nos governos do PT de diversas esferas. Estou acompanhando com alegria alguns lances de Haddad na Prefeitura de São Paulo e não posso negar que me simpatizo com o cara. Também convivo com muita gente do PSOL e do PSTU e sei que existe ali muita baboseira, muita arrogância, muita prática pela prática, muita mediocridade. Minha posição política é bastante conhecida pelas posições que defendo (não posso passar a vida fazendo agrados ao PT, repetindo o mantra das tais "conquistas históricas", isto é ponto pacífico). Ademais, não tenho obrigação nenhuma de revelar minha posição partidária. Pessoas autoritárias estão sempre querendo nos obrigar a fazer certas coisas e se não fizermos já vem a pedrada: coxinha, sem caráter, estúpido, canalha, etc., etc. O leitor que acompanha estes debates sabe que não uso destas táticas espúrias. Quem acha por exemplo que o PT não coopta centrais sindicais e não usa de brutalidade e truques sujos contra os sindicatos dos servidores públicos federais que não foram domesticados, que continuam independentes e combativos, quem acha que estou errado vai ter que provar o contrário. Minhas pesquisas, meus conhecimentos interpessoais, minha presença no meio sindical têm provado que o dito Partido dos Trabalhadores tem medo dos trabalhadores organizados e críticos. Ataques pessoais, golpes baixos não vão mudar esta realidade, quem está na frente de luta sabe como e onde o bicho está pegando.


Orlando F. Filho - 18/11/2014
Para usar uma frase do FHC, apesar de neste espaço existir pessoas catastrofistas(eu nem preciso dizer quem é, né) mas que não contribuem com nenhuma sugestão, opinião que preste, eu, humildemente, faço algumas sugestões. Existe o canal a cabo NBR o qual poderia servir de embasamento político para esclarecer a população(não confundir com propaganda oficial) com debates onde todos os seguimentos da sociedade(inclusive a direita golpista) particpariam. Outra coisa importante é utilizar o horário gratuíto para lembrar ao povo brasileiro o que foi a ditadura civil/militar e agora que estamos chegando em dezembro, o PT poderia fazer um programa para lembrar ao povo o que foi o AI-5 de 13 de dezembro de 1968(para os supersticiosos foi numa sexta feira) que tirou todos os direitos políticos dos brasileiros, deu sinal verde para a tortura pois os gorilas podiam prender qualquer pessoa sem ordem judicial e simplesmente desaparecer com o preso. Antonio Claudio Mariz, advogado de um dos empresários envolvidos no escândalo da Petrobrás disse "era melhora advogar no tempo da ditadura militar". Esta declaração iguala a uma escrita por um sujeito que chamou dilma "a dama de ferro do planalto". Só sendo muito idiota(desculpem a escatologia) prá dizer uma coisa dessas e o cara ainda diz que conhece a escola de frankfurt!!! Na Alemanha sempre existe uma data para lembrar os horrores do nazismo pois "um povo que não aprende com seus erros, esta fada a repetí-los". Precisamos mobilizar a esquerda(todas as tendências, não importa) pois alguns analfabetos políticos fazem o jogo da direita criticando um partido que pela primeira vez na história deste país conseguiu tirar mais de 50 milhões da linha miséria, o que não é pouca coisa. Não estou pregando a submissão incondicional. O exemplo do Vietnã é notável: quando o inimigo era comum(no caso frança e depois usa) eles se uniram para combatê-los e por isso o país nunca foi dominado por ninguém nem pela china. Depois que ganharam a guerra, ai foram discutir suas tendências e todos sabemos as atrocidades cometidas mas hoje o país está bem na economia, com uma mistura de capitalismo com socialismo(se é possível...). Não, mas alguns que batem no peito e se dizem de esquerda radical, criticam o governo dilma mas críticas sem nenhum fundamento que nada acrescentam. Esta semana, 3 mil gatos pingados foram às ruas protestar contra a corrupção na petrobrás, mas esquecem que nos governos sarney, fhc já existia corrupção. A diferença é que dilma está investigando e não esqueçamos que josé dirceu, genoíno(foi meu professor no cursinho) e outros do mensalão estão cumprindo pena, enquanto o sr. Eduardo Azeredo, tucano, fugiu para minas e vai ser processado lá pois assim terá tempo para fazer aquelas chicanas jurídicas protelatórias até que o processo prescreva. Voltando a manifestação dos gatos pingados, havia um cartaz pedindo a volta dos militares e outro escrito assim: "NÃO CONSIGO MAIS ARRUMAR EMPREGADA QUE DURMA NO EMPREGO. MALDITO LULA". Sugiro a algumas pessoas que, ao invés de escrever abobrinhas neste espaço, aderissem à manifestação da elite golpista, pois assim seriam mais coerentes, né danúnzio, hhahaha. Sou gozador porque uma vez millor fernandes disse: "não confiem em quem não tem bom humor".


Antonio Elias Sobrinho - 18/11/2014
Tomar a iniciativa, num quadro desses, é assustador. O governo anda vendo inimigos por todos os lados e grande parte dos amigos são altamente suspeitos.

Acho, inclusive, que o desafio maior, no sentido de tomar qualquer iniciativa mais ousada, encontra-se no seu próprio quadro de alianças.

Isso porque grande parte deles vieram, atraídos pelas benesses, mas em nenhum momento se comprometeram, verdadeiramente, com nada.

Estão ali só pra sugar o que podem, em benefício de seus interesses e suas corporações, mas o compromisso ideológico deles é com o outro lado.

Agora, então, já que o governo encontra-se nessa arapuca, como modificar as coisas?

A opção que ele tem assumido, até agora, é suicida. A campanha, provou isso.

Por outro lado, o mergulho foi tão fundo nesse poço e como as alternativas a curto prazo por outros caminhos são escassas, provoca uma situação dramática.

Ainda bem que os instrumentos de reação a esse quadro existem, porque o executivo num país como este é muito poderoso.

O mistério está em descobrir a forma de usar esse poder, de forma democrática.

Uma coisa é certa, é necessário ousar e correr riscos.


Antonio Hermano Lemme - 17/11/2014
Tenho pensado que, se for possível do ponto de vista legal, a Presidência da República poderia ocupar mais vezes as cadeias nacionais de tv e se pronunciar mais vezes. Talvez toda semana, talvez todo mês, com uma pauta quente.

Algo como o Café com a Presidenta, mas em rede nacional. Ou seja, o governo poderia usar as concessionárias públicas já montadas - Globo, Band, Record, etc, para falar ao povo.

E reforçar em paralelo a tv pública.


roberto danunzio - 17/11/2014
Para que o PT faça o que sugere o Sr. Emir Sader, seria preciso que ele estivesse mesmo disposto, que tivesse mesmo a coragem de tornar as massas conscientes, bem informadas. Se o fizesse, estas massas passariam a se informar a respeito de como o PT vem se tornando um partido da ordem e tenderia a dar seu voto mais para a esquerda. Acontece que hoje o PT é só mais um partido fundado na manipulação das massas que seguirá acreditando que possui os meios mais adequados de manipulação das massas, até que...outro partido vença as eleições porque possui um arsenal de manipulação mais apropriado para o momento. Escrevam o que digo: não vai mudar uma vírgula em relação ao governo anterior, ou, se mudar, vai ser que entortou um pouco mais para a direita, escrevam aí.


José Ricardo Romero - 16/11/2014
Na Inglaterra a BBC e na França a TF funcionam como matrizes da informação e jornalismo confiável que têm nestes países a maior audiência e cujas noticias são reproduzidas pelo mundo afora. Todos estes canais de tv e rádio são estatais e não consta que manifestam tendências pró ou contra o governo, são autônomas e independentes, além de oferecer excelente programação cultural. Na França, junto com a Alemanha, existe também o canal "Arte" que é possível assistir aqui pelo seu site. Praticamente toda a programação cultural da Europa passa ali. É também um canal governamental. Porque não podemos ter isso no Brasil e concorrer com a grande mídia? Em termos de qualidade de programação e confiabilidade da informação vai ser facílimo, pois estes atributos da imprensa velha no Brasil estão abaixo da crítica. Tv, rádio e até jornais utilizando inclusive a internete, poderiam ser sustentados com o redirecionamento das verbas de publicidade pagas ao PIG. Eles não professam o capitalismo? Pois corram atrás da propaganda privada. Além do mais, a tv e rádio poderiam chegar pelo sistema analógico e digital a todo o Brasil. Estas decisões dependem apenas de vontade política, pois não precisa aprovar nada no Congresso e não seria preciso travar uma batalha duríssima pela Lei da Mídia que sairia manca e caduca, porque quando colocada em prática a imprensa velha já estará substituída pela internete. Prá que então gastar vela com defunto pouco?


Jerdeson Soares da Silva - 16/11/2014
As construtoras envolvidas em corrupção são as mesmas que derramaram rios de dinheiro nas campanhas de Dilma e Aécio e uma pancada de deputados e senadores. Dilma já aparece com um discurso:"não vamos demonizar as construtoras". Isso ai é só parte da relação dessas construtoras com a Petrobras Tem muito mais. Definitivamente temos que criar uma espécie de PODEMOS no Brasil. Não venham com discurso que o PT ainda representa alguma mudança , pq não rpresenta.


Marcia Eloy - 16/11/2014
Eu concordo com o prof. Emir e Arquimedes. Chega do governo ser mero espectador da política, tem que agir, e pensar rápido, pois a meta da direita é o impeachment.


Renato Luis - 15/11/2014
Se Dilma começar a agir, ela tem que estar consciente de que nós o apoiaremos em suas decisões. A mídia velha, aquela que está aqui no país dos brasileiros, não tem mais aquela força toda. Perdeu a moral faz tempo. Os leitores, aos poucos, tendo conhecimento de fontes alternativas de informação, vão migrar para estas fontes e, nunca mais vão voltar para essa mídia sem ética, sem moral. Eu, por exemplo, sou um exemplo do que escrevo aqui no Blog do Emir. Aliás, ao Senhor Emir meus parabéns pelos textos muito bem escritos.


NIELSON TORRES COSTA - 15/11/2014
não vão escrever nada sobre a morte de Leandro Conder? Já está demorando.


arquimedes andrade - 14/11/2014
Concordo. Não existe espaço vazio na política. O governo deve e pode tomar mais iniciativas, mais rapidez nas ações, agir "full time". O PT também, tem obrigação de fazer o mesmo em sintonia com o governo. Definir logo a Equipe de Governo e o partido atuar em todos locais possíveis. Avançar, fazer mais e melhor, ter unidade política e na ação.


vicente torres mourão - 14/11/2014
Acreditamos que Dilma saberá encontrar o rumo e tomará em breve a Dianteira da política . A transição mesmo dentro do mesmo governo não é fácil . São muitos os os grupos que ajem isoladamente . deixemos a oposição armar seu circo que ela não irá muito longe . o caminho que a oposição escolheu e muito pedregoso . Com mentiras , calúnias não se chega muito longe .Vejam o que o Ministro Mercadante conheguiu enfrentando o inimigo dentro de sua casa ( a globbo News )


Eurico Zimbres - 09/12/2014
Meu caro Emir, já está na hora de perguntarmos o que podemos fazer para deter a ameaça de golpe qjue se avoluma. Está na hora da intelectualidade deste país mostrar alto e bom som que não aceita mais a interrupção da vida democrática, seja ela através de puros golpes militares, sejam elas travestidas de medidas jurídicas, como no Paraquai. As eleições ocorreram e o povio fez, livremente, sua opção. Proponho, só para começar, que se redija um manifesto a ser abaixo assinado pelas forças democráticas brasileiras. Ou mostramos nossa cara ou a velha e a novaUDN darão um novo golpe.

PARCERIAS