Quinta-Feira, 22 de Junho

06/10/2014 - Copyleft

Um segundo turno de disputa

A conquista dos votos da Marina tornou-se crucial, porque a Dilma necessita algo em torno de 9 pontos a mais para ganhar e o Aecio necessita algo em torno de 17

por Emir Sader em 06/10/2014 às 12:40



Emir Sader


Pela quarta vez consecutiva o PT disputa o segundo turno com os tucanos. Foi assim com o Lula em 2002 e em 2006, com a Dilma em 2010 e volta a ser com ela em 2014.

A diferença esta vez é que a reserva de votos está à direita, com a Marina, e não à esquerda, como em outras vezes (como a própria Marina, ainda com parte do eleitorado progressista em 2010).

Desta vez o maior erro do governo – a desastrosa politica de comunicações – cobra um preço caro, ao consolidar falsos consensos, não combatidos: incompetência do governo, corrupção do PT, política econômica errada, a Petrobras é um problema, entre outros. Que geraram níveis de rejeição da Dilma e do PT, que se transformaram em teto para o crescimento da Dilma e dos candidatos do PT.

O enfrentamento com os tucanos é sempre melhor para o PT, pela comparação dos governos – o do FHC e os do Lula e da Dilma. E’ necessário desmistificar certos clichês que a direita fez circular, como o de que o país está em recessão, pelo menos demonstrando como a diminuição do nível de expansão da economia não cobrou seu preço em desemprego e diminuição dos salários que, ao contrário, seguiram melhorando.

Recordar o que eram as crises econômicas na era FHC, quando afetavam imediatamente o nível de emprego e o dos salários. Como se excluíam direitos, se precarizavam as relações de trabalho, se promovia a centralidade do mercado e a diminuição do tamanho do Estado, em que as privatizações se tornaram o maior caso de corrupção da história do país.

A isto se agrega agora a esmagadora derrota do candidato do Aecio em Minas, no primeiro turno, desmascarando a propaganda que ele fazia do trabalho que os tucanos tinham feito no estado sob o seu comando e que lhe teria dado um nível de apoio de mais de 90%. Tambem perdeu pra Dilma nas eleições presidenciais no seu próprio estado.

A disputa, nos termos colocados no primeiro turno, será dura. Pesquisas – por mais desprestigiadas que sejam – na quinta, procurarão dar a liderança ao Aecio, enquanto a mídia segue sua pressão para que a Marina e o PSB apoiem o Aecio. Mas a recuperação de iniciativa da nossa parte tem que vir em torno desses dois temas de crítica – salario mínimo do Arminio e derrota em Minas – e em torno de intensificação do trabalho militante e de concentrações dos movimentos populares, na resistencia ao retorno do neoliberalismo. O jogo está posto, está aberto e pode ser vencido.

A conquista e/ou neutralização dos votos da Marina tornou-se crucial, porque a Dilma necessita algo em torno de 9 pontos a mais para ganhar e o Aecio necessita algo em torno de 17. Alem de que a Dilma pode ganhar votos de candidatos considerados nanicos. Nessa margem de disputa se decidirá o segundo turno.

Tags: Política





Orlando F. Filho - 24/10/2014
Incrível como alguém tem a coragem de chamar o PT de partido de dreita. Gente, que ingnorância é essa!! Sim, o partido abriu mão de algumas idéias, mas queria o sr. Felipe governar sem apoio do congresso que, sabemos, tem deputados e senadores venais, apenas interessados em cargos mas não devemos esquecer, sr. felipe, que foram vocês que votaram naqueles caras. Quando digo vocês, estou me referindo às pessoas que nem sequer refletem em quais deputados ou senadores irão votar. Já vi pessoas pegando folhetos do chão para votar em deputado ou senadores ali na hora, sem a mínima noção em quem estão votando.


Orlando F. Filho para Marcia Eloy - 24/10/2014
Devo informar aos que vão votar no aécio que o empate técnico não existe mais pois as últimas pesquisas de todos institutos divulgadas pela globo news dá uma vantagem de seis por cento(6%) para Dilma. Portanto, Marcia Eloy, não se dê ao trabalho de responder a analfabetos políticos como esse tal de carlos nunes, pois vê-se que é uma pessoa totalmente desequilibrada que trata eleição como se fosse um fla x flu pois ele votaria em qualquer candidato, até no maluf, menos em dilma. São pessoas totalmente desinformadas e parece que este senhor em outro comentário neste sítio mostrou-se simpatizante de ditaduras, o que o desqualifica totalmente para uma discussão política de alto nível. Marcia sei que vc é uma pessoa combativa, politizada e endosso todas as suas palavras aqui escritas e vamos juntos todos nós que acreditamos num Brasil mais justo, onde todos possam ter acesso as melhores coisas da vida para que a felicidade não seja apenas uma fotografia em calendários de parede. Um grande abraço a todos que vão votar em dilma e àqueles que votarão no playbloyzinho, espero que algum dia também percebam o erro que cometerão, pois a família dele através do avô tancredo participou do golpe civil/militar de 64 juntamente com o banqueiro magalhães pinto. Tá vendo seu carlos, isto é história e não lenda.


Felipe Leite - 08/10/2014
Acredito que Dilma nem os amigos da Carta maior devem correr ou se preocupar com o apoio de Marina, afinal assim como o PT, a carta maior ficou "malhando" Marina durante toda a campanha, logo não faz sentido querer o apoio dela né ? Faria sentido ir até o eleitor dela e dizer para votar no Aecio, uma vez que houve toda uma campanha de descontrução das ideias de Marina, se nada do ela estava propondo prestava, o voto deveria ir para o PSDB certo ? As ideias não batem, certo ? Porque quero votos de reacionários, da velha politica travestida de nova ? Dos coxinhas disfarçados de esquerda ? Opa pera ai... se não tiver os votos de quem vocês ajudaram a afundar de maneira "apelativa" e através do medo vocês não ganham...ahhh entendi, poder a qualquer custo.... Outros que dizem que o PT é de esquerda deveriam abandonar o site, dizendo que a direita não pode voltar ???? Ué, o PT é esquerda ??? Não.... ele foi esquerda !!! Esquerda hoje é o PSOL !!!


Edu Montesanti - 07/10/2014
Emir Sader, desgraçada ironia, passou os quatro anos entre as eleições de 2010 e esta patrulhando a crítica, tachando cidadãos e personalidades de esquerda de todos os nomes pejorativos, chegando até a classificar os sem-teto de "cães vira-lata", e agora este discurso? Seria muto bom se fosse autêntico, mas se trata de mais um oportunismo eleitoreiro para dar ao atual governo, em quem votarei neste segundo turno, uma aparência mais progressista da que possui na realidade (bem tímida). Acabei de rasgar o verbo em favor deste belo sítio Carta Maior em outro artigo, portanto, espero que não me decepcionem publicando esta minha humilde e politicamente incorreta opinião


Marcia Camargo - 07/10/2014
Vejamos: A "nova política" recebeu sua pá de cal, com a "decisão" da Executiva da Rede de Marina de apoiar Aécio, atropelando a própria. Rendição incondicional? Seria trágico se não fosse cômico. Mas me explica: se Marina não transmitiu votos para Campos, que faleceu com 11%???? pq transmitiria para Aécio????


Marcia Eloy - 07/10/2014
Sr. Carlos

O senhor poderia expor suas ideias com mais educação, com mais classe, digno dos outros comentários aqui postados.


roberto danunzio - 07/10/2014
"A diferença esta vez é que a reserva de votos está à direita, com Marina, e não à esquerda, como em outras vezes". Deixa eu ver se entendi. Emir Sader está desprezando o milhão e meio de votos dados a Luciana Genro e que poderão fazer a diferença numa eleição apertada. É isto. Que fique bem claro, leitor, a opção da Carta Maior e o erro estratégico que, mais uma vez, estão cometendo. Ainda é tempo de buscar o voto do eleitor da esquerda crítica e combativa, mas é preciso um projeto de governo que nos inclua, o que não existe até o momento. Atenção, caso não haja sinalização para os sem terra, para os indígenas, para os funcionários públicos, para as minorias sexuais, para os sindicatos independentes, Dilma vai perder porque sua vitória vai depender desta minoria que até então o PT desprezou porque cantou de galo e achou que venceria com folga contando apenas com o voto alienado, isto é, o voto de quem não se informa, de que não forma seu espírito crítico.


Patricio Melo Gomes - 07/10/2014
Sra. Marcia Eloy, infelizmente este tipo de comentário do Sr. Carlos, reflete para além falta de educação dele, a indigência política atual cuja manifestações facistas de junho de 2013 são exemplares. De fato, reforçaram figuras do "calibre" de Bolsonaro e Feliciano, personagens de espetaculares performances eleitorais, bem de acordo com os tempos atuais de barbárie.


carlos a. nunes - 07/10/2014
Oi Emirzinho, quero saber COMO, ou melhor, COM QUE DESFACATEZ, vc escreve que é "crucial obter os votos de Marinha"... INFORMO QUE VOCEZINHOS já não os tem....OUVIU LINDINHO??? Ces tão ferrados, pois trataram Marina como bandida... o resultado está aí.... BEM FEITO, E AINDA VÃO ASSISTIR SENTADINHOS, dito pelo seu amado WILLIAM BONNER E A GLOBO TODINHA: aécio eleito presidente do Brasil... podem ir comprando plasis, engov... AÉCIO PRESIDENTE!!!!!


Alexandre Lins - 06/10/2014
Emir, o que a gente ("A POEIRA") quer ver eh Lula sendo chamado para o futuro Ministerio de Dilma. Alem de humildade politica, seria uma forma de acabar com qualquer duvida sobre a eleicao. Lula eh Dilma e vice-versa! Acontecendo iria insuflar a Massa!


Fabio - 06/10/2014
Emir, creio que nem todos os votos pra Marina são os de direita, conservadores, anti-petistas, etc. Uma prova disso é que nós perdemos na cidade de São Paulo em redutos "nossos": Campo Limpo, Ermelino Matarazzo, Itaquera, São Miguel Paulista entre alguns outros. O mesmo pode-se dizer para o ABCD, São Bernardo, Santo André, Guarulhos, Mauá, etc. Ali foi bem dividido entre Dilma e Marina e Aécio. É muito provável (caso seja feito um trabalho minimamente bom) que os votos da Marina retornem para nós. O que já reduziria os danos no Estado. Outra coisa é o norte e nordeste, no qual a Marina somou mais de 7 milhões de votos: Temos a obrigação de fazer uma boa campanha lá (Pernambuco) e trazer pra casa a maioria desses votos. Portanto, temos condições de politizar a campanha, de trazê-la para a esquerda e ganhar do Aécio.


Emílio Nolasco de Carvalho - 06/10/2014
Mesmo sendo um desafeto ex-esquerda, não dá pra esquecer a história do Paulo Francis com a Petrobrás. O governo FHC simplesmente ignorou as denúncias do cara e deixou o cara morrer com processos milhionários contra ele. No governo atual a situação é completamente diferente: nem vai privatizar, nem vai jogar a corrupção pra debaixo dos panos. Onde estava o Aécio nessa época?


wendel Anastacio - 06/10/2014
Muito bem colocado pelo Emir, quando cita que devemos focar na desastrosa derrota que o Aécim teve em Minas, depois de 12 anos, e sua alegação de que sua reeleição foi fruto da ótima gestão naquele estado.

O que provou as urnas, não foi bem isto, e a volta deste entreguista ao comando deste país, seria a maior tragédia que podíamos suportar!!

Vamos a luta galera, nosso País merece continuar sob a direção petista!!!!!!!!!!!!!

PARCERIAS