Sábado, 25 de Outubro

30/05/2012 - Copyleft

Ex-chefe de imprensa de Cameron é preso por perjúrio


Marcelo Justo, de Londres
Marcelo Justo, de Londres

Londres - O ex-chefe de imprensa do primeiro ministro David Cameron e o ex-editor do “News of the World”, Andy Coulson, foi preso por suposto perjúrio cometido durante um julgamento na Escócia há dois anos. No julgamento contra o político socialista escocês Tommy Sheridan, Coulson assegurou que não tinha conhecimento das atividades ilegais realizadas pelos jornalistas da extinta publicação dominical, um elemento chave no escândalo das escutas telefônicas. A polícia escocesa não ofereceu detalhes sobre os motivos da prisão, mas uma frase pronunciada por Coulson ficou gravada para sempre. Segundo o ex-chefe de imprensa de Cameron, “não havia uma cultura de escutas telefônicas no News of the World”.

O escândalo das escutas telefônicas já tem dois condenados, três acusados, mais de 40 pessoas livres sob fiança, dezenas de acordos extrajudiciais da News International com alguns atingidos pelas escutas, como um de 100 mil libras (160 mil dólares) pagos à atriz Sienna Miller e outro de 200 mil pagos à ex-ministra da Cultura trabalhista Tessa Jowell.

O Grupo Murdoch está fazendo o impossível para evitar a publicidade e a exposição de um caso judicial, mas o certo é que as demandas recém começaram e a lista de espionados aumenta a cada dia. O último é, nada mais nada menos, do que Sean Connery, que, por suprema ironia, ganhou fama mundial interpretando o espião britânico por excelência, James Bond.

À luz desses fatos, a frase de Coulson, editor da publicação dominical entre 2003 e 2007, soa não só vazia como também a um possível falso testemunho sob juramento. Essa é a segunda prisão que sofre Coulson desde que renunciou como chefe de imprensa de Cameron no início do ano passado. Desde então, o escândalo se converteu em um monstro de mil cabeças, várias delas a ponto de rolar. Hoje, o ministro da Cultura, Jeremy Hunt, joga sua carreira com o testemunho que prestará à Comissão Leveson, que investiga a relação entre meios de comunicação e políticos. A Comissão questionou abertamente a imparcialidade de Hunt durante o processo envolvendo a oferta feita pelo grupo Murdoch para adquirir por 8 bilhões de libras (13 bilhões de dólares) todo o pacote acionário da BSkyB.

Esta oferta é uma sombra que se estende ao primeiro ministro que deverá depor na Comissão e explicar por que contratou Andy Coulson como chefe de imprensa em 2007, pouco depois de sua renúncia como editor do News of the World. Na terça-feira, o predecessor de Jeremy Hunt como avaliador da oferta, o ministro de Empresas, Vince Cable, disse à Comissão que a News Corporation havia feito “veladas ameaças” sobre as consequências para seu partido, o Liberal Democrata, caso a operação não fosse aprovada.

Não era uma ameaça vazia: o grupo controla cerca de 40% da circulação de periódicos nacionais, além de ter 39,1% do controle acionário da BSkyB. “Meus colegas partidários estavam alarmados pelo que viram como uma complexa operação em marcha para contrapor minha decisão assim que a agência reguladora Ofcom divulgasse o resultado de sua investigação”, declarou Cable. O sangue não chegou a escorrer pela calçada porque Cable perdeu o cargo após ser gravado em uma entrevista com o Daily Telegraph dizendo que havia declarado guerra ao grupo Murdoch.

O primeiro ministro Cameron o substituiu na missão por Jeremy Hunt, apesar de o ministro da Cultura ter expressado publicamente que estava de acordo com que o Grupo Murdoch adquirisse por 8 bilhões de libras todo o controle acionário da BSkyB. Não só isso. Hunt escreveu em termos muito enfáticos ao primeiro ministro um mês antes de substituírem Cable dizendo a ele que a operação era essencial e que o governo não devia ceder à pressão da BBC e do Guardian que se opunham à mesma pelo impacto que a aquisição poderia ter na liberdade de imprensa. Cameron saiu em defesa de Hunt em repetidas ocasiões. Agora, Hunt terá que se defender sozinho perante a Comissão.

Tradução: Katarina Peixoto




Mais Lidas

Editorial

Blog do Emir

Leia Mais

PARCERIAS