Quarta-Feira, 23 de Abril

12/01/2010 - Copyleft

Uma, duas, três... milhares de Rosas Vermelhas


Flávio Aguiar
Flávio Aguiar

No segundo domingo de janeiro acontece tradicionalmente a maior manifestação de esquerda em Berlim. Lembra a data do assassinato de Rosa Luxemburg e Karl Liebknecht, em 15 de janeiro de 1919.

Milhares de manifestantes acorreram ao “Städtischer Zentralfriedhof Friedrichsfelde”, Cemitério Central Municipal de Friedrichsfelde, onde se encontra o Memorial em homenagem aos dois e outros socialistas e militantes proeminentes da esquerda alemã. Eram 40 mil segundo os organizadores, 20 mil segundo a polícia. De qualquer modo, era uma multidão enorme, sob um frio de rachar e uma camada de 30 cm. de neve, acumulada neste inverno extremamente rigoroso e caótico em toda a Europa.

É tradição que os manifestantes levem rosas vermelhas ou cravos da mesma cor para o Memorial: são milhares e milhares de flores que cobrem as duas lápides, aos pés do monumento.

Segundo o jornal Berliner Zeitung de 16 de janeiro, a imensa maioria dos manifestantes era composta por veteranos militantes, muitos deles conhecidos pela expressão francesa “soixante-huiters” – “a geração de 68” – ou mais velhos, e por gente muito jovem, o que vem a ser um termômetro muito interessante do que está acontecendo hoje em dia na Alemanha e na Europa. Da geração que chegou à maturidade política no período que antecedeu ou que sucedeu a queda do muro de Berlim, em 1989, e que hoje está, grosso modo, entre os 40 e os 50 anos, pouco mais, pouco menos, muito pouca gente, comparativamente às outras gerações, estava lá.

Há quem despreze solenemente a manifestação, dizendo que ela é um “ajuntamento de aposentados da antiga DDR” – a ex-Alemanha Oriental. Não é verdade. Inclusive porque 20 anos depois da queda do muro a realidade política da esquerda na Alemanha mudou muito, e hoje o espectro político da esquerda alemã que se proclama como tal – a começar pelo novo partido Die Linke (A Esquerda) – é muito variado e caminha com pernas próprias, não podendo mais ser considerada apenas ex-isso ou ex-aquilo. A presença maciça de jovens demonstra isso. Além desse partido, e das frações tradicionais e fragmentárias da extrema esquerda (inclusive o Partido Comunista Alemão), também acorrem à manifestação militantes e simpatizantes de tendências à esquerda dos Partidos Verde e Social Democrata, além de outros independentes, curiosos, turistas, vendedores de bottons, livros, camisetas, e, é claro, boas salsichas (as “wurst”), que não poderiam faltar, além de outros acepipes. Os manifestantes vêm de toda a Alemanha e de outros países também.

Neste ano a manifestação se realizou sob o signo de movimentada polêmica em torno do cadáver de Rosa Luxemburgo. A faísca da discussão foi um torso de mulher, sem cabeça, mãos e pés, encontrado no porão da Charite, o grande complexo hospitalar público de Berlim onde fica o Instituto Médico Legal daqui.

O diretor do Instituto, dr. Michael Tsokos, levantou a suspeita de que este poderia ser o remanescente do verdadeiro cadáver de Rosa. Para embasar sua suspeita, argumenta com notáveis semelhanças entre este torso – a começar por ter ele uma perna mais curta que a outra, por ter estado submerso – e as descrições que se tem de Rosa Luxemburg. Argumenta também com o que considera possíveis incongruências nas autópsias de Rosa, em 1919, além de certos sinais característicos da revolucionária, então com quase 48 anos, não constarem dos documentos. Já havia, de longa data, boatos sobre o cadáver de Rosa “nunca ter deixado a Charité”, ou de que “ele fora enterrado sem a cabeça”.

Explique-se: em 1919 Rosa e Liebknecht foram aprisionados por uma divisão de cavalaria do Exército Alemão que passara a integrar os Freikorps – organizações para-militares de extrema direita – que foram chamadas ou liberadas pelo governo, cujo líder era o social-democrata Friedrich Ebert – para reprimir o movimento de trabalhadores que, no pós-Primeira Guerra, seguindo o exemplo soviético, haviam proclamado uma República Socialista. A repressão pelos Freikorps foi extremamente brutal, provocando a morte de milhares de militantes esquerdistas (os números vão desde 1.300 a 5.000) no começo de 1919. E o seu estopim foi a prisão e execução, depois de tortura, de Rosa e Karl.

O cadáver de Karl foi entregue à polícia como vítima de um assassinato “por desconhecidos”. O de Rosa foi jogado no Landwehr Kanal, um dos tantos canais que cortam Berlim e fazem-na ter mais pontes do que Veneza. Quatro meses depois ele foi encontrado e levado à Charité para identificação e autópsia. Segundo a suspeita do dr. Tsokos, então, o cadáver enterrado como sendo de Rosa não seria na verdade o dela, na pressa para pôr fim à questão. Para complicar as coisas, o lugar onde se encontravam os corpos de Karl e Rosa, no mesmo cemitério de Friedrichsfelde, foi saqueado e profanado pelos nazistas em 1935, que sumiram com eles. As lápides hoje aos pés do monumento em homenagem aos socialistas cobrem túmulos, na verdade, vazios.

A hipótese de que o cadáver descoberto no porão da Charité fosse o de Rosa despertou a fúria de muita gente, a começar pelo diretor anterior do IML, dr. Volkmer Schneider. Este chamou à liça um historiador, Klaus Gietinger, que começou a levantar documentos para provar que o cadáver enterrado em 1919 era de fato o da revolucionária. E acusou o dr. Tsokos de uma manobra sensacionalista para promover um futuro livro, que ele está escrevendo, sobre casos curiosos de identificação (ou falta de) de corpos na medicina forense. Por sua vez, Gietinger também preparou um livro sobre o caso, com os documentos que reuniu. E assinale-se, há outros historiadores, como Jörn Schütrumpf, que sustentam a tese de Tsokos.

É claro que tudo poderia ser resolvido por um exame de DNA, se houvesse elementos disponíveis. O dr. Tsokos encontrou uma sobrinha neta de Rosa que vive em Israel, mas o parentesco é muito distante para permitir uma identificação (ou não) segura. Há o túmulo dos pais de Rosa, em Varsóvia, mas esta sobrinha neta até agora não deu permissão para que ele seja aberto – o que é muito estranho. A esperança do novo diretor do IML volta-se agora para uma história peculiar, a de que Rosa teria dado uma mecha de seus cabelos para Paul Levi, um advogado social-democrata com quem teria tido um envolvimento. Levi morreu em 1930, mas em 1933 sua família emigrou para os EUA. Talvez a tal de mecha ainda exista, o que poderia levar a uma prova conclusiva sobre se o cadáver na Charite era ou não o de Rosa.

De qualquer modo, seria ainda preciso explicar o que um corpo sem identificação, nem, pelo visto, preocupação por que fosse identificado, ficou no porão do complexo hospitalar durante pelo menos 90 anos (o exame de carbono-14 comprovou que o corpo era daquela época), o que, por si só, mereceria uma investigação pelo Ministério Público. Que, aliás, colocou o corpo sob sua jurisdição até segunda ordem.

A polêmica mostra, em todo caso, que Rosa ainda é, além de uma inspiração internacional, uma espécie de “oco” na história alemã.
Para completar este artigo, uma referência a um acontecimento insólito e patético ao final da manifestação. Bem no finzinho, depois até que um grupo radical já tinha entoado a Internacional, um pequeno ajuntamento de jovens desfraldou uma bandeira que era de alguma “Juventude Comunista”. Sabe-se lá por quê, parece que há uma proibição quanto a essa bandeira. Um bando de policiais veio então e a apreendeu, sob protestos generalizados. Felizmente os manifestantes foram sensatos (no meu entender mais do que os policiais, que pareciam ter tomado aquela atitude por nada mais terem tido a fazer durante a manifestação) e limitaram-se a exprimir seu descontentamento de viva voz, sem recorrer a outros métodos que poderiam ser considerados uma provocação.

Um dos descontentes com a medida policial, o que desfraldara a bandeira, perguntou por quê a apreensão fora feita. Ouviu de um policial que a bandeira fora proibida. Retrucou o manifestante: “Sim, foi proibida lá [isto é, na antiga Berlim Ocidental], mas não aqui [isto é, na antiga Berlim Oriental, onde fica o cemitério].

O pequeno incidente mostra que as distâncias estão presentes; para aquele manifestante descontente, a força policial era de invasores; e o seu território, um território ocupado. O que mostra que existem ainda outros “ocos” na história alemã.

Créditos da foto: Flávio Aguiar




Daniel Valença - 16/01/2010
Engraçado, do lado da "democracia" se proibiu uma bandeira?!


renato cortez UJS - 13/01/2010
Muito bom artigo, os ocus da nossa historia ainda existem e permitem q as feridas mantenha-se abertas e dolorosas... es seculo sera marcado, assim como o anterior, de grande rupturas, crises e caos... precisamos entender q lutar por um mundo justo é lutar por um mundo onde todos tenha direitos e deveres correlatos... e onde nao haja mais explorados e nem exploradores genocidas. UNIAO DA JUVENTUDE SOCIALISTS


Jorge Ernesto Couto de Castro - 01/02/2010
É curioso Rosa morreu praticamente no mesmo ano que Hitler entrou para o partido dos trabalhadores alemães, que depois virou partido nacional-socialista fato esse que faz com que alguns mal informados e mal intencionados queram relacionar socialismo e nazismo e falando de uma suposta união que nunca houve. Rosa foi um exemplo de mulher de coragem, no entanto eu estranho numa Alemanha que voltou a ser democrática proibirem alguém de mostrar bandeiras para mostrar a sua convicção política.

Mais Lidas

Editorial

Blog do Emir

Leia Mais

PARCERIAS