Sábado, 19 de Agosto

12/08/2017 21:25 - Copyleft

Venezuela: ameaça de Trump de uma intervenção militar é loucura do imperialismo

Ameaça à nação latino-americana é uma ameaça sem precedentes à soberania nacional, disse oficial do governo em Caracas


Jon Queally, Common Dreams
common dreams

Em resposta aos comentários do presidente Donald Trump de que “não descartaria” uma “opção militar” contra a Venezuela – envolvida atualmente em conflitos políticos internos enquanto forças neoliberais desafiam o governo socialista de Nicolas Maduro – os principais oficiais da nação caracterizaram os comentários como “loucura” vindos de uma “elite imperial e extremista que controla os Estados Unidos”.

 

Falando à imprensa em Bedminster, Nova Jérsei, na sexta-feira, Trump disse: “Temos muitas opções para a Venezuela, incluindo a possibilidade militar, se necessário”. Trump se gabou de que os EUA “têm tropas em todo o mundo”, mas disse que a Venezuela “não está muito longe”.

 

Depois, surgiu a informação de que Trump – que é boa praça de ofensores dos direitos humanos como o primeiro ministro israelense Bibi Netanyahu, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, e o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sissi – teria recusado uma ligação de Maduro.

 

Em resposta, o ministra da Defesa do país, Vladimir Padrino, denunciou o comportamento e comentários do presidente dos EUA.

 

“É um ato de loucura. De supremo extremismo. Há uma elite extremista que controla o país”, ele disse em comentários à imprensa.

 

Separadamente, o ministra da Comunicação, Ernesto Villegas, chamou a ameaça de intervenção militar de “uma ameaça sem precedentes à soberania nacional”. Em um tuíte, Villegas anunciou que convocou os diplomatas da nação para uma reunião no Sábado e prometeu divulgar um “comunicado falando sobre essa ameaça imperial à Venezuela” representada pelo governo dos EUA.

 

O país não se surpreende com os EUA se metendo em seus assuntos internos. Em 2002 foi vítima de um golpe que teve apoio explícito dos EUA e de aliados neoliberais.

 

Oferecendo perspectivas sobre a crise atual no país, Mark Weisbrot, economista e co-diretor do Centro de Pesquisas Econômicas e Políticas, apareceu na BBC semana passada em meio a uma violência contínua nos protestos de rua e às vésperas das novas ameaças neoliberais clamando por uma rebelião militar contra o governo de Maduro. Em seus comentários, Weisbrot diz ser profundamente problemático que a adiministração Trump clamou abertamente por uma “mudança de regime” na Venezuela, dado especialmente o histórico e papel destrutivo do imperialismo dos EUA na América Latina.




Créditos da foto: common dreams



Siga-nos no Facebook

Cadastro

Revista digital

Saul Leblon

Leia Mais

PARCERIAS