Terça-Feira, 25 de Julho

02/06/2017 11:20 - Copyleft

Alterações climáticas: Trump rasga acordo de Paris

Ao rasgar o acordo de Paris, Donald Trump confirma que a sua eleição como Presidente dos EUA 'é um perigo global'.


Esquerda.net
Molly Riley/Epa/Lusa

No dia da eleição de Donald Trump, a comissão política do Bloco de Esquerda salientou:
A eleição de Trump é um perigo global, pela sua declaração de guerra contra o planeta, feita logo na campanha eleitoral. Os EUA, a segunda maior economia do mundo, têm agora um presidente que nega a existência de alterações climáticas e quer cancelar o acordo de Paris.
A decisão, já esperada, anunciada nesta quinta-feira, 2 de junho de 2017, por Donald Trump de rasgar o acordo de Paris, confirma a análise bloquista de novembro passado.
"Para proteger a América e os seus cidadãos, os EUA vão sair do Acordo de Paris", afirmou Donald Trump, mas na verdade não se trata da proteção do país e dos seus cidadãos, mas da sua decrépita indústria petrolífera e dos seus poderosos acionistas.
Ao rasgar o acordo, o presidente dos EUA diz demagogicamente que está pronto para negociar um novo acordo sobre o clima “em termos justos para os Estados Unidos”, quando são os EUA os maiores responsáveis pelas alterações climáticas e atualmente o segundo país que mais negativamente contribui.
“A partir de hoje os EUA vão cessar a aplicação de todos os termos do Acordo do Clima de Paris”, disse Trump, mas anunciou logo a disposição em entrar de imediato em negociações. “Vamos sair, mas vamos começar logo a negociar para fazer um negócio que seja justo para os EUA”, afirmou o presidente norte-americano, mas foi também dizendo “Se conseguirmos, óptimo. Se não conseguirmos, também está tudo bem”.
Como afirmou Michael Löwy, em entrevista ao esquerda.net: "Trump representa a oligarquia fóssil e o negacionismo climático, a receita para a catástrofe ecológica".
Em resposta à declaração de Donald Trump, França, Itália e Alemanha emitiram um comunicado conjunto afirmando que o acordo de Paris não pode ser renegociado. "Consideramos que o impulso gerado em dezembro de 2015 em Paris é irreversível e acreditamos firmemente que o Acordo de Paris não pode ser renegociado, pois é um instrumento vital para o nosso planeta, sociedades e economias", afirmaram os três países em comunicado, segundo o Público.



Créditos da foto: Molly Riley/Epa/Lusa



Siga-nos no Facebook

Cadastro

Revista Digital

Saul Leblon

Leia Mais

PARCERIAS