Domingo, 23 de Novembro

26/10/2009 - Copyleft

Coleção destaca grandes cientistas brasileiros


Redação - Carta Maior
Divulgação

A revista Caros Amigos e a Editora Casa Amarela estão lançando a coleção Grandes Cientistas Brasileiros, uma série em 12 fascículos que recupera a biografia de 24 importantes nomes de diversas áreas da ciência nacional

Muita gente sabe que o Brasil é o segundo maior produtor mundial de soja, atrás somente dos Estados Unidos. Mas o que pouca gente sabe é que essa gigantesca produção, de 60 milhões de toneladas anuais, deve-se às pesquisas de uma agrônoma naturalizada brasileira, chamada Johanna Döbereiner. Suas descobertas permitiram substituir os adubos nitrogenados por um processo natural, utilizando bactérias, levando o Brasil a aumentar a produtividade e a economizar, por ano, US$ 5,5 bilhões.

Trata-se da fixação biológica de nitrogênio, processo que ocorre naturalmente com as bactérias que ajudam as plantas a absorver
nitrogênio do ar, recebendo nutrientes em troca. O trabalho de Johanna
foi descobrir, após milhares de testes, uma bactéria ideal ao tipo de
soja brasileira (Rhizobium), que uma vez inserido nas sementes,
potencializa seu crescimento. Com isso, a produção de soja brasileira,
ainda na década de 1960, cresceu cinco vezes.

A equipe da pesquisadora depois descobriu bactérias específicas para a
cana de açúcar, dando outro impulso enorme à produção e garantindo o
abastecimento de álcool combustível. Histórias como essa, de avanço
científico e contribuição à nação são comuns nas 24 biografias de
cientistas brasileiros, como a de Carlos Chagas, que compõe o primeiro
fascículo com Johanna.

O médico mineiro realizou um feito nunca alcançado na história da
ciência, nem antes nem depois dele: descobriu o ciclo completo de uma
doença, ou seja, seu agente transmissor, seu vetor (o inseto chamado
“barbeiro”) e ainda descreveu a moléstia, um salto triplo da ciência, ou
quádruplo, se considerarmos que Chagas também tratou dos primeiros
pacientes da enfermidade que leva seu nome. Salvou milhões de vidas, um
pioneiro da saúde pública brasileira.

São trajetórias emocionantes de superação pessoal e científica que
fizeram o país e a pesquisa avançarem, como o exemplo do médico Vital
Brazil, que estudava à noite com livros emprestados e, para não dormir,
mergulhava os pés numa bacia de água fria. Precursor no estudo das
cobras, criou antídotos aos venenos e ajudou a solucionar o principal
problema da maioria da população brasileira no início do século passado,
as picadas de cobra que apavoravam e matavam muitos moradores do campo.

PLANO DA OBRA
Os 12 fascículos quinzenais, 32 páginas coloridas a cada edição, formam
ao final uma obra de referência de 384 páginas. A capa dura especial,
gratuita, vem no oitavo fascículo.

01) Carlos Chagas e Johanna Dobereiner
02) Cesar Lattes e Florestan Fernandes
03) Milton Santos e Vital Brazil
04) Celso Furtado e Crodowaldo Pavan
05) Oswaldo Cruz e Nise Silveira
06) Mario Shenberg e Gilberto Freire
07) Adolpho Lutz e Paulo Freire
08) Sergio Buarque de Hollanda e Fritz Feigl
09) Luiz da Camara Cascudo e Graziela Barroso
10) Darcy Ribeiro e Mauricio Rocha e Silva
11) José Bonifácio e Josué de Castro
12) Henrique Morize e Anisio Teixeira

MAIORES INFORMAÇÕES:

Marcos Zibordi, editor-adjunto
(11) 9228-5003 e 2594-0255/0376
mzibordi@hotmail.com
Rua Paris, 856, Sumaré, São Paulo
CEP 01257-040



Créditos da foto: Divulgação




Hélio Santos - 28/10/2009
Parabéns pela iniciativa. Mas, como toda coleção, não agrada todos, eu também senti falta de alguns nomes: Caio Prado Jr. e Manoel Bonfim mereceriam também serem privilegiados.


João - 28/10/2009
A onda nacionalista ataca... bom, antes isso que neoliberalismo...


Ligiana N. Lucena - 08/11/2009
Boa oportunidade para a mídia alternativa dá uma olhada no que acontece ou acontecerá na FIOCRUZ. O departamento da Fundação em Pernambuco divulgou nota dando notícia de congresso interno, em abril de 2010, em que será deliberada a alteração do estatuto da instituição, que passará a ser empresa. A nota acusa o atropelo do regime de urgência e a falta de debate sobre as mudanças, principalmente o caráter excessivamente restrito do órgão deliberativo em face do inegável interesse de toda a sociedade brasileira nos rumos da Entidade. Deixo, então, os parabéns para as sempre importantes iniciativa da CasaAmarela e deixo sugestão de cobertura dessa movimentação na Fiocruz. Abraço a todos


Valéria Mendonça - 01/11/2009
Muito boa a idéia. Concordo que faltam alguns nomes, mas o essencial é prestigiar os nossos pensadores, pelas referências inerentes à nossa cultura, a nossa realidade.

Mais Lidas

Editorial

Blog do Emir

Leia Mais

PARCERIAS