Terça-Feira, 27 de Junho

 

15/03/2017 11:27 - Copyleft

Hecatombe do governo golpista - Diretas já!

O Brasil precisa reatar-se com a democracia: somente um governo eleito pelo povo terá legitimidade para dirigir o esforço de reconstrução do país.


Jeferson Miola
Marcos Corrêa

A lista do Janot tem o efeito de uma hecatombe para o governo golpista. A mega-denúncia de corrupção oferecida pelo MP ao STF é aterradora. Ela implica, até este momento de divulgação parcial das informações, personagens-chave do bloco golpista:
 
-cinco ministros: Aloysio Nunes e Bruno Araújo, do PSDB; Eliseu Padilha e Moreira Franco, do PMDB; e Gilberto Kassab, do PSD;
 
-os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia/DEM; e do Senado, Eunício de Oliveira/PMDB – primeiro e segundo da linha de sucessão do presidente usurpador;
 
-o líder do governo no Senado, Romero Jucá, presidente do PMDB e artífice da “solução Michel”, montada para derrubar a Presidente Dilma e “estancar a sangria” da Lava Jato;
 
-o presidente do PSDB Aécio Neves; espécie de Carlos Lacerda do século 21, maestro da desestabilização política e do colapso econômico para derrubar a Presidente Dilma; e
 
-outros senadores da base do governo [José Serra, Edison Lobão, Renan Calheiros], além de empresários e operadores da corrupção.
 
Ainda estão pendentes de publicidade os inúmeros pedidos de abertura de investigações de demais pessoas e políticos implicados, quando então deverão surgir os deputados e novos ministros.
 
Michel Temer, embora citado 45 vezes numa única delação da Odebrecht, não terá processo aberto, porque a Constituição não autoriza a investigação de presidentes por ilicitudes cometidas antes do exercício do mandato.
 
Janot incluiu Dilma e Lula na lista – supõe-se que baseado nas convicções dos procuradores de Curitiba, não em provas concretas e contundentes, como as conhecidas da bandalha golpista.
 
A crise política, moral e econômica, situada em níveis já bastante críticos, será magnificada. O país poderá marchar para a depressão econômica em simultâneo com uma imponderável confusão política.
 
A eleição geral, neste contexto – para o Congresso e para a Presidência da República – é a única possibilidade de se recompor a legitimidade do sistema político para retirar o país do abismo.
 
Michel Temer, já bastante debilitado pelos escândalos permanentes, pela recessão recorde, desemprego brutal e derretimento do país, agora oscila entre a agonia e a morte. A continuidade deste governo é um entrave para a superação da crise.
 
O Brasil precisa, urgentemente, reatar-se com a democracia e restaurar o Estado de Direito. Somente um governo eleito diretamente pelo povo terá legitimidade para dirigir o esforço de reconstrução do país, devastado pelo golpe.
 
A saída para o Brasil é uma só: fim do governo golpista e eleições diretas e gerais já.



Créditos da foto: Marcos Corrêa



Siga-nos no Facebook

Cadastro

Revista Digital Carta Maior

Saul Leblon

Leia Mais

PARCERIAS