Quinta-Feira, 29 de Junho

21/05/2012 22:52 - Copyleft

Cachoeira na CPI: laços entre o crime e a direita política

por: Saul Leblon

Saul Leblon

A lista de sordidez e atrocidades incluída no livro 'Memórias de uma guerra suja', do ex-delegado do DOPS, Claudio Guerra, converge para um denominador normalmente pouco pesquisado e menos ainda divulgado pela mídia conservadora: a absoluta ausência de escrúpulos da direita nativa em recorrer à expertise do crime comum para perseguir, atacar e, se possível, eliminar fisicamente, sem pistas, a militância de esquerda que resistiu à ditadura militar.

Em entrevista a Carta Maior, nesta pág., o escritor e jornalista Bernardo Kucinski chama a atenção para esse matrimônio macabro, na sua opinião um dos elementos relevantes do livro a explicar uma dimensão da engrenagem repressiva e sua inaudita violência. A irmã e o cunhado de Kucinski, Ana Rosa e Wilson Silva, presos e desaparecidos desde 1974, foram, segundo a versão do próprio ex-delegado Guerra, vítimas desse moedor de carne, tendo seus corpos incinerados.

O casamento da direita com o submundo do crime trouxe a violência e os métodos dos meliantes para dentro das Forças Armadas, que se apropriaram assim das habilidades de matadores de aluguel, esquadrões da morte, narcotraficantes e bicheiros para fazer o serviço sujo, lembra Kucinski, do qual - acreditavam - não dariam conta pelos métodos convencionais.

Ao permanecer resguardada da opinião pública, essa simbiose criou raízes e se reciclou no ambiente democrático. A truculência assumiu novas formas para persistir no mesmo objetivo de eliminar adversários e suas idéias. A principal revista semanal brasileira, por exemplo, cuja especialidade editorial é articular campanhas difamatórias contra movimentos sociais, partidos e lideranças populares, ademais de ter sido o auto-falante da tentativa de transformar o obscuro episódio denominado de 'mensalão' em clamor pelo impeachment do Presidente Lula, agora se sabe, arrendou uma quadrilha criminosa para 'apurar' pautas de seu interesse político.

Conforme revelou o repórter de Carta Maior, em Brasília, Vinicius Mansur, Veja, através de seu editor, Policarpo Jr, pautava meliantes da quadrilha de Cachoeira e Demósteres Torres para obter ou produzir 'flagrantes' que sustentassem capas e matérias pré-prontas. A reportagem de Carta Maior constatou o método no apenso 1 do inquérito contra o senador Demóstenes.

Estão lá diálogos reveladores da forja por trás do denuncismo que envenena o discernimento da sociedade brasileira contra as agendas progressistas há anos. Num dos episódios - existem outros apensos e milhares de escutas ainda não degravadas - o editor de Veja encomenda a bandidos da escuderia de Cachoeira e Demóstenes um 'flagrante' que sustentasse a 'denúncia' de envolvimento do ex-ministro José Dirceu com a construtora Delta. Frustrado, reclama.

Depreende-se das interceptações da PF que o editor de Veja sabia dos crimes da Delta, conhecia o vínculo umbilical entre a empresa e a quadrilha. Mas nada disso importava: não era o crime o seu foco. Tanto assim que em troca dos serviços, a revista incorporava ao seu menu matérias do interesse do esquema criminoso associado.

A lógica que fundiu a repressão militar ao crime comum em 1964 e a simbiose atual entre as operações de Veja e bandidos liderados por bicheiros e políticos graúdos da direita precisa ser passada a limpo. A oportunidade para isso está nas mãos dos integrantes da CPI do Cachoeira e daqueles da recém-criada Comissão da Verdade. Sem concessões a novos e velhos protagonistas da mesma cepa, cabe à Comissão da Verdade ir a fundo, por exemplo, na investigação de empresas privadas que azeitaram o intercurso entre o crime comum e a repressão política, abastecendo regiamente o caixa destinado a algozes não pagos pelo Estado.

À base do governo na CPI do Cachoeira cabe indagar: quando, senhores, finalmente, a Polícia Federal será acionada para enviar à comissão todas - repita-se, todas - as interceptações que envolvem a participação do editor de Veja em Brasília, Policarpo Jr, ou fazem menção a ele nos negócios do bando Cachoeira?



Hora a Hora

Siga-nos no Facebook

Cadastro

Os últimos Editoriais

Emir Sader

As últimas da Carta Maior

PARCERIAS