Economia Política

O Brasil tem mesmo crescido menos que o resto do mundo?

Das 10 maiores economias do mundo, entre as quais a brasileira, apenas a Índia e a China têm crescido significativamente mais que ela.

14/10/2014 00:00

Nos últimos meses têm sido continuamente veiculadas opiniões de analistas afirmando que o país seria um dos que menos cresce no mundo. Certamente, em meio à maior crise internacional desde os anos 1930 e ao aumento da incerteza gerado pelo processo eleitoral e pela forma em que ele é noticiado, existem problemas reais e a situação econômica em 2014 não é mesmo das melhores. Mas, seria isso suficiente para justificar aquelas afirmações?
 
Defende-se aqui que não.

Isto porque, se nos últimos anos o Brasil tem de fato crescido abaixo da média dos emergentes, progrediu em ritmo similar ao da média global e acima da média dos países desenvolvidos. Sugere-se também que a comparação do crescimento brasileiro com o de outras economias sul-americanas, muito menores e menos diversificadas, é totalmente inadequada, o que não impede que ela venha sendo amplamente propalada.
 
Enquanto isso, se oculta que, das 10 maiores economias do mundo, entre as quais a brasileira, apenas a Índia e a China têm crescido significativamente mais que ela.

Mas não somente o Brasil cresce em linha com a média global e acima da média dos países desenvolvidos. Como mostram os gráficos a seguir, elaborados a partir dos dados do World Economic Outlook do FMI de outubro/2014, ele também tem crescido de forma muito similar à média dos emergentes quando dela retiramos um único país, a China, situação que se manteve, inclusive, após a eclosão da crise global.
 

Ou seja, longe do que se poderia pensar a partir da cobertura da imprensa, o desempenho da economia do país, de fato muito modesto, não está em absoluto descolado da economia global. Isso contrasta fortemente com os anos 1990, quando o Brasil crescia não somente menos que as economias emergentes, mas até mesmo menos que as desenvolvidas, o que apenas começou a mudar em meados dos 2000.

A superação dos problemas e a retomada do crescimento requerem o conhecimento da situação real do país. Não ajuda, nesse sentido, a difusão da imagem de uma economia paralisada em um mundo em clara recuperação, que de forma alguma corresponde à realidade.
___________

Emílio Chernavsky é doutor em Economia pela Universidade de São Paulo.



Conteúdo Relacionado