08/07/2014 - Copyleft

A solidão da Palestina

A nova ofensiva brutal contra Gaza revela, uma vez mais, a solidão dos palestinos. Não podem contar com ninguém que detenha Israel.

por Emir Sader em 08/07/2014 às 03:42



Emir Sader


“O mais difícil é ser a vítima das vítimas”, dizia Edward Said, para expressar uma das dimensões dos obstáculos que encontram os palestinos para lutar contra a ocupação israelense de seus territórios.

A solidão atual dos palestinos demonstra como essa era apenas uma das tantas dificuldades que eles têm que enfrentar para sobreviver. O direito elementar, aprovado há décadas pela ONU, de ter um Estado Palestino, da mesma forma que existe o Estado de Israel, é bloqueado pelo voto dos EUA no Conselho de Segurança e a ONU não faz nada para contornar essa atitude norte-americana.

A Palestina segue sendo dois territórios descontínuos – Cisjordânia e Gaza -, o primeiro esquartejado pelos muros, violado pelos assentamentos judeus e ocupado militarmente. Gaza, cercada e atacada a cada tanto, impunemente, como de novo agora. Não existe como Estado e se busca que a Palestina deixe de existir como territórios isolados, ao fazer com que seja economicamente inviável e humanamente insuportável.


Todos deveriam ir à Palestina – à Cisjordânia e, se conseguissem, a Gaza – para ter uma ideia do que é viver sob ocupação de um Exército racista. Para ver o que significam cotidianamente os muros, que separam a vizinhos, a parentes, a crianças que antes brincavam juntas na rua. Como as senhoras palestinas tem que andar quilômetros para poder cruzar para o outro lado da sua rua, submetidas ao arbítrio de jovens militares racistas de Israel, que controlam as passagens.

Para ver como esse mesmo tipo de jovens saem, de noite, protegidos por forças militares de Israel, para destruir bens dos palestinos, incluindo oliveiras, que tardam um século para crescer. Que jogam lixo nas ruas dos palestino, que tem que colocar redes de proteção para se defender.

Para sentir como os palestinos são atacados também no seu orgulho, nos seus espaços mínimos de vida, é preciso ir à Palestina, à Cisjordânia e, se possível, também a Gaza.

Nada de todos estes sofrimentos justifica ações violentas, mesmo se a gente pensa, quando está lá, como fazem os palestinos para não reagir ao terrorismo cotidiano que se exerce contra eles.

Inclusive para o primeiro objetivo, que é a unidade nacional da Palestina, porque se trata de uma luta contra o invasor, é preciso unir o país para expulsá-lo. O segundo, dada a correlação de forças internacional, é que é preciso contar com setores em Israel que se convençam de que não vale a pena a ocupação permanente da Palestina, com as incertezas que isso traz para os próprios israelenses.

Hoje se pode dizer que a construção de um Estado Palestino está em ponto zero. Há um acordo de reunificação entre Gaza e a Cisjordânia, mas Israel diz que não negocia com um governo nascido desse acordo por que o Hamas não reconhece o Estado de Israel. Mahmoud Abbas já afirmou que o novo governo o reconhecerá, mas Israel usa qualquer pretexto para não avançar nas negociações, que só podem desembocar no reconhecimento do Estado Palestino .

A nova ofensiva brutal contra a desprotegida Gaza revela, uma vez mais, a solidão dos palestinos. Não podem contar com ninguém que detenha Israel. Ninguém que se jogue contra os EUA, pela existência do Estado Palestino.

Tags: Internacional




11 Comentários Insira o seu Coméntario !

wendel Anastacio - 26/07/2014
este artigo é datado de 08/07, e sendo hoje 26/07, e tendo a horrível matança em Gaza de mais de mil mortos palestinos, vejo aqui no blog do Emir que suas colocações continuam tão suaves como a neblina da noite paulistana em pleno inverno!

Me surpreende que o mesmo não se indigne com esta carnificina e escreva artigos mais incisivos contra estes crimes.

Vá entender!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Roméro Samuel Carneiro - 12/07/2014
Srª.Helene Klein,Sr.Nelson Mucenic,não se trata de reconhecimento de estado,muito menos de entendimento da geo-política do oriente médio. Acho que o oriente médio é o único lugar do mundo que nivela o maior do cientista político ao tão analfabeto,que para desenhar o 'O' tem que tirar as calças e sentar na areia. Aqui senhor e senhora,estamos opinando sobre a invasão covarde praticada pelo pequeno satã Israel,apoiado pelo grande satã EU. Imaginem,vistam a pele dos palestinos: crianças,doentes,velhos,todos privados de tudo que é essencial,privados de paz,de sono,de sonhos.O Sr.Macenic,pode falar de quantos fatos e situações quiser,seus argumentos não irão me convencer,gente com retórica muito melhor que a dele não me convencerão (Busch,Obama,Tony Blair,jovens Turcos,e tantos outros). O que está acontecendo é uma agressão sem revide,um peso pesado contra um peso pena. Meu pai morreu com 96 anos;era um homem curioso,observador,crente e temente;dizia que DEUS era um ser muito pessoal,que cada homem tinha um DEUS,o DEUS dele era amoroso,caridoso,"poético",manso,amistoso. O DEUS dos nazista,dos turcos de 1915,o DEUS dos estadunidenses,o DEUS de Israel,são os mesmos:céleres,covardes,vingativos,sádicos,oportunistas,sem consciência,desumanos,tiranos.


Marcia Eloy - 10/07/2014
Não há defesa para Israel, não é porque você sofreu no passado que tem direito de fazer um povo (que aliás não tem nada com isto) sofrer no presente. Quem gosta de história sabe que o povo israelense abandonou Israel por livre e espontânea vontade, aliás não foi a primeira vez, pois já tinham ido para o Egito abandonando a terra prometida. Ganharam aquelas terras por decisão da ONU no pós guerra. Não acho que uma religião precise de um Estado. Um Estado pode ter uma religião predominante, mas uma religião não precisa de terras, precisa de locais para exercer seus cultos, nada mais que isto. Se Hitler estava errado o primeiro Ministro de Israel também está, em não vejo grandes diferenças entre um e outro. Muitos povos no mundo foram perseguidos e até exterminados e em seus países ninguém prega a vingança contra seus ex carrascos..


Nelson Mucenic - 09/07/2014
Disse bem Sr. Paulo H. Tavares. O texto do autor ficou no plano da poética porque mais não pode. Talvez adentrar a retórica. A partir daí é preciso concatenar idéias e fatos. E de forma conexa, com a devida precaução. Sob pena de cair no descrédito. Aqui nesse nosso plano, o que posso dizer que todo mundo se sente autorizado (e pensa que entende) a geopolítica do Oriente Médio. Mas o que se vê são só chavões, palavras de ordem e idéias prontas disseminadas pelos conhecidos grupos. Eu poderia falar sobre uma serie de fato e situações que cabalmente desmente e pode surpreender todos aqueles que de antemão se colocam do lado Palestino. Mas Helena Klein, logo acima, foi direto ao ponto. E vejam, logo ao lado se desenrola uma carnifica onde já morreram mais de 150.000 pessoas. Onde está a indignação de voces frente a isso? E tem mais? Tem, tem muito mais...


Roméro Samuel Carneiro - 08/07/2014
Duvido Emir Sader,que este meu comentário seja publicado. Fiz outro dia um comentário sobre uma"crônica"escrita pelo sr.Jackes Grusman,que ele lamentava,relembrava,as perseguição que o povo judeu sofreu durante toda a sua existência e principalmente durante um tanto de concílios da igreja católica.Se você ler meu comentário que não foi publicado,vai ver que eu não peguei mole,pois conheço alguma coisa do povo Judeu. Sempre torci pelo povo judeu. Sempre engrandeci o povo judeu;sofria e ainda sofro com os documentários,reportagens,livros que descrevem o martírio,atrocidades,covardias sofridas pelos judeus durante toda a sua existência e principalmente durante o século passado. Mas sr.Emir,será que as pessoas que pensão mau a respeito dos judeus estão erradas? Será que não existe ninguém pra tomar partido pelos miseráveis palestinos?....-caraca-...por bem menos atos de "terrorismo",os EU invadiram o Iraque,o Afeganistão;praticaram e praticam excessos de todos os tipos aos olhos da ONU,da UNICEF,da UE da OEA,do raio-que-os-parta,mas tudo bem...os EU são O GRANDE SATÁ. Será que Israel é o satánsinho? O sr.Jacques Gusmam,na ultima crônica dele,tenta tapar o sol com a peneira,justificando as atrocidades de Israel como de uma minoria fora de controle;conversa mole,se eu,como governante de uma nação,tendo o serviço de espionagem como tem Israel ,não conseguir manter meus delinqües,assassinos,covardes,ladrões,sob controle,então eu devo pedir as contas,enfiar a "viola"dentro de um saco e cair fora;deixar de ser governo e ser oposição. Israel,está fazendo com os Palestinos,o mesmo que fizeram com os judeus na Alemanha nazista. Israel já de a muito,quebrou o moral do povo Palestino,como os nazistas fizeram com os judeus,Israel está roubando os bens móveis e imóveis dos palestinos como os nazistas fizeram com os judeus,Israel está massacrando velhos,doentes,crianças e adultos como os nazistas fizeram com os judeus,Israel está destruindo gerações,como os nazistas fizeram com os judeus. Israel está perdendo o respeito que o mundo sente por ele. Israel,o povo judeu deve por um basta nesse estado de coisas.O mundo precisa mais de pessoas com EMIR SADER,ROBERT FISK,pessoas que tragam a público tais atrocidades.


francisco martins dos anjos filho - 08/07/2014
helena Klein, mahmoud abba ja se prontificou a reconhecer o estado de israel, caso este reconheça o estado palestino, mas israel, com sua arrogancia patrocinada pelos estados unidos inventou novos sofismas e continua se recusando. Muito disso se deve a eterna recorrencia que israel faz do holocausto para legitimar seus crimes contra os palestinos. Se os sionistas nao fossem tao covardes, vingar se iam do exercito alemao e nao de civis palestinos.


apolinario pereira - 08/07/2014
é muito estranho o mundo nao reconhecer o estado da palestina que existe antes de cristo vir a terra, so porque israel manda e desmanda junto com os estados unidos na onu, todos os dias se ve criação de novos países, como a ex-uniao sovietica, yugoslavia e outros mais, que a todo momento se divide e cria-se novs país, nao se entende porque de tanta dificuldade da criação do estado da palestina separada do estado de israel, deve existir muita riqueza escondida na palestina e israel e estados unididos nao permitir a criação desse velho estado que eh ate mais velho do que o estado judeu, sera porque! como todos sabem todo judeu é rico se continua mandando no mundo inteiro inclusive nos estados unidos, sera preciso jesus cristo voltar novamente e dar um basta nisso? espero que sim, pois os homens aqui na terra nunca criaram esse estado da palestina, infelizmente.


Cômicas Políticas - 08/07/2014
Curioso, ontem o Jornal da Noite (Bandeirantes) trouxe uma reportagem sobre os ataques de Israel à Palestina, citando a morte dos 3 judeus, exibindo o vídeo dos policiais israelenses espancando um jovem e demais atrocidades. Fiquei muito surpreso. Boris Casoy não disse nada. Calou-se.



Jornalista que é, não tem obrigação de fazer crítica sobre nada, porém é de chamar atenção de alguém que já comentou muito mais sobre muito menos não tenha reservado nenhuma crítica sobre isso. Realmente curioso.



~paulista


Helene Klein - 08/07/2014
Por que Israel reconheceria um Estado Palestino se este não reconhece o Estado de Israel? Enquanto não definirem um "ponto zero" a partir do qual farão os acordos, todos tem igual razão na discussão...


apolinario pereira - 08/07/2014
é muito estranho o mundo nao reconhecer o estado da palestina que existe antes de cristo vir a terra, so porque israel manda e desmanda junto com os estados unidos na onu, todos os dias se ve criação de novos países, como a ex-uniao sovietica, yugoslavia e outros mais, que a todo momento se divide e cria-se novs país, nao se entende porque de tanta dificuldade da criação do estado da palestina separada do estado de israel, deve existir muita riqueza escondida na palestina e israel e estados unididos nao permitir a criação desse velho estado que eh ate mais velho do que o estado judeu, sera porque! como todos sabem todo judeu é rico se continua mandando no mundo inteiro inclusive nos estados unidos, sera preciso jesus cristo voltar novamente e dar um basta nisso? espero que sim, pois os homens aqui na terra nunca criaram esse estado da palestina, infelizmente.


Paulo Henrique Tavares - 08/07/2014
Emir, estou 100% com você, teu texto é poético, mas não atenua o sofrimento dos palestinos (infelizmente). A ditadura judaica criou um consenso de que qualquer crítica aos judeus é antissemitismo, em alguns lugares, eles conseguiram criminalizar a crítica. Aqui no Brasil, como em quase todos os cantos no mundo, os judeus, que controlam boa parte dos meios de comunicação, inclusive, junto com a dita esquerda, de que todo o problema é dos supostos sionistas, ou seja, em resumo, existem judeus bonzinhos, coitadinhos, etc e de um outro lado existem judeus sionistas, ainda que ninguém diga os nomes dos supostos sionistas, até porque não existem, e, se existem, são todos os judeus, inclusive os coitadinhos que vão morar em assentamentos de terras e sangues de palestinos.

Os judeus são muito "valentes" com os palestinos da faixa de Gaza e com os libaneses, porém, na última guerra que os coitadinhos dos judeus tentaram encarar o Hezbollah, tiveram de recuar rapidinho.

Aí depois os judeus "dizem não entender" o ódio que pessoas honestas têm de judeus.

Os judeus acham que é normal o que eles fazem com os árabes e palestinos (que também são árabes) naquela região, por puro sadismo e covardia, pois todas as vezes tiveram apoio dos EUA e ainda assim, quase sempre tiveram de ser resgatados nos acréscimos do segundo tempo.

O que o Estado de Israel faz é simplesmente uma guerra suja e covarde (que a imprensa controlada por eles, dizem ser eficiência e sobrevivência), qualquer país poderia fazer o que os judeus fazem, só não fazem por questões éticas e de humanidade, coisa que os judeus poderiam começar a aprender.