23/06/2012 - Copyleft

Democraduras

por Emir Sader em 23/06/2012 às 17:05



Emir Sader

Países com longas ditaduras não passam simplesmente da ditadura à democracia, apagando seu passado e escrevendo a nova página da sua história como se fosse uma página em branco. Até mesmo porque costumam ser transições institucionais, pacíficas, não rupturas radicais. O passado pesa fortemente sobre as novas democracias, condicionando seu futuro fortemente.

Tem acontecido como regra nos países latino-americanos. O próprio Brasil foi vítima desses condicionamentos. Incapaz de obter os 2/3 do Congresso para convocar eleições diretas para presidente – que teriam em Ulysses Guimaraes seu mais forte candidato a ser o primeiro civil a presidir o Brasil desde 1964 -, o país se viu às voltas com mais um pacto de elite na sua história, configurado no Colégio Eleitoral, fundado num acordo entre o novo – as forças democráticas, constituídas na oposição à ditadura – e o velho – advindas da ditadura, para somar-se ao novo regime, quando o antigo se esboroava.

O preço pago não foi barato. Ao invés da democratização das profundas estruturas de poder consolidadas pela ditadura – no campo, nos bancos, nas grandes corporações industriais e comerciais, nos meios de comunicação -, o novo regime – sob a presidência do até pouco tempo antes presidente do partido da ditadura – limitou-se, bem ao estilo liberal, à democratização institucional. O país profundo seguiu igual, até piorou em alguns aspectos, como nos meios de comunicação, em que o ministro das comunicações, ACM, encarregou-se de terminar a monopolização da mídia.

Como resultado, tivemos uma redemocratização institucional, mas o Brasil não se democratizou do ponto de vista econômico, social e cultural. Continuamos - até o governo Lula – a ser o país mais desigual do continente mais desigual.

Essas são analises que podem ser estendidas a outros países do continente que passaram por ditaduras.

O Egito e o Paraguai vivem situações que podem ser comparadas com essa. Durante as longas ditaduras que os dois países sofreram, só foi tolerada a oposição moderada, que compactuava com a ditadura: o Partido Liberal no Paraguai, a Irmandade Muçulmana no Egito. Quando termina a ditadura, os partidos ligados ao regime e essas forças de oposição estão nas melhores condições para protagonizar o que deveria ser a transição para a democracia.

No Egito, os dois candidatos provinham dessas forças: um ex-ministro do Mubarak e um candidato muçulmano. No Paraguai o Congresso continua a ser dominado pelos partidos Colorado e Liberal. Foram estes dois partidos que se uniram – juntando-se aos oviedistas, partidários de Lino Oviedo, caudilho tradicional – para derrubar Fernando Lugo em processo expeditivo.

No Brasil foi preciso passar 17 anos de terminada a ditadura para que o PT chegasse a ter forças para conquistar a presidência.

Enquanto isso, existem democraduras, cruzamento de democracia com ditadura.

Tags: Política




17 Comentários Insira o seu Coméntario !

Raimundo W. S. Melo - 28/06/2012
Solicito a publicação da postagem encaminhada logo após (10 minutos) ao meu comentário inicial, e que corrige a informação, visto que a fonte em que vi a notícia repassou uma interpretação errada da decisão da suprema corte, tendo esclarecido e corregido logo depois.


Raimundo W. S. Melo - 28/06/2012
Na democradura das corporações, a corte suprema, por "inconstitucionalidade", impede que a reforma da saúde possibilite cobertura universal, ou seja continuam fora os que não tem seguro-saúde. Pobres americanos! pobres migrantes!


rogerio krieger - 27/06/2012
CARO EMIR...acredito que passamos a virar o jogo,relmente,apartir da medida da PRESIDENTA Dilma ao dar um trancasso nos bancos,abrindo uma perspectiva real de crescimento nacional do pib,além da perespectiva de termos ,na petrobrás,uma empresa que irá pontuar a industria petrolífera mundial(imagina uma parceria de investimentos com a PDVSA)com seu portófilo de crescimento previsto.Vem jogo pesado pela frente.È briga de cachorro grande contra as "nasdak" da vida.O mercado financeira e seu contexto irá jogar pesado contra nós.O Baraca,como diz LFV,até agora não disse a que veio,serviu só a industria de armas,ao mercado,e para matar tio binbin,kadaffy e milhões de civis inocentes,prova disso é que gauantánamo,sua primeira meta continua cada vez mais forte.De fantoches tamos cheios.Acredito que a eleição da irmandade muçulmana sinaliza uma virada do jogo de xadrez nas questões internacionalistas do oriente médio e adjacencias,pois irá fortalecer firmimente o grande presidente iraniano,no paraguai se o povo não garantir suas mínimas conquistas,o Kapital ilegal irá derrubar muitos presidentes ainda(RESISTENCIA AO GOLPE -ontem-JÁ...)

saudações esquerdistas Rogerio Krieger9cidreira-rs)........


Marcia Eloy - 27/06/2012
Para aqueles que são contra o acordo que o PT fez para chegar a ser governo e poder governar e com isto melhorar a vida do povo brasileiro, eu perguntaria: Por que o PSOL não faz uma Revolução Socialista no Brasil? Quantos "revolucionários" eles conseguiriam arregimentar? Uma coisa é falar, outra bem diferente é fazer. Existe uma frase que define este problema, entre o projeto e a ação nasce a sombra.


pablo - 27/06/2012
(continuando) E é nesse mesmo sistema político-eleitoral-midiático que o PT está confortavelmente instalado no Poder Executivo central.



A falta de alternativas populares e o proto-fascismo que os tucanos têm praticado inclusive o ajuda, pois para 'evitar o mal maior', até quem não gosta do PT continuamos o elegendo, apesar de tudo.



Reconheço, é verdade, que se eu não tivesse geladeira, automóvel, comida na mesa e filhos na universidade (ainda que particular) antes disso, e passasse a ter depois, pensaria 2 vezes antes de criticar.



Sugiro, futuramente, fazer um post discorrendo sobre o que implicou esse "(...) chegar a ter forças para conquistar a presidência."


pablo - 27/06/2012
resta saber até quando vai durar o nosso "período de transição" para uma democracia de fato.



Com o devido respeito, professor, vejo que os PTistas (e alguns ressentidos do Psol que cedo abandoraram o barco) têm dificuldade em reconhecer que o Lula no governo também é fruto de um pacto das elites (vide a Carta aos Brasileiros de 2002).



E o preço disso todos sabemos: adiar ad infinitum a reforma agrária, combatendo a pobreza sem reformas estruturantes e com o povo absolutamente despolitizado.



O compromisso com a "modernização conservadora", comum a todos os governos civis pós-ditadura, é o caminho para se chegar ao Planalto num sistema político-eleitoral e midiático como esse que temos.


Eduardo Marinho - 27/06/2012
O PT não ganhou forças pra chegar na presidência. Ao contrário, teve que perdê-las para ser admitido. Devidamente pasteurizado, compondo com bancos, indústrias e latifúndios, pôde se aboletar na gerência do país, onde se encontra até hoje, administrando a miséria para as elites continuarem seu usufruto dos bens públicos, (in)devidamente privatizados.


MARIVALTON - 25/06/2012
Mesmo Collor que pintou e bordou, teve 6 meses de processo. Lugo somente 2 horas e apesar da Constituição do Paraguai assegurar o minimo de 18 dias, a nossa velha midia venal e pró golpista insiste em chamar tudo isso de "impeachment" ou "destituição" (sim eles não entraram num acordo ainda sobre qual mentira pega melhor).


Carlos Henrique - 25/06/2012
Você esqueceu de apontar a causa maior que está por trás das diferenças entre as democracias surgidas de rupturas profundas e aquelas resultantes de acordos entre as "elites" : o poder classista. nas primeiras, a estrutra de dominação de classes é modificada, ou ao menos fortemente abalada; enquanto que nas segundas, como ocorreu no Brasil, Egito ou Paraguai, a estrutura de dominação cxlassista continua a mesma; as forças populares no máximo detêm uma parte do poder político; enquanto que o econômico, verdadeiro mote de uma organização social; como também o jurídico e o midiático, mantêm-se nas mãos da mesma classe dominante de outrora. por isso as forças de sequerda só conseguem fazer modificações pontuais, quando conseguem fazê-lo, e por isso necessitam da mobilização popular, ou seja do poder das outrsa classes, para forçarem mudanças sociais mais profundas, que só ocorrerão quando a dominação classista foi questionada e modificada.


orlando f filho - 25/06/2012
Vou relatar alguns epsódios. Assisti ao nascimento do PT por razões muito específicas: meu pai foi preso político e todo esse envolvimento político na época. Alguns anos mais tarde, conheci uma garota que, ao ingressar no PT, insistiu por minha filiação, a qual recusei. Ela não entedeu, ficou insistindo. Contei a história, etc e, burro, dei mais motivos aos argumentos dela. Já sem nenhuma idéia, disse: detesto disciplina partidária. E acho que é verdade, pois a política está em minha vida desde os oito anos de idade; então, perdi a amizade desta garota. Fazer o que...


Chauke Stephan Filho - 24/06/2012
A destituição de Fernando Lugo mostra que é bem mais fácil e rápido mandar um presidente para a rua no Paraguai do que um corrupto para a cadeia no Brasil.


Henri - 24/06/2012
Se o Paraguai for expulso da UNASUL e do MERCOSUL, usará o pretexto de pedir ajuda comercial e militar à ditadura dos EUA. É tudo o que não queremos. A saída é diplomática e deve ser realista. Lugo não teve força e foi golpe. Mas é preciso ver além e usar da REALPOLITIK, pois ao contrário teremos o pior dos mundos: bases militares dos EUA no vizinho Paraguai. Mas cá entre nós, a diplomacia brasileira foi incompetente e vacilou feio. Hora de trocar de chanceler. Saudades do Amorim!!!!


Antonio Rocha - 24/06/2012
A meu ver, com todo respeito, a democradura continua no Brasil, o PT só chegou ao poder se aliando com a direita até hoje. Não mudou nada, não vai mudar nada...


Chauke Stephan Filho - 24/06/2012
Amigos e amigas, sobre a queda de Fernando Lugo, não li melhores análises (não tão boas quanto as do nosso Prof. Emir, embora) do que as postadas em páginas do portal noticioso do PC do B, acessíveis desta conexão:



http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=186717&id_secao=7



Boa leitura!



Quero lembrar aos amigos que a nossa guerra não é contra o Paraguai, mas contra a Otan. É claro que o Brasil não deve declarar guerra aos Estados Unidos, mas nós devemos desde já começar a aprender a falar a língua árabe.


mauricio de almeida barbosa - 24/06/2012
Os ditadores são figuras tão recorrentes no Brasil e no mundo, que os vemos não só na política, mas também nos lares, nas escolas, nos blogs...


Henry - 23/06/2012
Foi golpe de Estado, porque apesar de o Juízo Político poder se realizar por "má administração", como diz a Constituição, por outro lado há garantias fundamentais que não foram observadas quanto ao ex-presidente Lugo, acusado dessa suposta "má administração", num julgamento de menos de 48h, sem dar chance para a defesa questionar as acusações, produzir provas, formular uma defesa organizada. Não é contudo o caso de excluir já o Paraguai do Mercosul e da Unasul, pois abriria espaço para os terroristas dos EUA. Pode-se suspender o país, até julgamento da situação. E então dar-se ao governo ilegítimo daquele país o que ele não deu a Lugo: DIREITO DE DEFESA, o mais elementar de qualquer DEMOCRACIA.



A - O que diz a Constituição do Paraguai sobre o Julgamento Político:



SECCIÓN VI

DEL JUICIO POLITICO



Artículo 225 - DEL PROCEDIMIENTO



El Presidente de la República, el Vicepresidente, los ministros del Poder Ejecutivo, los ministros de la Corte Suprema de Justicia, el Fiscal General del Estado, el Defensor del Pueblo, el Contralor General de la República, el Subcontralor y los integrantes del Tribunal Superior de Justicia Electoral, sólo podrán ser sometidos a juicio político por mal desempeño de sus funciones, por delitos cometidos en el ejercicio de sus cargos o por delitos comunes.



B - O que diz a Constituição do Paraguai sobre o direito de defesa de todos os acusados, incluído o Presidente da República:



Artículo 17 - DE LOS DERECHOS PROCESALES



En el proceso penal, O EN CUALQUIER OTRO DEL CUAL PUDIERA DERIVARSE PENA O SANCIÓN, TODA PERSONA tiene derecho a:



- la comunicación previa y detallada de la imputación, así como a disponer de copias, medios y PLAZOS indispensables para la preparación de su defensa en libre comunicación;



- que ofrezca, practique, controle e impugne pruebas



alice franca leite cafezeiro - 23/06/2012
Quer dizer que com a queda de Lugo,botaram Sarney ( o eterno IMORTAL até quando?) no Paraguai---nós já vimos esse filme!

Acompanhei tudo isso com o Carta Maior mas o PIG, como sempre desqualifica a moral de Lugo pra justificar o golpe!

O jeito foi ir pro www.conversaafiada.com.br porque às 04:00h da matina porque ninguém é de ferro! Fui ver PHA e lá estavam as manchetes:

"Golpe no Paraguai:BASE MILITAR NO BRASIL!

LUGO sai suavemente: mudam-no de paróquia!

Ai,que saudades do Brizola!"

Tem que se rir pra não chorar!