29/04/2014 - Copyleft

Quem tem medo do Lula?

Ninguém é mais atacado do que Lula, ninguém causa mais temor nas elites tradicionais do que o Lula, pela força política e moral que ele adquiriu.

por Emir Sader em 29/04/2014 às 06:36



Emir Sader


Lula incomoda. Basta ele falar sobre algo, que as que se creem “autoridades” deitam falação para contestá-lo, criticá-lo, acusá-lo, denunciá-lo, homenageando-o como a ninguém se homenageia, com sua atenção, sua energia, seu rancor, suas insônias.

Lula nasceu do nada, do quase nada, de uma região que era para não dar nada ao país, de uma mãe amorosa, que lutava para que seus filhos sobrevivessem e, se pudessem, chegassem à escola – como o extraordinário filme sobre o Lula recorda. Ele foi chegando: da sobrevivência à escola, da formação profissional ao emprego industrial, do operário metalúrgico ao líder sindical, do desafio à vida para sobreviver ao desafio aos patrões e à ditadura. Se houve um milagre brasileiro, foi ele.

Entre paternalismo e temor, lideres políticos tradicionais e meios da  imprensa tiveram que reconhecer seu papel, que tentavam restringir a um dirigente corporativo, com um papel determinado num certo momento, que mereceria carinho e compreensão. Mas quando ele foi se transformando em dirigente político, em fundador de um partido dos trabalhadores começou a incomodar não apenas ao Dops e à ditadura, mas aos que pretendiam restringi-lo a um papel limitado.

Até que aquele nordestino, operário, que perdeu um dedo na máquina, mas que nunca perdeu a esperança, ousou ser candidato a presidente e a quase ganhar. Denunciando a desigualdade e a injustiça, apontando que um Brasil melhor era possível e necessário. Até que um dia, depois de fracassarem bacharéis e políticos de profissão, o Lula se tornou presidente.

Ia fracassar, tinha que fracassar, para que as elites pudessem governar com calma o Brasil – como chegou a dizer um ex-ministro da ditadura. Haviam fracassado a ditadura, Sarney, Collor, FHC, ia fracassar Lula e a esquerda e o movimento popular estariam condenados por décadas – como ameaçou um outro ex-procer da ditadura.

Mas Lula encontrou a forma de dar certo. Em meio à herança maldita de uma década de desarticulação do Estado, da sociedade e das esperanças nacionais, Lula foi o responsável por uma arquitetura que permite ao Brasil resgatar a esperança, combater a desigualdade e a miséria, resgatar o Estado, projetar um Brasil soberano e solidário. Lula preferiu enfrentar os desafios de construir uma alternativa a partir do pais realmente existente do que dormir tranquilo com seus sonhos nunca realizados,  em meio a um povo sem sonhos.
   
Lula saiu dos 8 anos mais formidáveis de governos no Brasil com mais de 90% de referências negativas da mídia e mais de 80% de apoio do povo. Não pode haver maior consagração. Elegeu sua sucessora, está prestes a conseguir que ela tenha um segunda mandato, mas ele não dá trégua aos que achavam que eram donos do Brasil, que ainda acham, apesar de terem perdido as três ultimas eleições presidenciais e estarem em pânico pelo risco iminente de perderem uma quarta, ficando já quase duas décadas sem dispor do Estado que construíram para perpetuar-se como donos do Brasil.

Lula incomoda. Uma forma de tentar neutralizá-lo é especular que ele vai ser candidato de novo agora. Ele nega, mas não aceita comprometer-se a que não volte a ser candidato. E quando abre a boca, quando escreve, quando aparece em publico, as elites tradicionais entram em pânico. Porque sabem que atrás daquelas palavras, daquela figura, está o maior dirigente político, o maior líder popular que o Brasil já teve, que quando se pronuncia, suas palavras não são palavras que o jornal amanhecido leva pro lixo, mas expressam realidades pelas quais ele é responsável.

Quando ele fala de miséria e de desigualdade, fala com a autoridade de quem mais contribui para sua superação. Quando fala da construção de um outro tipo de Brasil, se pronuncia a partir de mais de uma década de passos nessa direção, iniciados por seu governo. Quando critica as elites tradicionais – sua mídia, seus juízes, seus partidos e seus políticos – fala como quem é um contraponto real e concreto a essas elites. Fala como quem é reconhecido pelo povo como um dos seus, como alguém em quem confiam – ao contrario da mídia, de juízes, de partidos que já mostraram ao que  vieram e em quem o povo não confia.

Lula incomoda. Não apenas pelo que foi, pelo que é, pelo que pode vir a ser. Mas por sua vida, argumento contra o qual ninguém pode contrapor nada. Ele é a prova viva que se pode nascer na pobreza e se tornar um dos maiores estadistas do mundo atual, se pode nascer na miséria e se tornar quem mais faz para superar a miséria. Se pode enfrentar as maiores dificuldades na vida e na política e manter a dignidade, a grandeza, o sorriso franco e o espirito de solidariedade. Se pode ser de esquerda e enfrentar os desafios de construir uma vida melhor para o povo, em meio a aliados e instituições que foram feitos para outra coisa. Se pode topar os desafios de receber um país desfeito e recuperar a esperança, a auto-estima, uma vida melhor para dezenas e dezenas de milhões de pessoas. Se pode prometer que ia fazer com que todos os brasileiros teriam três refeições diárias e cumprir.
   
Isso é insuportável para quem promoveu sempre a miséria e a passividade do povo, para quem governou para as elites e foi sempre recompensado pelas elites, enganando o povo e se enganando que iam ficar para sempre no controle do Estado e da política.

Lula incomoda. Por isso é atacado, atacado, atacado. Ninguém é mais atacado do que o Lula, ninguém causa mais temor nas elites tradicionais do que o Lula, pela força política e moral que ele adquiriu e que o povo reconhece nele.

Lula mostrou que se pode governar sem falar inglês, sem almoçar e jantar com os donos da mídia, sem ter medo das elites tradicionais, sem temor a aliar-se com quem se faz necessário para fazer o que é necessário e fundamental para o povo e para o Brasil. Lula mostrou que se pode defender os interesses do Brasil e ao mesmo tempo ser solidário com os outros países e com os outros povos.

Lula desmentiu mitos, sua vida é uma afirmação de que um outro mundo é possível, de que as  elites podem falar todos os dias contra os interesses populares, mas quando o povo consegue visualizar uma política diferente e lideres que as defendem, se pronuncia contra as elites.

Lula tinha que dar errado, na vida e na política. E deu certo. Isso é insuportável para as elites tradicionais, isso gera medo neles, acordam e dormem com o fantasma do Lula na cabeça, nas redações dos jornais, revistas  televisões, nas reuniões dos especuladores e dos seus partidos, nos organismos que pregam um mundo de poucos e para poucos.

Quem tem medo do Lula, tem medo do povo, tem medo das alternativas populares, tem medo que o Brasil vá se tornando, cada vez mais uma democracia social, de forma irreversível. Por isso cada palavra do Lula, cada sorriso, cada viagem, cada homenagem, cada abraço que dá e recebe do povo, incomoda tanto a alguns e provoca esse sentimento de confiança que o Brasil está dando certo em tanta gente.

Ter medo ou esperança no Lula é a própria definição de onde está cada um no Brasil e no mundo de hoje.



Tags: Política




18 Comentários Insira o seu Coméntario !

roberto danunzio - 30/04/2014
Eu tenho medo de Lula. Representante comercial da Odebrecht e de outros cargas pesadas, quem é bobo de se meter com um cara desses, não é verdade?


Hermes Sanchez - 30/04/2014
Olha, quem tem medo eu não sei, só sei é que os banqueiros, a Odebrecht, a Camargo Correa, a Andrade Gutierrez, o Sarney, o Collor, o Maluf, o Renan, o Eike, o Cesare Battisti, o Jader, a Roseana, o Andres Sanchez, essa turminha, que tem muitos mais, não só não tem medo como fariam de tudo por um "volta Lula".


Nilson da Silva - 30/04/2014
O Lula, é o que a midia acha que ele é. Na verdade os que acreditam no Lula, são aqueles que estão sendo beneficiado por algo que eles lhes proporciona. Não acredito nele, e não acredito na capacidade que insistem em lhe imputar. O LULA, é um atraso para o Brasil como foi Jango !


Marcia Eloy - 30/04/2014
Incrível como ainda há pessoas que pensam como há 50 anos atrás. O Lula é o homem mais inteligente da política brasileira. Sua entrevista aos blogs e não aos jornalões, me encheu de satisfação. Suas respostas são de uma clareza jamais vista na política. E o mais interessante é que ele pode dialogar com um empresário como com um sindicalista, aprendeu isto com a vida. Sua vida foi vencer dialogando, sua luta foi através de palavras, jamais de golpes políticos, tão bem vistos e aceitos pela elite brasileira.


josé fonseca - 29/04/2014
Haveria Lula sem Arns ? PT sem CEB ? nova república sem teologia da libertação ? Igreja existe. Ho-je é dia de santa Catarina, grande política no séc. XIV.


Orlando F. Filho - 29/04/2014
Sim, incomoda principalmente a classe média brasileira preconceituosa, pois esta gostaria de que ele morresse alcoólatra, pois para essa gente pobre só serve prá ser empregado doméstico barato. Quanto à elites, acho que elas tem muito mais respeito por Lula, pois sabem que alguém que sentou-se à mesa com os donos das montadoras mundiais e falou de igual prá igual, finalmente compreendeu que eu sujeito que faz isso é corajoso e inteligente. Quando o FMI mandou suspender as carteiras de empréstimos dos bancos por causa da crise bancária, Lula inteligentemente madou abrir a carteira de empréstimos do banco do brasil até 3.000 reais, isto é, mandou emprestar dinheiro para os mais pobres porque este pagam suas dívidas, enquanto as elites as rolam e nunca as pagam. Quando Lula aparecer no horário eleitoral apoiando Dilma, o povo brasileiro lembrará do presidente que tirou mais de 50 milhões de brasileiros da linha da pobreza e a nossa classe média morderá os cotovelos pois não conseguem mais direcionar o voto de seus empregados domésticos.


Cleto Maia - 29/04/2014
Nesta precisa conjuntura,com o retorno do ex-presidente Lula a povoar as escruciantes alucinações das (trevosas) elites areno-udenistas,começo a pensar que a oposição,talvez,esteja vislumbrando,como única alternativa político-eleitoral possível,a candidatura de um certo senhor prepotente,boquirroto e inventivo_cujo nome não recordo_,às Eleições de 2018.O tipo ideal,que encarne e desempenhe com magistral desenvoltura,o papel que coube a Jânio Quadros no embate eleitoral de 1960.A caricata figura populista em condições de interromper e expurgar o (intolerável) e vicioso ciclo,assustadoramente pernicioso,das (terríveis) hordas comunistas nativas no comando da República.Era a solução mais que lógica para arrancar do poder central a desvairada malta vermelha que lá se instalara.Por conseguinte,presumo ser a personalidade hodierna, acima descrita,a principal hipótese restante,para a oposição demo-tucana não se surpreender, crescentemente insignificante.


vicente torres mourão - 17/09/2014
A Direita não consegue aquilo que tentou por tantos anos desde a ditadura agora pensa que consiguirã destrui -lo . E um ledo engano , pois LULA tem a força do povo e a proteção de Deus . Faz a Direita de tudo para destrui-lo até sua familia quer a Direita destruir inventando falsas estórias contra seu filho .Tudo em vão Pois Deus proteje seu mservo como protegia os apostolos no i´ncio do cristianismo . Procuram desviar do caminho aqueles sus disccípolos co mpanheiros . Nada feito .. destruiram politicamente Dirceu , mas surgiu Dilma esta mulher gue reira que está desafiando esta direita sangrinolenta . A direita seus dois fortes candidatos a imprensa golpista não vencerão a verdade prevalece sobre a mentira . Confiem em Deus . As serpentes serão vencidas ,


Romulo de Andrade lima - 02/05/2014
Simples, o Brasil vive de grandes lideres ( Getulio, Juscelino, Jango, Lula) entrecortado por gente muito mediocre. Desta vez sera diferente. A " mexicanização" não vencerá. Dilma vai quebrar esta História e será simbolo de uma mudança de verdade.

Ou caminhamos para algo que no passado chamamos de revolução ( queda da familia real Russa e da Bastilha) e no seculo vinte um tera outro nome ( queda da oligarquia da midia ).

Veremos.



Alberto Amorim - 01/05/2014
LULA vai voltar Emir, mas em 2018. Repito: em 2018! Para desespero "deles". Esse ciclo do Governo Popular não tem retrocesso. A "oposição" tem nessas eleições a sua "tábua de salvação". Até outubro,nos preparemos,vamos presenciar fatos danosos à nossa democracia. A elite brasileira,partidos,políticos,mídia,tentará de todas as formas impedir a vontade do Povo. Mas a História não retrocederá!


arquimedes andrade - 01/05/2014
Ótimo artigo. A classe dominante enriquecida com o apoio da ditadura militar, a mídia golpista e a direita raivosa tem medo do Lula, do movimento popular, das

crianças, dos índios (...) e muito medo de chegar a nossa primavera (...) o fim dos privilégios da elite, o fim das desigualdades sociais (...). Como disse Lula certa vez: quero apenas que o Brasil seja uma grande Suécia. Mas até lá vamos ter grandes machas populares, muitas reformas... muita democracia direta.


Christiano Pereira de Almeida Neto - 01/05/2014
Para os(as) que não entenderam a profundidade do texto, leiam-no. Se ficarem em dúvidas, releiam! Se, mesmo assim, após três leituras, não conseguirem... Aí desistam! Acreditem em alguém próximo que o leu e entendeu. Troquem idéias, conversem. Pois, o tal do LULA, o cara é PH..D.!


Geraldo Jorge - 01/05/2014
Estou replicando, imprimindo, divulgando e distribuindo aos formadores de opinião aqui do norte de Minas. Digno de pensador. Parabéns basta!


venceslau alves de souza - 01/05/2014
"Ninguém é mais atacado do que o Lula, ninguém causa mais temor nas elites tradicionais do que o Lula, pela força política e moral que ele adquiriu e que o povo reconhece nele". Chama o Glauber; a terra está mais em transe que nunca!!! Ou serei eu e o colega que escreveu aí, abaixo, que somos completos idiotas?!


Hernan - 01/05/2014
Soube entrar no jogo com pouco cacife ... conseguiu unir pessoas que achavam e acham que não nos resignamos a ser "quintal" dos outros, cuja característica é ser fornecedor de produtos primários, jogadores de futebol e outros "produtos" impublicáveis ... temos sim que unir os que tem a certeza que nosso país será uma referência em tecnologia, respeito ao contribuinte cidadão e saídas corajosas para os problemas que a nova (des)ordem mundial necessitam %u226 temos que acabar de vez com o ranço da geração James Dean que corroem nossas instituições e nossas mídias e preparar o país para as novas gerações %u226 renovar o quadro de poder dentro de nossas instituições públicas, abrindo espaço para a nova força de trabalho que emerge dos concursos %u226 promover uma profunda reestruturação de nossas leis, acabando com os "buracos" (salvo, desde,etc.), linguajar grotesco e ininteligível, intermináveis recursos e a "interpretação" de nossos juízes, restringindo-os a somente aplicar a lei e não a criá-las; afinal já temos quem as criam ou não ?! %u226 endurecer as penas para crimes cometidos por autoridades e pessoas "estudadas" , e abrandar as dos ignorantes %u226 não é tudo, mas penso que eventos assim jamais ocorreriam ou ocorrerão sob a batuta dos entreguistas de nossa nação.


marcelo rosi - 01/05/2014
Qualquer um teria nojo desse partido político cujos membros foram presos na papuda e que são suspeitos de terem torturado e matado um de seus integrantes o prefeito Celso Daniel.sem falar da ladra da Dilma que roubou o cofre do governador adhemar e sequestrou autoridades estrangeiras....


Gerson Francisco - 01/05/2014
Gostaria que alguém do PT, ou da Carta maior, definisse claramente quem é a elite a que o Lula sempre se refere em seus pronunciamentos.