Colunista
29/09/2010 - Copyleft

A eleição vista de alto-mar



A política brasileira tem muito a ver com peixes.

Lá por volta de 195... e poucos, Getúlio declarou num de seus discursos melhores e mais inflamados: ¿enganam-se os que pensam que o povo nos reconduziu ao poder para comer sardinhas. Vamos comer tubarões¿. Ou algo assim, estou citando de memória frase que anotei mais de 50 anos atrás.

Depois, guardei essa frase que um amigo meu, engenheiro naval, me contou, na seguinte história:

¿Conversando com um oficial da marinha sobre as opções do Brasil, há 30 anos, quanto à construção de navios de toda a sorte, ele me observou que tínhamos de escolher entre produzir não só navios, mas um parque industrial próprio para isso, e depender das potências então existentes (eram tempos da guerra fria). É uma escolha: ser rabo de tubarão ou cabeça de sardinha¿.

Hoje só resta um tubarão na geopolítica. Com algumas orcas (baleias assassinas) e tubarinhos ao redor. Mas tem gente ¿ as oposições ¿ que continua afincada na idéia de que devemos ser rabo de tubarão. Talvez barbatana, porque no rabo a gente participa do leme, e isso é demais para aquela gente. Preferimos ¿ eles, na verdade ¿ só usufruir as algas que as correntes nos trazem aos bigodes, para eles, é claro, não para a maioria do povo. Este que vá pescar sardinhas.

Por outro lado, o Brasil deixou de ser uma sardinha ¿ se é que foi um dia. Olhando para a política externa brasileira, dá para comparar nosso amável e complicado país a um... golfinho!

Os golfinhos são seres coletivos ¿ ao contrário dos tubarões. Defendem-se, pescam, em grupo. Os tubarões não os atacam ¿ porque uns cinco golfinhos juntos conseguem dar cabo de um tubarão, ou pelo menos mandá-lo para longe, senão para as profundas. Além do mais, os golfinhos nadam em equipe, deveriam ganhar a medalha de ouro da olimpíada de nado coletivo natural, se isso houvesse. Mal comparando (com óbvia vantagem para os golfinhos, mas sem desmerece-la) é isso que a nossa diplomacia tem feito, faz muito tempo e também nos últimos anos, na orquestra sinfônica de Lula sob a batuta de Amorim.

E é isso que as nossas oposições não agüentam. Por isso hoje pensam que são orquídeas, tão belas, nas árvores do nosso Brasil, quando não passam de caranguejos (nada contra os caranguejos naturais!!!), que só andam para trás e pensam que o espelho retrovisor é o pára-brisa. Ou vai ver que têm, eles sim, cabeça de sardinha. E das enlatadas, ao molho do império de plantão.