Antifascismo

A Ku Klux Klan era também uma associação de patrões

 

28/07/2021 12:29

Gravura da década de 1960 retratando dois membros da Klu Klux Klan usando capuzes e segurando armas. (Arquivo de fotos/Imagens Getty)

Créditos da foto: Gravura da década de 1960 retratando dois membros da Klu Klux Klan usando capuzes e segurando armas. (Arquivo de fotos/Imagens Getty)

 
A KKK deve ser entendida não apenas como uma organização de supremacia branca, mas como uma organização de patrões: ela resistiu violentamente aos ganhos revolucionários da Guerra Civil e da Reconstrução e procurou manter as massas negras em submissão

A Guerra Civil revolucionou as relações de trabalho do sul dos EUA. Pessoas escravizadas fugiram das plantações, pegaram em armas contra seus exploradores brutais e construíram novos horizontes políticos. O futuro parecia promissor.

Para os proprietários de plantações, no entanto, essa transformação foi um pesadelo - os trabalhadores que eles mantinham em cativeiro haviam feito uma “greve geral”, como W. E. B. Du Bois a chamou mais tarde, deixando-os financeiramente vulneráveis e intensamente abalados. Este grupo racista e revanchista não apenas lamentou suas derrotas - ele se organizou.

Durante os anos da Reconstrução, a classe dominante sulista, baseada principalmente nas grandes plantações, resistiu ferozmente à eflorescência da liberdade negra. Códigos que impunham restrições para os negros, as políticas pró-proprietários das plantações do presidente Andrew Johnson, motins racistas em Memphis e Nova Orleans e, acima de tudo, o terrorismo generalizado da Ku Klux Klan demonstraram brutalmente os limites da emancipação. Liderada por ex-proprietários de negros escravizados, a Klan infligiu várias formas de violência para impedir os afro-americanos de votar ou frequentar escolas, para intimidar os “oportunistas” do norte e para garantir, de acordo com um documento sem data da Klan, que as pessoas libertadas “continuassem em seu trabalho apropriado. ”

Os capítulos da Klan, espalhados de forma desigual por muitas partes do Sul, prometiam tratar dos problemas trabalhistas mais urgentes dos proprietários. Depois de aprender sobre a organização, Nathan Bedford Forrest - o ex-comerciante de escravos, carniceiro-chefe na batalha de Fort Pillow em 1864 e o primeiro “Grande Mago” da organização - expressou aprovação de seu sigilo, atividades e objetivos: "É uma coisa boa; isso é uma coisa muito boa. Podemos usar isso para manter os negros em seus lugares.”

Mantê-los “em seus lugares” não foi uma tarefa fácil - os afro-americanos deixaram avidamente as fazendas e plantações, causando uma escassez generalizada de mão de obra. Alfred Richardson, um afro-americano da Geórgia, observou que os proprietários das plantações continuavam profundamente frustrados porque não conseguiam “fazer sua colheita”. Mas o KKK provou ser uma das melhores ferramentas dos empregadores do Sul para impor violentamente sua vontade.

Os problemas de trabalho dos proprietários da plantações

Por décadas, historiadores têm debatido a melhor forma de caracterizar a KKK, uma organização terrorista de supremacia branca lançada por veteranos confederados que surgiu pela primeira vez em Pulaski, Tennessee, em 1866, antes de se espalhar pelo sul. Centenas de milhares aderiram, embora seja praticamente impossível obter uma contagem detalhada dos membros reais devido ao hiper-sigilo da organização.

No entanto, não há mais muito em discussão: os homens da Klan eram intimamente ligados ao Partido Democrata e usavam violência - chicotadas, enforcamentos, afogamentos, violência sexual, campanhas de expulsão - contra "insubordinados" afro-americanos e republicanos de todas as raças. Os homens da Klan também usavam formas “mais brandas” de repressão, incluindo incêndios de escolas e queimas de livros e lista negra de professores do norte. Às vezes, eles se mobilizavam para impedir que os afro-americanos se educassem. De acordo com ZB Hargrove, da Geórgia, os homens da Klan ocasionalmente chicoteavam pessoas libertadas "por serem quase inteligentes demais".

Nathan “Açougueiro” Forrest. © Wikimedia Commons

O racismo unia os membros brancos da Klan independentemente das diferenças de classe, mas nem todos desempenhavam um papel igual na organização. A liderança da Klan consistia principalmente de proprietários de plantações móveis, advogados, editores de jornais e lojistas - os mais prejudicados pela transformação radical da economia do sul e das relações de trabalho.

Esses homens estavam enfurecidos com o declínio de sua posição econômica e com a ascensão dos negros a posições de poder político. Homens negros recentemente capacitados, reclamou o líder da Klan da Carolina do Norte Randolph Abbott Shotwell, tinham ajudado o governo federal a derrubar "os direitos do senhor" e privar de direitos "uma grande proporção dos melhores e mais capazes homens da raça naturalmente dominante".

Elites ressentidas como Shotwell e Forrest estavam determinadas a restabelecer seu poder. Evidências abundantes sugerem que a Klan da era da Reconstrução funcionava como uma associação de patrões com objetivos que, de certa forma, se assemelhavam aos objetivos de outras organizações empresariais antitrabalhistas.

Os líderes da Klan exigiam que as massas negras desempenhassem uma função: engajar-se em formas de trabalho cansativas e brutalmente intensas que se assemelhavam à vida nas plantações antes da Guerra Civil. Os homens da Klan procuraram impedir que os afro-americanos deixassem os locais de trabalho, participassem de reuniões políticas, estudassem, tivessem acesso a armas de fogo ou ingressassem em organizações destinadas a desafiar seus exploradores. Como um observador da Geórgia disse a um comitê de investigação do Congresso em 1871: "acho que o objetivo deles é controlar o governo estadual e controlar a mão de obra negra, da mesma forma que faziam sob a escravidão".

Embora os homens da Klan insistissem que as massas negras passassem as horas de vigília plantando e colhendo safras, muitos se recusaram a acreditar que esses mesmos trabalhadores mereciam os benefícios financeiros de seus esforços. De acordo com um relatório de 1871 do Tennessee, frequentemente “o empregador apresentava alguma desculpa e brigava com o trabalhador, que era forçado a deixar sua plantação e abandonar seu salário pelo terror dos Ku Klux, que, em todos os casos, simpatizam com os empregadores brancos.” Esses casos se assemelhavam mais à escravidão do que ao sistema de trabalho livre prometido pela emancipação.

A Klan como Associação de Patrões

Poucos estudiosos rotularam a Klan de associação de empregadores, e a maioria dos historiadores da administração ignorou a Reconstrução do Sul. O importante livro de Clarence Bonnett de 1922, Employers’ Associations in the United States: A Study of Typical Associations [Associações de Empregadores nos Estados Unidos: um estudo das associações típicas], cala-se sobre a Klan, concentrando-se exclusivamente em organizações lideradas por empresas que se formaram no norte do século XIX para conter o movimento trabalhista cada vez mais agitado.

No entanto, a definição de Bonnett é flexível, permitindo-nos aplicá-la às ações de organizações de milicianos da Reconstrução: “uma associação patronal é um grupo constituído ou fomentado por empregadores e que visa promover o interesse patronal nas questões laborais. O grupo, portanto, é (1) uma organização formal ou informal de empregadores, ou (2) uma coleção de indivíduos cujo agrupamento é promovido por empregadores.”

Afro-americanos que foram escravizados participando de uma eleição em Nova Orleans, 1867. © Wikimedia Commons

É claro que as associações de empregadores da Klan da era da Reconstrução e aquelas da Era Progressista tratavam suas respectivas questões trabalhistas de maneira bem diferente. Enquanto membros de empregadores do norte e “alianças de cidadãos” apregoavam a liberdade que os trabalhadores industriais supostamente gozavam (ou seja, para não se filiarem a sindicatos), os homens da Klan não tinham nenhum interesse em tentar ganhar legitimidade das massas afro-americanas.

Isso não quer dizer que as associações de empregadores do Norte aceitavam explosões de agitação trabalhista. Eles também usaram técnicas coercitivas, incluindo guardas particulares e sequestros, espancamentos e enforcamentos, e se beneficiaram das intervenções rápidas da polícia e da Guarda Nacional. Mas, retoricamente, as associações de empregadores da Era Progressista frequentemente empregavam a linguagem ‘lincolnesca’ de “trabalho livre”, sinalizando para as massas de trabalhadores “livres” que eram mais bem servidos trabalhando diligentemente e cooperando com seus patrões. Aqueles que optavam por caminhos de maior confrontação frequentemente se viam demitidos e colocados na lista negra - coercitivos, sim, mas muito diferentes do que os ex-escravos vivenciavam.

Os homens da Klan falavam a linguagem nua e crua do domínio racial e de classe - e seguiam em frente com extrema brutalidade. Se medirmos o número de assassinatos e espancamentos, a Klan foi muito mais violenta do que a maioria das associações de empregadores do Norte. O historiador Stephen Budiansky calculou que milicianos brancos assassinaram mais de três mil pessoas durante o período de Reconstrução.

No entanto, os homens da Klan eram estratégicos, empregando ameaças, sequestros e chicotadas para atingir os objetivos primários das classes dominantes do sul. Isso significava impedir que as pessoas libertadas chegassem às cabines de votação, interromper as reuniões políticas e assassinar os homens e mulheres mais irremediavelmente rebeldes. “Os invasores brancos”, observou o historiador Douglas Egerton, “não atacavam simplesmente os negros por serem negros”. Em vez disso, eles usaram a intimidação e a violência contra o que consideravam homens e mulheres indolentes, pouco confiáveis, desrespeitosos e desafiadores.

Ações horríveis como chicotadas e enforcamentos atenderam às necessidades de gestão, ajudando a disciplinar um número incontável de trabalhadores. O cotonicultor do Mississippi, Robert Philip Howell, por exemplo, expressou apreço pela Klan porque seus membros ajudaram a resolver seus problemas com “negros livres” em 1868: “se não fosse por seu medo mortal do Ku-Klux, não acho que nós poderíamos tê-los gerenciado tão bem como fizemos.”

Nem o fato de que brancos pobres e da classe trabalhadora participaram dos capítulos da Klan significa que não devemos considerar a KKK como uma organização de patrões - alcançar o controle do trabalho quase sempre envolveu a coordenação de grupos de participantes entre classes. Afinal, as associações patronais, principalmente baseadas no Norte, não poderiam ter conseguido interromper greves e acabar com os sindicatos sem as mobilizações de fura-greves durante os conflitos industriais.

A Klan, então, era uma associação patronal particularmente cruel, particularmente racista - mas era uma associação patronal mesmo assim. E foi brutalmente eficaz.

O medo amorteceu predominantemente a classe laboral negra agrícola. Embora os negros em todo o Sul não fossem mais “propriedade”, era iminente a violência organizada pela Klan. Muitos passos em falso, incluindo formas sutis e abertas de insubordinação, podiam levar a encontros indesejáveis com homens encapuzados seguidos de ameaças, espancamentos e até morte. Os homens da Klan eram os executores cruéis da administração, garantindo que as massas mantivessem a cabeça baixa e trabalhassem com eficiência.

Alguns libertos ainda se juntaram a organizações de resistência como as Union Leagues (apoiadas pelo Norte e por Republicanos). Essas organizações aliadas dos republicanos eram ativas em estados como o Alabama, onde os membros realizavam reuniões, mobilizavam eleitores e muitas vezes se armavam - atividades muito além de suas funções “apropriadas” no local de trabalho.

Mas, em resposta, os homens da Klan conspiravam uns com os outros antes de invadir as casas dos membros da liga, chicoteando residentes, roubando suas armas e exigindo que eles ficassem longe das urnas. Eles poupavam vidas apenas quando seus alvos prometiam abandonar as ligas. Só no Alabama, os homens da Klan assassinaram cerca de quinze membros da liga entre 1868 e 1871.

“Contrarrevolução da propriedade”

Garantir que os afro-americanos permanecessem amarrados (às vezes literalmente) a fazendas, plantações e outros locais de trabalho, recebendo pouca compensação, era um dos objetivos centrais das elites do sul - as mesmas pessoas que se beneficiaram da escravidão antes da Guerra Civil. Enquanto brancos de todas as classes se juntaram às filiais da Klan - e avidamente participaram de ataques contra professores do Norte, administradores do Freedom Bureau e membros das Union Leagues - as elites deram a maior parte dos tiros.

Esta foi uma “Contrarrevolução da Propriedade”, como WEB. Du Bois disse. Os reformadores da era da Reconstrução não conseguiram fornecer liberdade genuína aos ex-escravizados, escreveu ele, em parte "porque a ditadura militar por trás do trabalho não funcionou com sucesso em face da Ku Klux Klan". Como as associações patronais do Norte, a KKK lutou pelos interesses dos membros mais poderosos da sociedade - distribuindo violência e terror em nome dos empregadores agrícolas.

Devemos apreciar os enormes avanços emancipatórios da Guerra Civil, sem perder de vista as maneiras pelas quais a classe dominante do sul lutou para se agarrar ao poder. Eles o fizeram em parte por ocupar cargos de liderança na Klan e apoiar ativamente as numerosas organizações de milicianos racistas que exigiam subordinação trabalhista.

Ao destacar seus interesses fundamentais de classe, podemos entender melhor as razões de seus atos estratégicos de terror. Esses homens talvez tenham perdido o conflito mais significativo pela democracia na história dos Estados Unidos - mas eles não pararam de lutar contra as forças de libertação.

*Publicado originalmente pela revista Jacobin | Traduzido por César Locatelli

Conteúdo Relacionado