Antifascismo

Corpos que estão aqui. E resistirão!

29 de janeiro de 2019 é data de planejar um contra-ataque ao fascismo. Sem armas, sem ódio. Uma contraofensiva popular, com marchas nas ruas e alto-falantes

29/01/2019 11:11

 

 
“Ela respeita a força, e deixa-se influenciar apenas moderadamente pela bondade, que para ela é uma espécie de fraqueza. Quer ser dominada e oprimida, que r temer os seus senhores. No fundo inteiramente conservadora, tem profunda aversão a todos os progressos e inovações [...].” Com essas palavras, Sigmund Freud (1856-1939), no seu Psicologia das massas e análise do eu, publicado em 1921, observa como as pessoas quando se reúnem, podem perder a razão e agir puramente pelos instintos, inclusive agredindo raivosamente grupos minoritários. Nessa perspectiva, pensar o 29 de janeiro – Dia Nacional da Visibilidade Trans – exige reflexões que nos levem a resistir em tempos de pensamento autoritário.

O fenômeno da psicologia das massas ocorre desde que o ser humano se percebeu como animal gregário, primeiro vivendo em hordas primitivas, para daí, se organizar sociopoliticamente sob a égide da polis. Todavia, no caso da polis brasileira, em todos os momentos históricos que a organização política se posiciona a partir de pautas progressistas, ocorre a sua retirada – seja pela força das armas, seja por malabarismos jurídicos, parlamentares e midiáticos – e a instauração de governos reacionários, comprometidos em retornar o País à condição de lacaio das vicissitudes internacionais. Foi assim com Getúlio. Foi assim com Juscelino. Foi assim com Jango. Alicerçada sobre os poderes de setores da classe média, que agem como seus capatazes, as elites não toleram minorias sociais, praticando sofisticados meios de violência para retomar aquilo que, minimamente, tiveram que dividir.

Em nossa observação, percebemos que para alguns, é insuportável a ideia de pessoas trans e travestis serem chamadas pelo nome com o qual se reconhecem. Esse direito, assegurado pela Portaria 1.820/2009 – no governo Lula – passou a valer quando da chamada para atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), entretanto, abriu espaço para que outros decretos e portarias fossem criados, fazendo valer esse e outros direitos de travestis e transexuais, como, por exemplo, a chamada pelo nome com que se identificam nas escolas, em postos de trabalho e em todos os espaços de convivência social. Mas, como admitir a existência de uma população que nem mesmo é pesquisada no censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)? Como admitir embarcar em um avião ao lado de uma pessoa trans, ou ter o filho na escola, estudando com uma colega travesti? Para as elites escravocratas, isso tinha que parar. E elas habilmente manobraram para que isso ocorresse o mais rápido possível.

A partir de 2013, com as Jornadas de Junho, vieram as primeiras doses de irracionalidade das massas fascistas na forma de frases prontas, regadas com agressividade e transfobia. Os passos seguintes todos conhecemos: a reeleição da presidenta Dilma Rousseff sob forte reação conservadora, o golpe mascarado de impeachment em 2016, a prisão política do presidente Lula e a eleição de um governo fascista, que já anunciou, a partir do escárnio da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, como vai tratar a diversidade de gênero e sexualidade no interior da sociedade brasileira: “é uma nova era no Brasil: menino veste azul e menina veste rosa.” [sic]

Nenhuma novidade até aqui, senão pela persistência de certos corpos. Corpos de quem luta diariamente contra a opressão, sobretudo, sexual e de gênero, da vida cotidiana. Sim, a ascensão do discurso fascista não se fez marcante apenas no plano político, mas, sobretudo, na vida íntima das pessoas. Na verdade, a preocupação com a sexualidade alheia é uma das características peculiares do fascismo e ela ganhou forma na transfobia e em todas as práticas violentas típicas desse campo político. Nesses termos, os corpos de travestis e transexuais são massacrados, a partir da violência institucionalizada em um Estado agressor e tirânico, que encara suas vidas como afronta à ordem pública. O resultado não seria diferente: o Brasil é o país em que mais se mata a população trans e travesti. Essa estatística infelizmente deverá aumentar, haja vista os seguidores do presidente fascista, antes da sua vitória, terem praticado assassinatos, se sentindo legitimados por seu então candidato. Priscilas, Laysas e Kharolines perderam suas vidas, ao som de gritos como “Bolsonaro presidente” e “com Bolsonaro presidente, a caça aos ‘veados’ vai ser legalizada”.

Porém, a massa de corpos estranhos à nossa pseudo civilização já prometeu resistir. E devem seguir nesse rumo, caso pretendam se manter com a garantia de direitos básicos à sobrevivência. Não será a eleição de um presidente autoritário que vai varrer nossos sonhos. Por mais duro que tenha sido esse golpe, mais um, nossos corpos seguem resistindo. Enquanto isso, a outra massa, aquela que escolheu um presidente azêmola, começará a sentir o gosto da desilusão. Com efeito, o desgaste daquele que conquistou mais de 50 milhões de votos sem nenhuma proposta concreta para o combate às desigualdades sociais e à recessão, em um país com mais de 14 milhões de desempregados, será inevitável. Nesse cenário, resistir não será um ato isolado, que traduziria apenas a luta contra o fascismo. Resistir agora é missão de vida, frente a um modelo com chances reais de fracasso.

29 de janeiro de 2019, é, portanto, data de planejar um contra-ataque ao fascismo. Sem armas, sem ódio. Uma contraofensiva popular, com marchas nas ruas e alto-falantes, que, aos brados, trazem uma mensagem bastante clara: nossos corpos estão aqui. E resistirão!

Armando Januário dos Santos é Sexólogo, Psicanalista em formação, Professor de Língua Inglesa, e Graduando em Psicologia.



Conteúdo Relacionado