Arte

A hipocrisia moralista segundo Brecht

O espetáculo 'Luz nas Trevas', em cartaz no Rio, mostra o funcionamento do capitalismo e faz paralelos com a hipocrisia moralista de hoje

09/05/2019 12:23

(Divulgação)

Créditos da foto: (Divulgação)

 
Brecht está de volta ao repertório da Companhia Ensaio Aberto com o espetáculo Luz nas Trevas, em cartaz no Armazém da Utopia, zona portuária do Rio. O espaço cênico é um cabaré, onde garotas bonitas circulam entre as mesas, servindo bebidas e petiscos aos espectadores. A peça começa de repente, quando elas se juntam no palco para a dança de abertura.

No outro extremo do salão está o Sr. Paduk, com sua barraca de palestras sobre doenças venéreas. Ele foi expulso do bordel por não ter dinheiro para pagar os serviços. Como vingança, postou-se do outro lado da rua, acendeu um refletor gigante e passou a pregar a moral e os bons costumes. O que ele não entendeu é que a decadência do puteiro vai decretar a sua própria falência. Assim funciona o capitalismo, e Brecht levará até o fim sua fábula sobre o assunto.

Escrita há quase 100 anos, Luz nas Trevas é montada agora por Luiz Fernando Lobo e Tuca Moraes como uma conversa paralela sobre a onda de hipocrisia moralista que nos assalta. Os discursos do Sr. Paduk soam familiares a quem tem ouvido as asneiras proferidas diariamente pela trupe governista. Num dos melhores "cacos" da peça, Paduk elogia a eloquência da dona do cabaré: "A senhora fala como um livro!". Ao que ela responde: "Eu não fiz ensino à distância".  

O espetáculo é curto, ágil, visualmente atraente e exuberantemente teatral. Está em cartaz sextas e sábados às 20h, até 1º de junho. O bar abre às 19h.

Conteúdo Relacionado