CM8 Internacional

Clipping Internacional - 17/01/2020

(Notícias internacionais sobre o Brasil; Notícias do Mundo; e Artigos)

17/01/2020 08:30

(Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)

Créditos da foto: (Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)

 
1 - NOTÍCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O BRASIL

BOLSONARO
. Bolsonaro explode novamente contra a imprensa. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, atacou novamente a imprensa dizendo que os jornalistas mentem e que os esquerdistas não merecem ser tratados como se fossem pessoas normais. O presidente da ultradireita também disse que ele sozinho não terá forças para "mudar os destinos do Brasil" e alertou seus ministros sobre o que ele descreveu como uma "grande responsabilidade" de impedir que a esquerda retorne ao poder, como aconteceu recentemente na Argentina. e, ele disse, isso acontecerá no Chile. "Peço a Deus que continue abençoando nosso Brasil, para abrir a mente daqueles que ainda estão à esquerda. Essa maldita esquerda que não funcionou em nenhum lugar do mundo", afirmou. "Não lhes dê uma chance! Eles não merecem ser tratados como pessoas normais que querem o bem do Brasil. Isso é mentira!" (La Jornada, México) | tinyurl.com/tcsnous

RIO DE JANEIRO.” Tem gosto de tijolo”': moradores do Rio alarmados com água da torneira escura e fedorenta. A companhia de água da cidade insiste que a água escura é segura para beber e foi causada por um composto orgânico encontrado no solo. Apenas algumas semanas antes de sediar seu mundialmente famoso carnaval - e com as temperaturas do verão ultrapassando os 40 ° C - o Rio de Janeiro está no limite quando os moradores de toda a cidade se queixam de água da torneira. Dezenas de bairros na cidade de 6,7 milhões de pessoas, além de seis cidades próximas, foram afetados pela crise, que se arrasta há quase duas semanas. A companhia pública de água da cidade disse que o gosto estranho foi causado por um composto orgânico chamado geosmin (que é encontrado naturalmente no solo) e insistiu que a água era segura para beber. Mas os moradores se queixaram de adoecer depois de beber a água e os ambientalistas culparam a crise nos rios poluídos, a falta de saneamento básico e décadas de má gestão. (The Guardian, Inglaterra) | tinyurl.com/ryubydr

OCDE
. Tendências ideológicas. Bolsonaro tem orgulho de que o Brasil esteja na OCDE no lugar da Argentina. O presidente brasileiro disse que o triunfo do peronismo com Alberto Fernández foi a chave para os EUA escolherem seu país para entrar no clube dos países mais desenvolvidos. (El Periódico, Espanha) | tinyurl.com/rh2ptaw

AMAZÔNIA. Incêndios no Brasil: como está a situação na floresta amazônica? Em agosto passado, imagens de incêndios que assolavam a floresta amazônica despertaram emoções no Brasil e no mundo. Cinco meses depois, são os megadevastadores que dizimam a Austrália que fazem a notícia. Mas a situação melhorou na Amazônia? (Le Journal du Dimanche, França) | tinyurl.com/qknnk5p

RELAÇÕES EXTERIORES. Ministro das Relações Exteriores diz que o Brasil deixou a Celac por seu apoio à Venezuela e Cuba. O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, disse na quinta-feira que o Brasil decidiu deixar a Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe (Celac) por causa do apoio que a agência dá a regimes não democráticos, como os de Cuba, Venezuela e Nicarágua. (La Vanguardia, Espanha) | tinyurl.com/uq7bwr9

RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro foi condenado a a pagar mais de 700 mil dólares ao tenista sérvio Djokovic. Um tribunal brasileiro condenou o estado do Rio de Janeiro a pagar três milhões de reais) ao tenista sérvio Novak Djokovic para pagar por uma partida de exibição pela qual ele foi contratado e pelo qual não foi totalmente pago. De acordo com a decisão da juíza Mirela Erbisti, além dos 3 milhões de reais que o governo regional do Rio de Janeiro deve ao tenista, o condenado deverá pagar os respectivos juros, a correção monetária pelos quase sete anos de atraso no pagamento 5% adicionais referentes a honorários advocatícios. (La Vanguardia, Espanha) | tinyurl.com/t44l4mq

AMAZÔNIA. Comunidades amazônicas pactuam uma aliança para resistir ao ataque de Jair Bolsonaro. Os líderes indígenas buscam evitar os planos do presidente brasileiro de abrir regiões da selva à mineração e agricultura. Dezenas de líderes indígenas brasileiros e representantes de outras comunidades da selva concordaram em uma vila amazônica em formar uma aliança para resistir aos projetos do presidente brasileiro Jair Bolsonaro de abrir essas regiões à mineração e exploração agrícola. (El Clarín, Argentina) | tinyurl.com/v8sth3q

AMAZÔNIA. A criminalização dos “guardiões” da Amazônia. Nós os encontramos depois de sua prisão pela polícia no final de novembro, que também tinha como alvo um quarto ativista. Cabeça raspada, olhar preocupado, "consternado por ser absurdamente criminalizado", ter que se justificar, jurar que não, não atearam fogo à floresta, que lutam para protegê-la. A burguesia branca, da qual eles vêm, é pouco acostumada ao cotidiano arbitrário de índios, negros e outros "péssimos", já que o Brasil é o Brasil. Um vem do mercado financeiro, os outros dois da mídia. Eles deixaram seu conforto urbano para ir a Alter do Chão, um canto do paraíso banhado pelo Tapajós, um afluente da Amazônia, no Estado do Pará. Viver e proteger a Amazônia. "A floresta tem esse poder de transformar você", diz Marcelo. "Deveríamos" amazonizar "o mundo", acrescenta Daniel. (Libération, França) | tinyurl.com/slg92v3

GOVERNO BOLSONARO. Em documento sobre desaparecimentos forçados submetido à Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil, apesar de falar sobre desaparecimentos e ações estatais para lidar com a situação, não faz qualquer menção à ditadura militar (1964-1985) ou ao papel do Estado no desaparecimento forçado de opositores. O texto de 29 páginas foi enviado pelo Itamaraty para o Comitê sobre Desaparecimentos Forçados da ONU em junho de 2019 e faz parte de uma burocracia obrigatória já que o Brasil é signatário da Convenção Internacional para a Proteção de Pessoas do Desaparecimento Forçado. . Agora, o Estado brasileiro passará por uma sabatina entre março e abril de 2020 para discutir o texto. (Sputnik News, Rússia) | tinyurl.com/v543zvz

2 - NOTÍCIAS DO MUNDO

SEITA EVANGÉLICA.
'Arrependa-se ou morra': seita religiosa do Panamá mata sete em ritual bizarro. Corpos de seis crianças indígenas e um adulto encontrados. Sete pessoas foram mortas em um ritual religioso bizarro em uma comunidade da selva no Panamá, na qual os moradores indígenas foram presos por cerca de 10 pregadores leigos e torturados, espancados, queimados e cortados com facões para fazê-los "se arrepender de seus pecados". Detidos 10 membros do grupo evangélico "Nova Luz de Deus". A polícia libertou 14 membros do grupo indígena Ngabé Buglé que haviam sido amarrados e espancados com cacos de madeira e Bíblias. (The Guardian, Inglaterra) | tinyurl.com/tpya3se

ARGENTINA. Aumento progressivo das bolsas da Conicet - Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas. O governo anunciou que aumentará o valor da remuneração e acrescentará 400 novas bolsas. Santiago Cafiero destacou a importância de "reparar as dívidas que vinham se formando durante os quatro anos de abandono e descrédito da ciência e para com os nossos cientistas". O governo nacional aplicará um aumento progressivo para bolsistas do Conicet. O anúncio foi feito pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Salvarezza que destacou a importância de “reparar as dívidas que vinham se formando durante os quatro anos de abandono e descrédito da ciência e para com nossos cientistas”, em referência à política do governo de Mauricio Macri. (Página 12, Argentina) | tinyurl.com/s3ov4jy

BOLÍVIA. Evo Morales pediu desculpas por suas declarações sobre a necessidade de formar "milícias armadas" no país. A declaração gerou uma forte controvérsia entre seus detratores, principalmente o governo boliviano de fato e os setores de oposição na Argentina que questionaram o status de refugiado que o ex-presidente mantém no país. (Pagina 12, Argentina) | tinyurl.com/soz2d7z

ISRAEL. Os partidos de Israel estão agrupados em blocos antes do julgamento final da década de Netanyahu. Em um país tão diverso quanto Israel, a fragmentação do Kneset (Parlamento, de 120 assentos) em mais de uma dúzia de grupos é vista há décadas como uma garantia de pluralismo e respeito pelas minorias. Mas antes das legislativas de 2 de março, os terceiros em menos de um ano, os candidatos com a opção de representação parlamentar foram reduzidos pela metade. Os partidos foram agrupados em torno de dois grandes blocos ideológicos nas eleições que são apresentadas como um julgamento final sobre a década de poder do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. (El País, Espanha) | tinyurl.com/rarymxn

HUNGRIA. Viktor Orban cada vez mais marginalizado em conservadores europeus. Deputados denunciam violações do Estado de direito na Hungria e na Polónia. O Parlamento Europeu aprovou uma resolução na quinta-feira (16 de janeiro) denunciando a deterioração do Estado de Direito na Polônia e na Hungria. Este texto lamentaos ataques à independência do poder judicial, à liberdade de expressão, aos direitos das minorias. (Le Monde, França) | tinyurl.com/vw64hf5

AUSTRÁLIA. As chuvas atingiram as áreas em fogo, mas dezenas de incêndios ainda queimam. s chuvas mais fortes em quase dez anos caíram em certas regiões próximas ao maior incêndio. Várias dezenas de queimadas permanecem ainda fora de controle. (L’Express, França) | tinyurl.com/thfrwtp

CHINA. Crescimento econômico da China desacelera para 6,1% com problemas no comércio internacional e na confiança dos empresários. O crescimento pode desacelerar ainda mais este ano e cair abaixo de 6%, segundo alguns economistas do setor privado. A desaceleração, que se tornou mais severa desde que a economia atingiu o pico em 2011, após anos de crescimento de dois dígitos, se espalhou por muitos setores da economia chinesa no ano passado e foi agravada pela pressão comercial e pelas tarifas do governo Trump. Mesmo assim, a taxa de crescimento de 6,1%, abaixo da taxa revisada de 6,6% em 2018, caiu dentro da meta do governo de 6% para 6,5% em 2019. (The Wall Street Journal, EUA) | tinyurl.com/v6pgrcp

EUA. Destronando o dólar. Os EUA estão utilizando sua moeda e seu sistema financeiro como armas. Seu uso por sanções pode colocar em risco o dólar a longo prazo. Desde que o dólar consolidou seu papel como moeda dominante no mundo nos anos 50, ficou claro que a posição dos EUA como única superpotência financeira lhe confere uma influência extraordinária sobre os destinos econômicos de outros países. Mas foi apenas sob o presidente Donald Trump que os Estados Unidos usaram seus poderes rotineiramente e em toda sua extensão, participando de uma guerra financeira. Os resultados foram inspiradores e chocantes. Por sua vez, eles levaram outros países a procurar se libertar da hegemonia financeira americana. (The Economist, Inglaterra) | tinyurl.com/sb768zw

O INÍCIO DO PROCESSO DE IMPEACHMENT DE TRUMP NO SENADO

Le Figaro, França | "Ukrainegate": o testemunho de Lev Parnas prejudica a defesa de Donald Trump. Este colaborador do advogado do presidente americano afirma ter exigido, a seu pedido, junto às autoridades de Kiev, a abertura de uma investigação sobre as atividades do filho de Joe Biden. | tinyurl.com/rm85574

The New York Times, EUA |
Ritual sombrio se desenrola no Senado quando surgem novas evidências na Ucrânia. O chefe de justiça John Roberts foi empossado como presidente do julgamento de impeachment do presidente Trump, e os senadores prometeram "justiça imparcial". Enquanto isso, um grande número de documentos entregues por um associado de Rudy Giuliani ofereceu novos detalhes sobre a campanha de pressão na Ucrânia. | tinyurl.com/vpycm4f

The New York Times, EUA | A administração Trump quebrou a lei ao bloquear ajuda na Ucrânia, afirma funcionário da controladoria do governo (“Government Accountability Office”). A agência disse que o bloqueio da assistência militar violou uma lei que limita o poder de um presidente de reter dinheiro alocado pelo Congresso | tinyurl.com/r6o6wsj

The Washington Post, EUA. | O julgamento do impeachment no Senado começa com rancor sobre testemunhas e novas evidências sobre os negócios de Trump na Ucrânia. Lev Parnas, ex-associado do advogado pessoal de Trump, Rudolph W. Giuliani, alegou que Trump sabia de seu papel no esforço de desenterrar sujeira na Ucrânia que poderia beneficiar politicamente o presidente. Os legisladores republicanos pareceram indiferentes às novas informações, concentrando-se em atacar a investigação liderada pelos democratas na Câmara por não descobrir as evidências antes de enviar os artigos de impeachment ao Senado. | tinyurl.com/qw7l3z3

Diário de Notícias, Portugal | Quem são os homens no centro das novas provas dos democratas contra Trump? Lev Parnas e Robert F. Hyde foram notícia nas últimas horas, quando o advogado do primeiro entregou à Câmara dos Representantes documentos que demonstram o seu papel de operacionais na Ucrânia em ligação com o advogado do presidente. “O presidente Trump sabia exatamente o que estava a acontecer. Estava ao corrente de todos os meus movimentos. Eu não fazia nada sem a aprovação de Rudy Giuliani ou do presidente", disse Lev Parnas em entrevista a Rachel Maddow, na MSNBC. | tinyurl.com/stzsa5o

The Nation, EUA. | O líder da maioria no Senado admitiu que está conspirando para impedir um julgamento imparcial de impeachment. Todos com cérebro e consciência deveriam pedir sua desqualificação. | tinyurl.com/r8pdhnt

Foreign Policy, EUA | Sócio de Giuliani pode ter vigiado embaixadora dos EUA, mostram novas evidências. O último grupo de evidências da Câmara, antes do início do julgamento de Trump, inclui evidências explosivas que ligam o advogado do presidente e associados à campanha para intimidar a Ucrânia para investigar os rivais de Trump. | tinyurl.com/vdmkxxo

3 - ARTIGOS/ENTREVISTAS

Eric Nepomuceno – Brasil (Página 12, Argentina) | “Bolsonaro, um vassalo rumo ao isolamento” | tinyurl.com/tpt57zt

Larry Elliot – Economia Política (The Guardian, Inglaterra) | “Quando se trata de crescimento versus verde, a visão de curto prazo sempre prevalece.” | tinyurl.com/yx6ve3up

Mukul Kesavan – Índia (The Guardian, Inglaterra) | “Os ataques a duas universidades em Nova Delhi revelam os alvos de Modi: muçulmanos e seus aliados” | tinyurl.com/rlyc4kp

Paul Krugman – EUA (The New York Times, EUA) | “Por que os EUA odeiam suas crianças? Razões de que os cuidados com as crianças podem ser um assunto chave nas eleições.” | tinyurl.com/s5dajmd

Emir Sader – Brasil (El Diário, Espanha) | “O Oscar provoca vertigem na direita brasileira – o presidente brasileiro havia declarado que o país não produzia bons filmes. Agora reage com seu vocabulário agressivo tradicionao: sem tê-la assistido, a considera desprezível” | tinyurl.com/t2x46y4



Conteúdo Relacionado