CM8 Internacional

Clipping Internacional - 20/11/2019

Notícias internacionais sobre o Brasil; Notícias do Mundo; e Artigos

20/11/2019 11:42

(Reynaldo Zaconeta/AFP via Getty Images)

Créditos da foto: (Reynaldo Zaconeta/AFP via Getty Images)

 
1 - NOTÍCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O BRASIL

INDÍGENAS
. "O dinheiro serve para monitorar a selva, mas você precisa envolver políticos". O líder indígena veterano, favorito ao Nobel com Greta Thunberg, fala em entrevista sobre a Amazônia, o ativismo e o presidente Bolsonaro, que o atacaram na ONU. (El País, Espanha) | bit.ly/2XAUnf1

TECNOLOGIA 5G
. Audiência com YaoWei, CEO Huawei do Brasil, com o presidente Jair Bolsonaro. Jair Bolsonaro recebe representantes da Huawei e diz que chinesa quer instalar 5G no Brasil. A pauta da reunião não foi divulgada, mas ao chegar ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse que os chineses querem entrar no mercado brasileiro. "Não foi feita a proposta, ele apenas mostrou que quer 5G no Brasil", disse Bolsonaro. No entanto, o presidente brasileiro desconversou quando perguntado sobre um eventual leilão do 5G. (Sputnik News, Rússia) | bit.ly/2CZIxBJ

ACORDO EU-MERCOSUL
. Os planos brasileiros para a cana de açúcar na Amazônia azedam das possibilidades de um acordo União Europeia-Mercosul. A decisão de Bolsonaro de permitir o cultivo surge como mais um obstáculo à ratificação. (Financial Times, Inglaterra) | on.ft.com/2ralZeS

FASCISMO
. Uma placa de uma exposição contra o genocídio negro nos corredores do Congresso Nacional, no Brasil, foi depredada por um deputado, poucos minutos depois de ser inaugurada. Coronel Tadeu, do ex-partido de Bolsonaro, ficou incomodado com imagem em que um negro aparece morto e um polícia se afasta de arma na mão. Autor diz que o ataque só confirma o teor do cartoon. (Diário de Notícias, Portugal) | bit.ly/2OsRyIV

FASCISMO
. Deputado brasileiro destrói cartaz em exibição contra o racismo. O deputado brasileiro Marcio Tadeu, conhecido como coronel Tadeu, do mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro, quebrou alguns pôsteres da exposição montada no Congresso na terça-feira para comemorar o Dia da Consciência Negra. O legislador argumentou que ele quebrou o cartaz porque acusou falsamente policiais militares de assassinos. Instantaneamente, vários deputados presentes repudiaram o bolsonarista, citaram crimes contra afrodescendentes no Brasil e denunciaram a presença de parlamentares racistas no Congresso. Eles anunciaram que abrirão um processo no Conselho de Ética do ramo legislativo. (Telesur, Venezuela) | bit.ly/2Ou69nh

INDÍGENAS
. O genocídio silenciado dos Guaranis. A perda das terras da etnia Kaiowá no Brasil desencadeia uma onda de suicídios. Os Guaranis são uma das comunidades indígenas mais importantes e punidas da América. Eles moram no Paraguai, Bolívia, Argentina e Brasil, onde existem cerca de 51.000. A Anistia Internacional do povo aborígine - denuncia que o roubo de suas terras e a violência de madeireiros, fazendeiros e proprietários de terras causaram "uma onda sem precedentes de suicídios". (La Vanguardia, Espanha) | bit.ly/2KBI9NR

AMAZÔNIA
. Ambientalistas e ONGs lamentam políticas de Bolsonaro na Amazônia. O desmatamento na floresta amazônica brasileira subiu ao nível mais alto em mais de uma década este ano, mostraram dados do governo na segunda-feira, confirmando um forte aumento sob a liderança do presidente de direita Jair Bolsonaro. (Global Times, China) | bit.ly/2quXn0s

2 - NOTÍCIAS DO MUNDO

BOLÍVIA
. Vice-presidente exilado culpa 'reação racista' pela saída forçada de Evo Morales. Álvaro García Linera admite os erros cometidos, mas classificou a derrubada de Morales como um "golpe" anti-indígena de direita. Em entrevista, o ex-vice-presidente Álvaro García Linera chamou a saída forçada de Morales de um "golpe de direita" anti-indígena, mas admitiu que foi auxiliado por erros cometidos pelos dois durante seus quase 14 anos no governo. "Uma revolução é como uma xícara, tem que ser inquebrável quando pedras são atiradas", disse García Linera. "Nosso copo não era de vidro, mas também não era de aço. Era feito de algo intermediário - e tinha rachaduras.” (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/3346WR9

BOLÍVIA
. Condenação dura do governo golpista da Bolívia pela Comissão de Direitos Humanos da OEA. A CDIH condenou a participação das Forças Armadas na repressão aos protestos sociais e alertou para "ameaças dirigidas a líderes do governo anterior". E anunciou uma visita de urgência. (Página 12, Argentina) | bit.ly/2XwbIpv

BOLÍVIA
. Pelo menos cinco mortos e cerca de 30 feridos em um novo protesto na Bolívia. Forças policiais e militares dissolveram um bloqueio na fronteira de La Paz que impedia o fornecimento de gás à capital boliviana. Morales disse que os ‘uniformizados’ agiram de maneira coordenada com os EUA. (El Periódico, Espanha) | bit.ly/37q9vAj

BOLÍVIA
. A posição de Bernie Sanders sobre a Bolívia é importante. Em um campo democrata a resposta do senador de Vermont foi nada menos que reveladora. “Acho que Morales fez um trabalho muito bom em aliviar a pobreza e em dar aos povos indígenas da Bolívia uma voz que nunca tiveram antes. Agora, podemos discutir sobre a escolha dele para um quarto mandato, se isso era uma coisa sábia a se fazer. ... Mas no final do dia, foram os militares que intervieram nesse processo e pediram que ele fosse embora. Quando os militares intervêm, Jorge, na minha opinião, isso é chamado de 'golpe'.” (Truthdig, EUA) | bit.ly/2KGiuUx

EQUADOR
. Um freio à reforma econômica de Lenín Moreno. A oposição rejeitou um megaprojeto adaptado aos mercados. O governo de Lenín Moreno luta em duas frentes com as massivas mobilizações que terminaram há mais de um mês no Equador. Por um lado, criminaliza o protesto social após aplicar a figura de "rebelião" aos oponentes. Assim, ele conseguiu aprisionar membros do partido Rafael Correa, Citizen Revolution (RC) e líderes de organizações indígenas. Isso levou três legisladores do CR a pedir asilo à Embaixada do México. Por outro lado, o governo procura aplicar as receitas econômicas exigidas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Dias atrás, a oposição conseguiu rejeitar um mega projeto de reforma econômica adaptado aos mercados. (Página 12, Argentina) | bit.ly/34bLJq4

CHILE.
Uma bala nos olhos é o preço dos protestos no Chile. Agora, um olho enfaixado é tão comum entre as pessoas que protestam contra a desigualdade no Chile que se tornou um símbolo de manifestação. (The New York Times, EUA) | nyti.ms/2Xv1B4p

COLÔMBIA.
A Colômbia viverá na quinta-feira um dia nacional de mobilizações no âmbito de uma greve geral. Nesta quinta-feira será um dia especial na Colômbia, pois em dezenas de cidades serão realizadas marchas que coincidirão com a greve geral de atividades decretada em outubro pelo Comando Nacional Unitário, um órgão que reúne várias centrais de trabalhadores, que convocou a mobilização para demonstrar sua rejeição de várias políticas executadas pelo executivo liderado pelo presidente Iván Duque, em particular as reformas que afetam o mercado de trabalho e o sistema de aposentadoria. (La Diária, Uruguai) | bit.ly/2qzbfqm

PARAGUAI.
Um juiz do Brasil pede a prisão do ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes. Cartes comandou o Paraguai entre agosto de 2013 e agosto de 2018. O político é acusado de lavagem de dinheiro no contexto de investigações do 'caso Lava Jato'. (El País, Espanha) | bit.ly/33a0VTj

NICARÁGUA
. “Respeito à Igreja”, afirmam jovens na Nicarágua de Ortega. Estudantes nicaraguenses exigiram na terça-feira do governo de Daniel Ortega que liberte prisioneiros políticos e respeite os templos católicos, depois que partidários do partido no poder invadiram a véspera de uma catedral e espancaram dois religiosos. (La Jornada, México) | bit.ly/2Ou6lD1

ARGENTINA
. Alberto Fernández se colocou à frente da negociação com o FMI. O presidente eleito falou por telefone com a chefe da agência, Kristalina Georgieva, num primeiro contato entre o futuro presidente e a chefe do FMI, que garantiu que a Argentina proporá "um plano de pagamento que possamos cumprir, mas sem ajustes adicionais....Não podemos fazer mais ajustes”. | bit.ly/2rfCyWH

ITÁLIA
. As “sardinhas” estão a encher as ruas de Itália contra a extrema-direita. Quatro amigos quiseram protestar contra a gabarolice de Salvini que inflaciona os números de presentes nos seus comícios. Convocaram um evento nas redes sociais em que surgia a brincadeira das “sardinhas em lata”. Milhares de pessoas responderam protestando com imagens de sardinhas contra “a política de ódio”. (Esquerda.net, Portugal) | bit.ly/2KGdK0W

CISJORDÂNIA
. A ocupação sem lei da Palestina. Israel impõe segregação a quase três milhões de palestinos contra 430.000 colonos na Cisjordânia. "O movimento colonizador é uma loucura de Israel que investe uma fortuna para perpetuar um regime de apartheid", diz a advogada canadense de origem palestina Diana Buttu diante do muro com uma porta de metal através de um túnel que fecha a passagem para a casa de Gharib. "Milhões foram gastos aqui para transformar a vida de uma família palestina no inferno". Buttu fazia parte de um grupo de observadores e jornalistas internacionais que visitaram a Cisjordânia na terça-feira em uma excursão organizada pela ONG do Pacífico Breaking the Silence (BtS), veteranos do Exército de Israel que se opõem à ocupação. (El País, Espanha) | bit.ly/2s4qsjR

GUERRA COMERCIAL
. Negociações EUA-China emperradas levantam ameaça de outro impasse. A administração Trump está firme para a China fazer grandes compras agrícolas, enquanto Pequim insiste na remoção de tarifas. (The Wall Street Journal, EUA) | on.wsj.com/2D3dJQt

IRÃ
. Dez anos após o levante de 2009, que viu jovens iranianos nas ruas contra a fraude nas eleições presidenciais, a República Islâmica testemunhou uma nova rebelião sufocada em sangue e está se preparando para colocar a forca em operação para aqueles que querem questionar o regime. "Pelo menos 106 pessoas foram mortas em 21 cidades do Irã" nos confrontos dos últimos dias, informou a Anistia Internacional de Londres, acrescentando que "o número final de mortos pode ser muito maior, com algumas notícias aumentando o número de vítimas até 200". (La Repubblica, Itália) | bit.ly/2Xwtnxe

IRÃ
. O protesto sem rosto. Os iranianos têm dificuldade em decifrar a violência desencadeada após o aumento do preço da gasolina. Enquanto todo o sistema iraniano parece apoiar o governo (muitos acreditam que esse aumento deveria ter sido implementado anos atrás), o debate gira em torno da maneira como foi lançado. O chefe do sistema judicial, Ibrahim Raisi, disse ontem que deveria ter conversado com as pessoas anteriormente. (La Vanguardia, Espanha) | bit.ly/2KFaO4S

3 - ARTIGOS/ENTREVISTAS

Bernie Sanders, entrevista – EUA (The Nation, EUA) | “Bernie Sanders está transformando a política progressista” | bit.ly/335utRC

Frédéric Lordon
– França (Le Monde Diplomatique, França) | “A precariedade mata, o capitalismo mata, o macronismo mata” | bit.ly/35lhjSk

George Monbiot
– Reino Unido (The Guardian, Inglaterra) | “Eu apoiarei os Trabalhistas hesitantes sobre a crueldade dos Conservadores sempre” | bit.ly/2KBIBf1

Pablo Marchetti
– Bolívia (Página 12, Argentina) | “Orgulho boliviano – a contraface do insulto” | bit.ly/2s3c4Iz

Guido Rossi
– América Latina (Página 12, Argentina) | “Defender nossas democracias” | bit.ly/2KzubMH

Carlos Marichal e Juan Odisio
- Argentina (El País, Espanha( | “Macri, o FMI e a descomunal dívida pública argentina” | bit.ly/335ZuFl




Conteúdo Relacionado