CM8 Internacional

Clipping Internacional - 24/03/2020

Notícias internacionais sobre o Brasil; Notícias do Mundo; e Artigos

24/03/2020 09:12

(Amarildo)

Créditos da foto: (Amarildo)

 

1 - NOTÍCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O BRASIL

PANELAÇO.
Coronavírus, tempestade sobre Bolsonaro: o protesto com as panelas por subestimar a emergência. A taxa de disseminação do coronavírus no Brasil está se acelerando, já amanhã o número de vítimas poderá ultrapassar 3.000 infecções em comparação a mais de 1.600 hoje e a tendência é dobrar a cada 54 horas e 43 minutos. Mesmo no fim de semana acabado, apitos, gritos e slogans do tipo "Fora, Bolsonaro" ecoam nas janelas de muitas casas em várias cidades, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, as mais afetadas pela pandemia. Os protestos começaram na terça-feira passada, quando o chefe de Estado falou várias vezes de "histeria" em conexão com a disseminação do vírus e disse que as escolhas dos governadores de isolar seus estados "danificaram a economia". (Il Messaggero, Itália) | tinyurl.com/wglymgz

PANELAÇO
. Após MP controversa, mais panelaços contra Bolsonaro são registrados. Nesta segunda-feira (23), após publicar e depois anunciar a revogação de uma Medida Provisória que abriria margem para a suspensão de contratos de trabalho no Brasil, mais panelaços foram realizados contra o presidente Jair Bolsonaro. A medida foi mal recebida e amplamente criticada nas redes sociais ao longo do dia. Durante a tarde, o presidente Bolsonaro anunciou pelo Twitter que suspenderia o artigo polêmico da MP. Mais cedo, ele usou o mesmo espaço para defender a proposta. (Sputnik News, Rússia) | tinyurl.com/vcb8lvc

 BOLSONARO/MP927. Jair Bolsonaro autorizou a suspensão dos contratos de trabalho por quatro meses através de uma Medida Provisória e ratificou sua decisão de não decretar quarentena para interromper o coronavírus, que em seis dias passou de duas para vinte e cinco mortes. Horas depois, ele foi forçado a recuar e anulou seu decreto incomum. Antes de recuar ele havia dito que "Esta é uma maneira de preservar empregos, o período de pré-aviso (suspensão do contrato) é encurtado e (antecipadas) férias são permitidas, isso é melhor do que ser demitido". Quando perguntado se as medidas para compensar o golpe serão arbitradas, ele evitou a resposta, deixando-o a cargo do ministro da Economia, Paulo Guedes, funcionário que trabalhou com o ditador Augusto Pinochet. (Página 12, Argentina) | tinyurl.com/w6zjmo5

BOLSONARO/MP927. Nova trapalhada do governo do Brasil. Onda de indignação força Bolsonaro a revogar decreto. Medida Provisória suspendia contratos de trabalho durante quatro meses sem pagamento de salário; justificativa era “defesa do emprego”. Decretada domingo à noite, foi revogada segunda-feira à tarde. Na manhã desta segunda-feira, o presidente chegou a defender a medida: “Esclarecemos que a referida MP, ao contrário do que espalham, resguarda ajuda possível para os empregados. Ao invés de serem demitidos, o governo entra com ajuda nos próximos quatro meses, até a volta normal das atividades do estabelecimento, sem que exista a demissão do empregado”, escreveu nas redes sociais. (Esquerda.net, Portugal) | tinyurl.com/stznt2t

BOLSONARO/MP927. Não aguentou a pressão. Diante de uma nova enxurrada de críticas, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, teve que recuar. O presidente revogou na segunda-feira a medida provisória que havia aprovado na noite de domingo e que permitia que os empregadores não pagassem seus funcionários por até quatro meses. O chefe de Estado chegou a afirmar que a medida era "uma maneira de preservar empregos". A onda de críticas que recebeu de sindicatos, políticos e até empresários o forçou a recuar. (El Periódico, Espanha) | tinyurl.com/v7ay5zm

BOLSONARO/MP927. Coronavírus no Brasil: Jair Bolsonaro recuou com o decreto que permitia às empresas não pagar salários por quatro meses. Ele anunciou nas redes sociais. As autoridades do Congresso receberam a medida com irritação. Após a terrível repercussão da medida no Judiciário, no Congresso e entre a população, o Presidente Bolsonaro, no Twitter, informou que havia decidido revogar um artigo da medida que permitia a suspensão de contratos de trabalho por até quatro meses. , sem pagamento de salário. (El Clarín, Argentina) | tinyurl.com/s6kscyv

BOLSONARO/MP927. Bolsonaro queria autorizar empresas a não pagar salários por 4 meses: ele teve que recuar. No domingo, lançou uma Medida Provisória que, com o argumento da crise dos coronavírus, salvaguardava os interesses dos patrões e, após a rejeição geral das lideranças e da sociedade, recuou. Em contraponto, a Dinamarca pagará até 75% dos salários para que as empresas não demitam funcionários. (Tiempo Argentino, Argentina) | tinyurl.com/qqued98

BOLSONARO/MP927. Horas depois de ter decretado uma medida provisória que permitia que os empregadores brasileiros pudessem suspender o pagamento de salários durante quatro meses por causa da crise do coronavírus, o Presidente Jair Bolsonaro recuou e revogou essa alínea, cedendo perante a avalanche de críticas. A medida foi emitida no domingo à noite, e nesta segunda-feira, já depois de a ter defendido, Bolsonaro decidiu retirar a parte mais polêmica. (Público, Portugal) | tinyurl.com/s29kgzy

BOLSONARO/CORONAVÍRUS. Jair Bolsonaro diz que crise de coronavírus é um truque da mídia. O presidente de extrema-direita resistiu tomar medidas mais fortes para impedir a disseminação do que ele chama de "pequena gripe". O presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, acusou seus inimigos políticos e a imprensa de "enganar" propositadamente os cidadãos sobre os perigos do coronavírus, enquanto a América Latina se preparava para um aumento no número de mortes. A pandemia já matou quase 15.000 vidas em todo o mundo e parece exigir um preço mortal para a América Latina nas próximas semanas, com muitos governos regionais fechando fronteiras e fechando grandes cidades em uma tentativa desesperada de limitar os danos. Mas Bolsonaro resistiu a medidas drásticas, descartando a "histeria" da mídia por causa do coronavírus e chamando a doença de "um pouco de gripe". (The Guardian, Inglaterra) | tinyurl.com/svda8zz

BOLSONARO/CRISE. Bolsonaro, em pé de guerra. O presidente brasileiro enfrenta os governadores de São Paulo e Rio de Janeiro em meio a crescentes descontentamentos com a administração da crise do coronavírus. Jair Bolsonaro insiste que a crise do coronavírus é apenas histeria e suas ex-aliados sugerem que ele renuncie. Apesar da grave ameaça que o vírus representa para um país de 209 milhões de habitantes e recursos limitados de saúde, o governo não decretou uma quarentena nacional, como Argentina ou Colômbia. O confinamento é apenas uma recomendação, embora o governo federal e quase todos os governadores insista que a população circule menos. Uma decisão que revela o desinteresse de Bolsonaro em alcançar um pacto nacional que abandona os interesses políticos. (El País, Espanha) | tinyurl.com/qpv37nb

BOLSONARO/BOLSA-FAMÍLIA. O Ministério da Cidadania fez um corte de 158.452 beneficiários do programa Bolsa Família em meio à crise gerada pela COVID-19. O número de beneficiários é o menor do governo Jair Bolsonaro e o menor desde maio de 2017, quando o Bolsa Família teve o maior corte da história do programa. A região mais afetada pelos novos cortes é a Nordeste. Dos 158,4 mil benefícios a menos em março, 61,1% do total foram retirados da região. Em entrevista à Sputnik Brasil, Cícero Péricles de Carvalho, que pesquisa o programa Bolsa Família, professor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), disse que a medida tomada pelo governo Jair Bolsonaro vai contra o que tem sido feito na maioria dos países. (Sputnik News, Rússia) | tinyurl.com/rxg2d3y

BOLSONARISTAS/CHINA. Redes bolonaristas convocadas a acusar a China pela expansão do coronavírus. Conforme relatado pela Agência Pública, grupos do WhatsApp relacionados ao Presidente do Brasil promoveram essas mensagens no Twitter. (La Diária, Uruguai) | tinyurl.com/up4jalh

BOLSONARO. Diante do perigo do Covid-19, Jair Bolsonaro não faz mais os brasileiros rirem. Desde o início da pandemia, o presidente minimizou a gravidade do coronavírus, apesar das advertências de seu médico Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde. Jair Bolsonaro perdeu a mão? Até agora, o presidente populista brasileiro conseguiu manter sua popularidade praticamente intacta, apesar de suas faltas, provocações, desrespeito ao meio ambiente e aos direitos humanos. Em particular, graças a uma economia que estava mostrando sinais de recuperação após uma longa recessão. Mas o coronavírus revolucionou a situação, revelando suas deficiências na cabeça do país em crise. (Le Figaro, França) | tinyurl.com/sa549oe

ÍNDIOS. O governo brasileiro manterá os índios não contatados na Amazônia isolados e restringirá os serviços de saúde ou segurança que eventualmente os oferece, em uma estratégia para mantê-los afastados do coronavírus, o que pode levar à sua extinção, informaram fontes oficiais na segunda-feira. (La Vanguardia, Espanha) | tinyurl.com/r3ghjpj

FAVELAS/CORONAVÍRUS. Milicianos e traficantes impõem recolher obrigatório em favelas do Brasil. Milicianos e traficantes do estado brasileiro do Rio de Janeiro impuseram um toque de recolher obrigatório às comunidades de favelas daquela região de forma a travar a disseminação do novo coronavírus, segundo o portal de notícias G1. "Queremos o melhor para população. Se o Governo não tem capacidade de dar um jeito, o crime organizado resolve", indica uma mensagem. (Diário de Notícias, Portugal) | tinyurl.com/vq8jnvk

OLAVO DE CARVALHO. Para guru de Bolsonaro, "esta pandemia simplesmente não existe". Olavo de Carvalho, filósofo radicado nos EUA, considera o Covid-19 "a mais vasta manipulação da opinião pública que já aconteceu na história humana". (Diário de Notícias, Portugal) | tinyurl.com/tv966ol

2 - NOTÍCIAS DO MUNDO

EUA/TRUMP
. Diante do dilema de dólares ou vidas humanas, Trump começa a optar pela primeira. O presidente dos Estados Unidos dá o alarme ao sugerir que deseja encerrar em uma semana as medidas mais duras para não prejudicar a economia. (El Diário, Espanha) | tinyurl.com/s8z2jvk

ARGENTINA
. A 44 anos do golpe. A mensagem de Alberto Fernández. Antes da meia-noite, o Presidente Alberto Fernández postou uma mensagem em 24 de março de 44 anos após o golpe que entronizou a última e mais sangrenta ditadura militar. "Mobilizados com a memória, lembramos dos 30.000 que desapareceram e continuamos de casa exigindo exatamente o mesmo: memória, verdade e justiça", disse ele. (Página 12, Argentina) | tinyurl.com/uauh9vv

ECONOMIA MUNDIAL. Covid-19: o espectro da Grande Depressão assombra a economia mundial. À medida que a epidemia de coronavírus se espalha exponencialmente, as consequências de uma paralisia da economia global estão se tornando diariamente mais dramáticas. A bolha da dívida privada está prestes a estourar, apesar das tentativas desesperadas do Federal Reserve. (Mediapart, França) | tinyurl.com/r7fcvw2

ESPANHA. Juan Carlos I, símbolo e sintoma de um regime corrupto. A notícia de que em 2012 o rei emérito de Espanha ofereceu a Corinna Larsen 65 milhões de euros a troco do acordo para um comboio de alta velocidade para Meca não deveria ser encarada como um episódio como outro qualquer. (Esquerda.net, Portugal) | tinyurl.com/w7m9j7u

REINO UNIDO/CORONAVÍRUS. Demorou, mas Boris Johnson rendeu-se aos fatos e decreta confinamento no Reino Unido. Comércio não essencial fechado, grupos de mais de duas pessoas proibidos, ordem de permanência em casa com exceção de trabalho, compra de alimentos e remédios. O Reino Unido junta-se aos vários países europeus que têm decretado o confinamento. Boris Johnson desiste definitivamente da política de promoção da “imunidade de grupo”. (Esquerda.net, Portugal) | tinyurl.com/wstzmvu

EUA/CORONAVÍRUS. Em meio ao impasse sobre as medidas de apoio à economia que dividem republicanos e democratas, Trump parece se inclinar por mudar as orientações quanto à quarentena. Os democratas não querem aprovar as medidas propostas por Trump sem antes ampliar a defesa dos trabalhadores e definir como as empresas utilizarão o dinheiro do governo. Trump pretende autorizar os supostos “imunizados” a trabalhar imediatamente, o que contraria as autoridades sanitárias do país. Economia vs. saúde. (The Guardian, Inglaterra) | tinyurl.com/wvy9vbb

COREIA DO SUL/CORONAVÍRUS. Como a Coréia do Sul achatou a curva. O país mostrou que é possível conter o coronavírus sem segurar a economia, mas os especialistas não têm certeza se suas lições podem funcionar no exterior. (The New York Times, EUA) | tinyurl.com/vc56oc4

AMÉRICA LATINA/CORONAVÍRUS. A América Latina teme um surto social. Os governos latino-americanos estão muito preocupados com a disseminação do coronavírus. E não apenas por causa do temido colapso da saúde em uma região que, em geral, não possui estados de bem-estar, mas, principalmente, por causa da possibilidade de um surto em sociedades com grandes bolsões de pobreza, miséria rural e superlotação urbana que não existe nos países europeus. Os líderes da região, com exceções como a da extrema-direita brasileira, Jair Bolsonaro, o mexicano Andrés Manuel López Obrador, decidiram começar a tomar medidas drásticas muito antes dos governantes da Itália ou da Espanha, que agiram tarde diante da pandemia. , aproveitando sua experiência negativa e também os casos asiáticos mais bem-sucedidos na gestão da crise da saúde. (La Vanguardia, Espanha) | tinyurl.com/u4koe7r

ITÁLIA/CORONAVÍRUS. As mortes de coronavírus na Itália são impressionantes. Eles podem ser uma visualização e não uma anomalia. Médicos e autoridades de saúde dizem que outros países devem considerar a Itália não como um erro ou um exemplo de erros, mas como um aviso das dificuldades que em breve poderão ocorrer. O número impressionante é agora o pior cenário para o que acontece quando um país é pego despreparado. A grande população idosa da Itália exacerbou o problema. (The Washington Post, EUA) | tinyurl.com/vkul8tj

FRANÇA/CORONAVÍRUS. Coronavírus: a França endurece o confinamento. Os mercados são proibidos, exceto por derrogação, as viagens médicas são reservadas para casos imperativos e o esporte é autorizado apenas por uma hora a menos de um quilômetro de sua casa. (Le Soir, Bélgica) | tinyurl.com/uyrptom

CHINA/CORONAVÍRUS. Wuhan e Hubei vão suspender o bloqueio, sinalizando a vitória da China sobre o COVID-19. A suspensão do bloqueio também é vista como um sinal importante de que o país obteve uma vitória nesta batalha, disseram especialistas médicos e observadores. Faz mais de dois meses que Wuhan, uma cidade com cerca de 11 milhões de habitantes mais atingida pela pandemia do COVID-19, foi completamente fechada, parte das medidas decisivas e agressivas da China para combater o novo e mortal coronavírus. (Global Times, China) | tinyurl.com/tvo77n5

3 - ARTIGOS/ENTREVISTAS

Eric Nepomuceno – Brasil (Página 12, Argentina) | “Brasil: crônica de um governo que desvaria” | tinyurl.com/uvohogg

Marisa von Büllow e Mariana Llanos – Brasil (El País, Espanha) | “Brasil: os limites e perigos de um presidente polarizador. Com mais confrontos e radicalização, desta vez, Bolsonaro pode ficar sozinho” | tinyurl.com/vpvsp99

Sérgio Trefaut
– Brasil (Público, Portugal) | “A gripezinha de Bolsonaro” | tinyurl.com/s22wlva

Marisa Matias
– Desigualdade (Esquerda.net, Portugal) | “Desigualdade em tempos de crise” | tinyurl.com/wb4bznr

Paul Krugman – EUA (The New York Times, EUA) | “Os Republicanos somam insulto à doença. Ganância, germes e a arte de não negociar”. | tinyurl.com/r7sll5h

Jorge Alemán – Coronavirus (Página 12, Argentina) | “Coronavírus: pandemia XXI” | tinyurl.com/qo4uf7k

Roman Frydman e Edmund S. Phelps –
Crise econômica (Project Syndicate, EUA) | “Assegurando a sobrevivência das economias no pos pandemia.” | tinyurl.com/uw7evby

Conteúdo Relacionado