Cartas do Editor

Navegue pelas editorias da Carta Maior

Esse é o nosso diferencial. Estamos convictos de que estimular a reflexão e a consciência política, por meio da abordagem de fundo de determinados temas, é uma das formas mais poderosas de luta contra a alienação e a imbecilidade reinantes na imprensa corporativa brasileira

02/08/2018 10:33

 

 
Criada em 2001, portanto, há dezessete anos Carta Maior reúne um acervo de altíssima qualidade que nem sempre nossos leitores conseguem acompanhar. Nós sabemos que a produção é vertiginosa, por isso, convidamos você neste texto a navegar pelas editorias e subeditorias que criamos ao longo desses anos de muito trabalho. É bom ressaltar que se trata de um breve resumo, porque Carta Maior possui um arquivo com mais de 280.000 texto, além de conteúdo em vídeo. Estou seguro que, ao clicar no nome das editorias ou subeditorias, você irá se surpreender com a qualidade desse material à disposição de todos. São elas:

Especiais

Existem 71 especiais publicados hoje na Carta Maior sobre política, internacional, cultura, meio ambiente, mídia, economia, cidades, princípios fundamentais, movimentos sociais. Como dossiês temáticos, criados ao sabor da conjuntura, eles são compostos por dezenas de artigos de pensadores e pesquisadores que conhecem a fundo os temas abordados.

Cartas do Editor

Ao contrário da mídia golpista que esconde seu caráter ideológico, Carta Maior jamais ocultou de seus leitores sua linha política. Nessa editoria, assinada por mim, semanalmente são abordados temas da conjuntura nacional e internacional, indicando o conteúdo reproduzido no site.

Editoriais

Assinados por Saul Leblon, os Editoriais da Carta Maior incidem sobre os principais acontecimentos políticos e sociais do país, apontando caminhos e alertando para os equívocos da conjuntura. Além dos editoriais, Saul Leblon também cuida do Twittão da Carta Maior, com mais de 4 milhões de acessos mês.

Política

Nesse breve resumo, nossa editoria de Política conta com 680 páginas de artigos e reportagens. São milhares de textos compondo um acervo desde 2003, que abrange toda era Lula e Dilma, passando pelo golpe e pela mediocridade do atual governo Temer. Após o golpe, acrescentamos novas subeditorias ao tema geral da Política, contemplando questões de última hora como as subeditorias de Soberania Nacional que corresponde ao ataque contra o Brasil perpetrado pelo golpe. Antifascismo para acompanharmos, com lupa, a onda conservadora que vem cobrindo o globo e suas conexões com o neoliberalismo. Luta no Campo, sobretudo agora, quando os interesses representados pelo golpe incidem sobre a água, a terra e nossas riquezas naturais. Histórias do Futuro, porque precisamos manter a esperança no Socialismo e estarmos atentos às experiências e visões de mundo que se apresentam como alternativas. Eleições, com análises sobre o que está em jogo no Brasil e no mundo. E, também, acrescentamos a esse tema geral da Política, a subeditoria Movimentos Sociais, com mais de 153 páginas destinadas a analises sobre a luta dos movimentos sociais. Um conteúdo de ponta desde 2001.

Economia

Nosso conteúdo de Economia está dividido em duas subeditorias. Economia Política, com mais de 254 páginas de conteúdo destinado à economia política no Brasil e no exterior. Um acervo de fundamental importância à compreensão das forças e interesses que movem o mundo. E, também, a subeditoria, criada neste ano, Poder e ContraPoder, com oito páginas de análises sobre a nova “Guerra Fria”, que tem como protagonistas as três maiores potências mundiais: Estados Unidos, China e Rússia, ainda nesta ordem.


Direitos Sociais

Nossa editoria de Direitos Sociais, criada em 2018, divide-se em três temas estruturantes: Saúde, Educação e Trabalho. Três pilares que sustentam a vida dos brasileiros e que se encontram em pleno ataque neste momento.

Direitos Humanos

A editoria de Direitos Humanos divide-se em três temas principais. Em Sociedade e Cultura abordamos as lutas pela civilidade, pelos direitos humanos e direitos civis relacionados às questões identitárias. Também inserimos a subeditoria Memória com as lutas que não podem jamais ser esquecidas. E a subeditoria Idades da Vida com reportagens e artigos sobre as várias etapas da vida – a infância, a juventude e a velhice – em que eu e boa parte dos nossos leitores nos encontramos.

Meio Ambiente

Em Mãe Terra, nossos leitores encontrarão mais de 121 páginas, com milhares de artigos, reportagens e entrevistas, desde 2003, sobre este que é o tema crucial do nosso tempo. Tão relevante que o Planeta Terra vem demonstrando dia após dia rejeitar de forma absoluta que não aceita mais o modelo econômico globalitário que domina o mundo.

Mídia

Ao abordarmos o tema Mídia, trabalhamos com duas subeditorias. A primeira, Mídia e Redes Sociais, com mais de 574 páginas de textos sobre a imprensa brasileira e internacional, constituindo um acervo excepcional sobre a defesa do neoliberalismo praticada pela mídia desde sempre. E CM8 Internacional, do qual já falamos anteriormente, mas faço questão de reiterar porque se trata de um serviço que oferecemos, por enquanto, a todos nossos leitores, gratuitamente todas as manhãs, de segunda à sexta e aos domingos. A partir das oito horas da manhã, você encontra no nosso site uma seleção do que há de melhor na imprensa internacional. Não saia de casa sem ler as principais manchetes internacionais selecionadas pelo economista e pesquisador Carlos Eduardo Silveira.

Justiça

Por conta do golpe, nós demos grande repercussão à pauta da Justiça na Carta Maior. Tanto que criamos uma subeditoria, Estado Democrático de Direito, que já conta com centenas de análises produzidas por especialistas da área evidenciando o ataque à democracia no país e os abusos explícitos de setores do Judiciário brasileiro. Recentemente lançamos a subeditoria de Segurança Pública e também contamos com a subeditoria Princípios Fundamentais.

Pelo Mundo

Nessa editoria reunimos Pelo Mundo, com mais de 556 páginas de cobertura internacional, análises, entrevistas e reportagens. Um acervo riquíssimo para os leitores-pesquisadores de Carta Maior. E criamos a subeditoria Cartas do Mundo escritas por intelectuais que vivem fora do Brasil. Essas cartas permitem ao leitor brasileiro acompanhar o que está acontecendo em 21 capitais do mundo que refletem a conjuntura de seus países. São elas: Amsterdã (Holanda), Assunção (Paraguai), Barcelona (Espanha), Berlim (Alemanha), Bogotá (Colômbia), Buenos Aires (Argentina), Pequim (China), Caracas (Venezuela), Cidade do México (México), Quito (Equador), Genebra (Suíça), Havana (Cuba), La Paz (Bolívia), Lima (Peru), Lisboa (Portugal), Paris (França), Manágua (Nicarágua), San Juan (Costa Rica), Santiago do Chile (Chile) e Washington (Estados Unidos). Sem dúvidas, uma forma de driblarmos a medíocre cobertura da conjuntura internacional realizada pela mídia brasileira.

Também criamos a subeditoria Cidades com doze páginas voltadas à dimensão local. Não importa se no Brasil ou no Japão, o modelo capitalista de produção e sua ideologia neoliberal, destruidora do meio ambiente, atinge a todos de forma avassaladora. Precisamos nos debruçar sobre esse tema porque as cidades serão em breve o espaço público a ser disputado.

Artes

Por fim, a editoria Arte, aliás, a nossa maior editoria, que conta com milhares textos publicados contemplando várias formas de expressão cultural e artística. Essa editoria conta com três subeditorias: Literatura, sobre lançamentos na poesia e prosa nacional. Leituras, um espaço exclusivamente destinado à divulgação de livros, com entrevistas e resenhas de obras imperdíveis. E Cinema, com mais de sete páginas repletas de resenhas de filmes políticos e de alta relevância cultural que precisam ser vistos e revistos. Filmes que trazem a verdade histórica dos fatos que conturbaram a vida das pessoas em todo o mundo.

É essa qualidade que torna Carta Maior um dos principais sites de divulgação do pensamento de esquerda e progressista. Qualidade que, sabemos, foi e continua sendo um instrumento importante para a formação política de milhares de leitores nossos ao longo desses 17 anos.

Esse é o nosso diferencial. Estamos convictos de que estimular a reflexão e a consciência política, por meio da abordagem de fundo de determinados temas, é uma das formas mais poderosas de luta contra a alienação e a imbecilidade reinantes na imprensa corporativa brasileira.

Nosso trabalho é hercúleo e demanda recursos, investimento em bons profissionais e dedicação exclusiva. Chegamos no nosso limite. Estamos todos, os quatro profissionais que compõem hoje a redação da Carta Maior, completamente esgotados, necessitando de reforços. Nossa trincheira pela conscientização política, pela democratização dos meios de comunicação e enfim, da democracia, não pode parar. Não há espaços para recuos neste momento. Carta Maior precisa caminhar.

Não consigo aceitar que depois de 17 anos de muita luta, inclusive nos governos do Partido dos Trabalhadores, sejamos destruídos sem mais nem menos. Tenho certeza que você não permitirá que isso ocorra. Quando afirmamos que com apenas R$ 1,00 por dia (R$ 30,00 mensais) você pode garantir a sobrevivência desse projeto, não é um exagero. É evidente que, se você puder contribuir com mais de 30,00 reais por mês, isso nos ajudará e muito. Seja um parceiro da Carta Maior (confira neste link, as várias possibilidades de doação) e nos permita continuar com este trabalho.

Agradeço a atenção e peço desculpas pelo tamanho do texto, mas era preciso falar, fazer com que você tomasse conhecimento das dificuldades que a redação vem enfrentando, sem esmorecer, ao contrário, caminhando para frente. Afinal, é caminhando que se faz o caminho.

Boas leituras,

Joaquim Ernesto Palhares
Diretor da Carta Maior



Conteúdo Relacionado