Cartas do Mundo

Carta de Berlim: Caso Lula - os coveiros da Justiça

 

30/01/2019 14:18

Enterro de Genival Inácio da Silva, o Vavá, irmão do ex-presidente Lula, no Cemitério de Pauliceia, em São Bernardo do Campo (Danilo M Yoshioka/Futura Press)

Créditos da foto: Enterro de Genival Inácio da Silva, o Vavá, irmão do ex-presidente Lula, no Cemitério de Pauliceia, em São Bernardo do Campo (Danilo M Yoshioka/Futura Press)

 

O que aconteceu com Lula diante da morte de seu irmão Vavá, é de espantar. Por duas séries de razões.

A primeira: é uma demonstração de soberba, imponência, vaidoso orgulho e orgulhosa vaidade, da juíza, do promotor, dos responsáveis na Polícia Federal, no Ministério da Justiça. “Somos capazes de tudo”. Estamos acima da lei, na medida  mesma em que ele, o “Objeto” da demanda de velar o irmão morto, está abaixo da lei. “Podemos invocar tudo”, prossegue a argumentação: “falta de helicópteros” (por que não o pediram ao Exército, ou ao Exército Israelense, tão préstimo? Neste último caso, poderiam pedir que fosse pilotado pelo próprio Benyamin Netanyahu, que certamente acorreria pressuroso!), “ameaça à segurança”, “manifestações em S. Bernardo”, etc. Tudo para protelar a decisão a ponto de impedir que o irmão sobrevivente pranteasse devidamente o irmão morto. Um caso de crueldade, tortura, iniqüidade, mas que deve trazer delíquios de prazer à caterva do Judiciário e alhures que deita e rola com a eleição de um líder de espírito fascista para a presidência da república do nosso pobre brasil.

Mas há a segunda, uma outra face da mesma moeda. O índice da soberba é o mesmo que mede o índice do pânico. O pânico de que Lula esteja ao ar livre. O pânico de que ele possa circular livremente, mesmo que cercado pelas milícias do abandono legal, pelos ares, praças e ruas do Brasil. Diante disto, somente  resta lançar mão dos argumentos mais sórdidos do ponto de vista jurídico, ou outro qualquer, para impedir esta imagem que é o pesadelo desta turma de proteladores da lei: Lula ao encontro do seu povo, imorredoura Presidência do Nosso Brasil.

Resta uma ideia, que já prevaleceu, por exemplo, aqui em Berlim, em Nuremberg: quando a História, e Lula derem a volta por cima, e darão, eles darão a volta por baixo. Sem volta. Esta é a raiz do pânico. 

Conteúdo Relacionado