Cinema

Nós, os confinados

Lançado na plataforma Vimeo, 'Me Cuidem-se - Um Filme-processo' sai na frente para refletir - em ambos os sentidos - sobre nossa vida no isolamento social.

02/04/2020 13:30

(Reprodução/Vimeo)

Créditos da foto: (Reprodução/Vimeo)

 

O primeiro filme sobre a quarentena do Covid-19 no Brasil já está no ar há alguns dias. Me Cuidem-se – Um Filme-processo dura 30 minutos e se apresenta como um work in progress rumo a um futuro longa-metragem. A iniciativa partiu dos cariocas Bebeto Abrantes e Cavi Borges, empenhados em produzir cultura dentro das limitações impostas pelo isolamento social. O filme vem sendo feito sem qualquer contato presencial entre personagens e equipe.



De suas casas em municípios do estado do Rio de Janeiro, oito pessoas compartilham angústias, ansiedades, reflexões, estratégias e pequenas sabedorias sobre o confinamento compulsório. A coreógrafa Regina Miranda, por exemplo, se filmou em exercícios corporais e comentando sua repentina conscientização da condição de idosa. No subúrbio de Del Castilho, um rapaz analisa o que o isolamento está mudando em sua percepção das coisas. Na Favela da Maré, uma jovem produtora cultural sofre com o distanciamento dos filhos. Em outra parte da cidade, um participante privilegiou sua rotina de manter a casa limpa e arrumada. Outro se aventurou fora de casa para entrevistar moradores de rua.



À medida que intercala essas autogravações, Me Cuidem-se vai se configurando como um filme-espelho de tudo o que passa pela nossa cabeça nesses dias de espanto e incerteza. De alguma forma, é também um filme-terapia que nos faz compreender o quanto estamos sós e ao mesmo tempo estamos unidos numa vasta coletividade virtual. O título "Me cuidem-se", cunhado por Bebeto, expressa bem essa realidade em que cada um de nós, ao cuidar bem de si, está cuidando bem de todos os que estão no seu raio de alcance. É uma questão de "solidãoriedade", diz ele em neologismo de sua lavra.

O filme se abre também para respiros alheios à simples exposição de realidades individuais. A atriz Patricia Niedermeier participa numa performance alusiva a respiração e reclusão corporal, pontos fulcrais da síndrome do novo coronavírus. Uma aflição que chega a seu ápice durante o pronunciamento desastrado do presidente inominável no dia 25 de março, acompanhado pelo eco dos panelaços e vozeiraços país afora.



A urgência com que esse projeto se concretizou e circulou, em questão de sete dias, anuncia um pouco do que será o modelo de produção cultural no futuro próximo. Precisaremos reinventar maneiras de produzir, consumir e nos relacionarmos num ambiente pouco propício ao contato pessoal. E, ainda assim, descobrirmos as formas possíveis de manter o sentido comunitário e exercer a solidariedade.



Conteúdo Relacionado