Cinema

O cinema por um mundo justo de um povo soberano

À disposição do público cinéfilo e das cidadãs e cidadãos que não esquecem a funesta data de hoje, os filmes do diretor Silvio Tendler e de vários documentaristas brasileiros neste dia de luto nacional

31/03/2021 13:06

(Reprodução)

Créditos da foto: (Reprodução)

 
''Neste 31 de março de 2021 completam-se 57 anos do golpe militar de 1964 que deu início a uma longa e tenebrosa noite de 21 anos. Foram anos de graves violações de direitos humanos, mortes, torturas, desaparecimentos, execuções, exílio, censura e humilhações contra os brasileiros.''

É assim que o Núcleo de Direitos Humanos do Departamento de Direito da PUC-Rio apresenta uma preciosa relação de documentários históricos dirigidos pelo cineasta carioca Silvio Tendler e vários diretores de cinema, seus companheiros. A iniciativa é assinada por João Ricardo Dornelles que acrescenta: ''No momento atual da nossa história forças retrógradas buscam negar fatos passados por meio de um revisionismo histórico.''

Vale lembrar que Tendler e seus colegas também documentaristas colocaram, generosamente, vários trabalhos de sua valiosa obra de resgate da História do Brasil, abertos, gratuitamente, ao público.

Os filmes disponíveis são:

*"O dia que durou 21 anos": t.co/3nVc2kv150

*"Cidadão Boilesen": t.co/YRbWGLxOcx

*"Dossiê Jango": t.co/NwYKbv0VuS

*"Jango": t.co/a7L8DHZQWK

*"Marighella": t.co/NnpHmgJelZ

*"Vlado": t.co/wrHUgqksja

*"Hércules 56": t.co/CYxrVD4WkR

Paulo Henrique Fontenelle, Chaim Litewski, João Batista de Andrade, Camilo Tavares, Silvio Da-Rin são os autores dos docs relacionados pelos estudantes de Direito da PUC-Rio. Lembramos de outros três filmes que igualmente podem ser vistos no youtube, gratuitamente: Advogados contra a ditadura, Militares que disseram não e Sonhos Interrompidos, de Tendler, que costuma sublinhar, nas nossas conversas por telefone e na sua sala do apartamento/escritório onde vive e trabalha, em Copacabana, sempre rodeado de sua fiel e entusiasmada equipe - seus amigos de longa data. ''O meu cinema se integra na luta maior para a construção de país justo de um povo soberano. Com Arte, Ciência, Paciência, perseverança mudaremos o Mundo.''

Uma bela mensagem para ser reforçada na funesta data de hoje convocando a todos nós a uma reflexão profunda e com o Manifesto (ver abaixo) ''O brasil que poderia ser e será - VACINA e RENDA DIGNA para todos'' - que se inicia com o seguinte registro:

''Jair Messias Bolsonaro, o genocida, defende o que de pior aconteceu durante a ditadura, que teve início em 1964 e durou 21 anos: sequestros, prisões, tortura, estupros, assassinatos''.

Para sempre lembrar. Nunca esquecer. E chamar os responsáveis a assumirem as conseqüências que um dia virão.











Conteúdo Relacionado