Cinema

Um jornalista que nunca se calou

Documentário de Emília Silveira, 'Callado' estréia nos cinemas do Rio e de São Paulo esta semana

17/01/2021 14:41

(Reprodução)

Créditos da foto: (Reprodução)

 
O longa-metragem Callado, de Emília Silveira  (diretora de Setenta e Galeria F), traz histórias sobre os grandes livros, principais reportagens e as inúmeras aventuras pelo Brasil e pelo mundo, do jornalista e escritor Antonio Callado, autor dos clássicos Quarup, Bar Don Juan e Reflexos do Baile.

Com estréia marcada em cinemas do Rio de Janeiro e São Paulo para a próxima quinta-feira, dia 21, Callado é uma biografia-ensaio sobre um dos maiores nomes da literatura brasileira. Sobre ele, escreveu o crítico de cinema Carlos Alberto Mattos na sua resenha Callado em viva voz: ''(...) era um homem de letras e de jornal impresso, o que impregna a matéria do filme. A diversidade e franqueza dos depoimentos complementam o perfil de um homem que, para vergonha de tantos jornalistas de hoje, nunca se calou''.

O documentário traz depoimentos da jornalista Ana Arruda, viúva de Callado, da filha Tessy Callado e, também, de jornalistas e escritores como Carlos Heitor Cony, Davi Arrigucci, Matinas Suzuki, Mauricio Stycer, Sérgio Augusto e Wilson Figueiredo.

Callado publicou 18 livros, uma biografia, nove peças de teatro, além de inúmeras reportagens, artigos e crônicas. Em 1994, foi eleito para a Cadeira 8 da Academia Brasileira de Letras.

O filme relata episódios marcantes da trajetória do jornalista e escritor: a cobertura radiofônica da Segunda Guerra Mundial desde Londres, para a BBC; a viagem ao Xingu para localizar os ossos do Coronel Percy Fawcett, e a ida, em fins dos anos 1960, ao Vietnã do Norte em luta contra os EUA. Ele ainda se engajou, no início da década de 60, na cobertura da luta pela reforma agrária no nordeste brasileiro a partir das Ligas Camponesas lideradas por Francisco Julião.

O filme transpõe para a tela a palavra escrita utilizando grafismos e efeitos visuais para se aproximar da obra de um dos mais importantes escritores brasileiros no século XX. Um mestre tanto da ficção como do jornalismo literário. Homem de muitas lutas, algumas ganhas e outras perdidas, que buscou um país mais justo e solidário.

Callado acreditou no mito de um Brasil voltado para suas origens e acolhedor com os índios e os negros. Pensava que, parafraseando Euclides da Cunha, ''... o nordestino é antes de tudo um forte...'' e que seríamos uma terra mestiça e feliz.

Morreu trabalhando, sem ver seus sonhos realizados.

Quarup é um livro essencial para a formação da minha geração”, diz Emilia Silveira. “A decisão dele de ir buscar junto aos índios, aos camponeses e aos militantes contra a ditadura a inspiração para seus romances fez do Callado uma referência na literatura brasileira. Ele sempre teve uma grande paixão pelo Brasil e ler a sua obra nos ajuda a entender melhor os nossos dias, o nosso tempo”.

Destaca, também, suas obras de sucesso que atravessaram a metade do século XX e, hoje, representam um alerta para os males da nossa época.

Jornalistas que conviveram com Callado, amigos, a viúva, Ana Arruda e a filha, Tessy, enfrentam no filme o desafio de explicar quem foi Antonio Callado. ''Mas, no final, ficamos com uma dúvida. Talvez, o verdadeiro Callado não seja esse que pensamos conhecer, da vida real, mas aquele que vive preso dentro dos seus livros e que só a imaginação dos leitores pode libertar'', conclui Emília.

*Com informações da 70 Filmes Produções Artísticas





Conteúdo Relacionado