Clipping Internacional

Clipping Internacional - 01/03/2021

Notícias internacionais sobre o Brasil; Notícias do Mundo; e Artigos

01/03/2021 09:40

(Bruno Kelly/Reuters)

Créditos da foto: (Bruno Kelly/Reuters)

 
1. NOTÍCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O BRASIL

CRISE NA SAÚDE/Para Bolsonaro 250 mil mortos não é crise da saúde; “a saúde sempre teve problemas”, disse. Bolsonaro desvaloriza situação crítica do sistema de saúde brasileiro. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro desvalorizou este domingo a situação crítica que vive o sistema de saúde no Brasil por causa da pandemia, dizendo que "a saúde sempre teve os seus problemas". Bolsonaro, um dos líderes mundiais mais céticos sobre a gravidade da pandemia de Covid-19, que chegou a apelidar de "gripezinha", usou o Twitter para insistir na crítica às medidas de confinamento para combater a crise sanitária. O Brasil é um dos países mais afetados pela pandemia em todo o mundo, com mais de 255 mil mortes com Covid-19 e 10,5 milhões de contágios, tendo completado no sábado a contagem de cinco dias consecutivas com mais de 1300 mortes diárias. (Diário de Notícias, Portugal; Jornal de Notícias, Portugal; El País, Uruguai) | bit.ly/3bPMGt1 | bit.ly/2NTjjOm | bit.ly/3kxzA7y

VACINAÇÃO/A batalha pela vacinação, até agora, derrotas. O governo Bolsonaro é criticado pela lentidão da vacinação. A situação da saúde está se deteriorando a ponto de a OMS se referir a uma "tragédia". Um epidemiologista acredita que o Brasil "perdeu a batalha". Na semana passada, Manaus, a capital amazônica, duramente atingida pela pandemia, recebeu a entrega de 2 mil vacinas. Ela esperava muito mais. Na verdade, as 78 mil doses prometidas foram enviadas para o estado do Amapá, vizinho Guiana. O erro foi corrigido rapidamente. “Isso é apenas uma anedota, mas manchou a imagem do Ministro da Saúde [Nota do editor: General Eduardo Pazuello, tem fama de especialista em logística] (Les Echos, França) | bit.ly/2ZXWueW

PANDEMIA/ Brasil semiparalisado pelo coronavírus: pandemia recupera força e restrições crescem. e a situação dos sistemas de saúde em metade do país é crítica, pois as Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) estão prestes a estourar sua capacidade. O Brasil está semiparalisado. Metade do país trabalha em meados de março depois que vários estados aplicaram novas medidas para restringir a mobilidade e evitar um colapso do sistema de saúde diante do forte avanço da pandemia que não dá trégua no gigante sul-americano. Os toques de recolher à noite e nas primeiras horas da manhã e o fechamento total dos estabelecimentos comerciais, exceto aqueles que prestam serviços essenciais, começaram a ser aplicados com força neste final de semana em 13 dos 27 estados do país. (El Clarín, Argentina) | bit.ly/2MGH9MY

MILITARES/A presença de militares em cargos chaves do governo federal dobrou em dois anos. O número de militares em cargos de chefia na administração pública brasileira dobrou durante a presidência de Jair Bolsonaro. Além do Ministério da Defesa, que costuma abrigar integrantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, ministérios como Saúde e Meio Ambiente tiveram avanços significativos. Entre janeiro de 2019 e setembro de 2020, passou de 188 para 342 militares em cargos de alta remuneração. (Página 12, Argentina) | bit.ly/3q6EKIQ

PANDEMIA/STF determina que governo federal reative leitos desativados em Estados. À beira do colapso: Rosa Weber determina que governo federal reative leitos de UTI em 3 estados. A ministra do STF Rosa Weber determinou que o Ministério da Saúde custeie a reabertura de leitos de UTI para pacientes com Covid-19 nos estados de São Paulo, Maranhão e Bahia. A decisão atende aos pedidos dos estados, que entraram com ações no STF argumentando que o governo federal desativou leitos de UTI para a Covid-19 desde janeiro. Em sua decisão, a ministra Rosa Weber destacou que "o momento atual vem se mostrando ainda mais desafiador diante das evidências científicas de novas cepas, mutações e variantes do coronavírus", acrescentando que não é "cientificamente defensável" diminuir a quantidade de leitos em um momento de alta no número de casos de coronavírus. (Sputnik News, Rússia) | bit.ly/3e9ZRYL

INDÍGENAS/Morte de indígenas idosos provoca perda da memória dos povos. 'Bibliotecas' perdidas: indígenas do Brasil lamentam a morte de idosos por Covid. Cerca de 970 indígenas brasileiros morreram desde o início da pandemia da Covid-19, segundo apuração da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), a maior associação indígena do país, que representa muitos dos 900 mil indígenas do país. Pelo menos 223 dos que morreram tinham 60 anos ou mais - mas esse número pode ser maior, já que a APIB não conseguiu registrar a idade da maioria das vítimas, mostram os dados. Quando a pandemia do coronavírus atingiu o Brasil dois meses depois e começou a reivindicar muitos líderes indígenas, ele percebeu que havia registrado alguns deles pela última vez - e que qualquer outro conhecimento não registrado ou transmitido às gerações mais jovens foi perdido para sempre. (Global Times, China) | bit.ly/3bPMIB9

LULA/Dilma afirma que há muitas razões para anular julgamento de Lula. A ex-presidente Dilma Rousseff afirmou que muitos são os motivos hoje para o STF do Brasil anular o processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e restaurar seus direitos políticos. O tribunal superior "tem uma grande oportunidade de reescrever sua trajetória de omissão diante dos ataques à democracia e assumir plenamente a condição de tribunal constitucional, contendo e punindo o maior escândalo judicial da história", disse Dilma Rousseff. Na presença de outros políticos, lideranças de movimentos sociais e artistas, o ex-governador insistiu que não haverá justiça nem democracia no Brasil até que seja cancelada a 'perseguição brutal' da desativada operação Lava Jato contra o fundador do Partido dos Trabalhadores e reparado. (Últimas Notícias, Venezuela) | bit.ly/3b2BN7S

2. NOTÍCIAS DO MUNDO

COLÔMBIA/No país, defender os direitos humanos se paga com a vida. A vida dos ativistas sociais colombianos nunca esteve tão em risco como nos últimos anos. O Estado tarda em reocupar as regiões abandonadas pelas FARC e deixam as populações desprotegidas. Paradoxalmente, o aumento das ameaças ao ativismo social na Colômbia coincide com a assinatura do acordo de paz entre o Estado e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), em 2016, que pôs fim a um conflito com mais de meio século. Com o desarmamento dos guerrilheiros e a saída de batalhões de centenas de combatentes de áreas antes ocupadas foi deixado um enorme território que, pela primeira vez em décadas, o Estado poderia voltar a controlar. (Público, Portugal) | bit.ly/3e53TBg

CHILE/’Estratégia pragmática’ faz Chile emergir como líder na vacinação contra o Covid. O Chile administrou mais de 3,1 milhões de doses de vacina em apenas três semanas para emergir como um líder global em inoculações de Covid-19, atrás apenas dos EUA, Reino Unido, Emirados Árabes Unidos e Israel em doses de vacinação por 100 pessoas. O sucesso da campanha de vacinação contrasta fortemente com os países vizinhos. A taxa de vacinação do Chile de 16,78 doses por 100 pessoas supera em muito a média regional de 2,83. O Brasil, cujo presidente, Jair Bolsonaro, classificou o vírus como uma “pequena gripe”, até agora conseguiu vacinar 3,67% de sua população - mas superou outro marco sombrio esta semana com 250.000 mortes de Covid-19 registradas. (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/3bRsZku

EUA/ Trump quer republicanos que votaram pelo seu impeachment fora do partido Republicano. Depois de dias insistindo que poderiam encobrir suas divisões intrapartidárias, os legisladores republicanos foram recebidos com um lembrete sombrio do desafio à frente no domingo, quando o ex-presidente Donald J. Trump se apresentou diante de uma conferência conservadora e listou ameaçadoramente os nomes dos republicanos que ele almeja derrotar. Trump teve especial cuidado em destacar a deputada Liz Cheney, a terceira republicana da Câmara, e o senador Mitch McConnell, o líder da minoria. (The New York Times, EUA) | nyti.ms/3kALa24

COPA DO MUNDO/Obras em Catar causaram 6.500 mortos de trabalhadores migrantes. 6.500 trabalhadores migrantes morreram no Catar desde sua eleição para comemorar a Copa do Mundo de 2022. Esta investigação revela o falecido envolvido na construção e outros trabalhos enquanto o país do Golfo continua os preparativos para o torneio. No entanto, não inclui os imigrantes de todos os países ou os mortos nos últimos meses de 2020. (El Diário, Espanha) | bit.ly/3b55GV7

MIANMAR/Dia mais violento na repressão a manifestações: 18 mortos. O Escritório de Direitos Humanos da ONU em Genebra denunciou que 18 pessoas morreram neste domingo em Mianmar no dia mais violento e sangrento dos protestos contra o golpe ocorrido em 1º de fevereiro e contra a junta militar que agora governa o país. Segundo o Escritório da ONU, que cita "informações credíveis recebidas por este departamento", além das mortes, 30 pessoas ficaram feridas, de gravidade variada, no que é uma escalada da repressão policial e do Exército contra os manifestantes. (El País, Espanha) | bit.ly/300FW67

EL SALVADOR/ Nayib Bukele consolida seu poder com uma vitória sem precedentes. Os primeiros resultados confirmam o surgimento do partido Novas Ideias com um número de deputados sem precedentes que lhe permitirá controlar instituições importantes. O presidente Nayib Bukele alcançou uma vitória retumbante nas eleições legislativas neste domingo, ganhando 65% dos votos. (El País, Espanha) | bit.ly/3dTzEgN

HAITI/Autoritarismo e repressão crescem no Haiti. A discussão sobre o fim do mandato constitucional de Jovenel Moïse voltou a incendiar o Haiti. Enquanto isso, o presidente assume uma tendência autoritária e repressiva. Por trás dessa crise, há um controle crescente do território haitiano por gangues armadas, com a cumplicidade do governo e um estado do tipo mafioso. A situação no Haiti é caracterizada por uma dupla impostura: a de um presidente, Jovenel Moïse, que ainda se declarava presidente do país quando seu mandato terminou em 7 de fevereiro de 2021, e a de uma comunidade internacional representada essencialmente pelos Estados Unidos, que apoia o caminho de uma nova ditadura no Haiti. (La Diaria, Uruguai) | bit.ly/3r5vtCj

3. ARTIGOS/ENTREVISTAS

Vanessa Barbara – Brasil/Vacinação (The New York Times, EUA) | “O Brasil é brilhante em vacinas. Então, o que deu errado desta vez?” | nyti.ms/2NHLHmR

Emir Sader – Brasil (Página 12, Argentina) | “Lula e PT, duas obsessões da direita brasileira” | bit.ly/3uIF6cs

Gaspard Estrada – Brasil (The New York Times, EUA) | “Operação Lava-Jato não foi bala de prata.” | nyti.ms/3b55HIF

Minouche Shafik – Meio Ambiente (The Guardian, Inglaterra) | “Covid e a crise climática mostram porque precisamos de um novo contrato social entre velhos e jovens” | bit.ly/3r6FaAt

Etan Thomas – Esportes (The Guardian, Inglaterra) | “O ataque de Ibrahimovic a LeBron James ecoa a hipocrisia da direita norte-americana” | bit.ly/2O94XcA

Eduardo Aliverti – Argentina (Página 12, Argentina) | “O vazio da oposição marcha e a necessidade de não se confundir” | bit.ly/3b4QrvC

Mempo Giardinelli - Argentina (Página 12, Argentina) | “Lobos à solta sempre matam” | bit.ly/37Y8dhQ

Ramiro Fernández Patri - Argentina (Página 12, Argentina) | “O uso político da pandemia e Justiça” | bit.ly/3uGKmgD

Elizabeth Anderson – Neoliberalismo (The Nation, EUA) | “O Sistema Quebrado. O que vem depois da meritocracia?” | bit.ly/3pPLJpt

Thalif Deen – Paraísos Fiscais (Other News, Itália) | “Lavagem de dinheiro: o lado sombrio do sistema financeiro offshore do” | bit.ly/2OftJYo



Conteúdo Relacionado