Clipping Internacional

Clipping Internacional - 13/11/2020

Notícias internacionais sobre o Brasil; Notícias do Mundo; e Artigos

13/11/2020 09:43

Em um asilo próximo de Veneza, na Itália, uma mulher abraça a filha por meio de um plástico protetor contra o coronavírus (Piero Cruciatti/AFP)

Créditos da foto: Em um asilo próximo de Veneza, na Itália, uma mulher abraça a filha por meio de um plástico protetor contra o coronavírus (Piero Cruciatti/AFP)

 
1 - NOTÍCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O BRASIL

BOLSONARO. Enquanto muitas nações já parabenizaram o presidente eleito dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, o Brasil prefere aguardar o resultado dos recursos feitos por Donald Trump. Ao mesmo tempo, o presidente Jair Bolsonaro continua chamando atenção do mundo por suas frases de efeito. “Esta situação é a tradução de um crescente isolamento internacional do Brasil no mundo. Com a chegada de Bolsonaro, em 2019, a nova política do governo brasileiro foi de apostar tudo nesta relação familiar entre Jair Bolsonaro e Donald Trump. E de fazer desta submissão unilateral do Brasil aos Estados Unidos o eixo fundamental da política externa brasileira”, analisa Gaspard Estrada da Universidade Sciences Po, de Paris. (RFI, França) | bit.ly/2IwzgY3

BOLSONARO. Bolsonaro afirma que o suposto suicídio pode ser um "efeito colateral" da vacina. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse que o suposto suicídio de um voluntário nos testes da vacina chinesa contra o covid-19 poderia ser um "efeito colateral" do antígeno. O chamado Coronavac está sendo testado no Brasil por meio de uma parceria entre a Sinovac e as autoridades do estado de São Paulo, João Doria, o adversário mais acirrado do Bolsonaro no campo conservador. (La Vanguardia, Espanha; El Diário, Espanha) | bit.ly/3eZTPIy | bit.ly/3lyjtGE

GOVERNO BOLSONARO. O ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, afirmou que se o país sofrer uma segunda onda de coronavírus, quando ainda não saiu da primeira, será renovada a ajuda financeira aos mais pobres, que em princípio termina no final do ano. O pronunciamento do ministro, que contempla a possibilidade de uma segunda onda da pandemia no país, de alguma forma contradiz a posição do presidente Jair Bolsonaro, que esta semana reclamou publicamente e claramente exaltou aqueles que "assustam" a sociedade com um possível agravamento da crise de saúde. (La Vanguardia, Espanha; el Diário, Espanha) | bit.ly/3f8aWIh | bit.ly/38GdDQ4

BOLSONARO. Bolsonaro ameaça demitir de seu governo qualquer pessoa que se proponha a expropriar terras. O presidente do Brasil garantiu que punirá essas ações já que "a propriedade privada é sagrada" e isso só acontece em "países socialistas e comunistas". (El Periódico, Espanha) | bit.ly/3kv6NPk

GOVERNO BOLSONARO. O presidente do Brasil prometeu mudança econômica. Agora ele está assinando auxílio emergencial para o Covid-19. Quando o presidente do Brasil Jair Bolsonaro assumiu o cargo no ano passado, ele entregou o controle da economia para Paulo Guedes, um banqueiro de investimentos formado na Universidade de Chicago que prometeu privatizações e cortes para corrigir anos de gastos excessivos da esquerda política. Esse era o plano. Em seguida, a pandemia Covid-19 atingiu. O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que a onda de gastos deve acabar para salvaguardar as finanças do país. (The Wall Street Journal, EUA) | on.wsj.com/36B171g

ELEIÇÕES. Neste domingo, ocorrerão as eleições municipais no Brasil, as primeiras eleições a serem realizadas no país após a posse de Jair Bolsonaro como presidente, em janeiro de 2019. A pandemia Covid-19 e a crise económica enquadram estas eleições, nas quais se espera uma baixa participação, apesar de o voto ser obrigatório. (La Diária, Uruguai) | bit.ly/3luijfn

ELEIÇÕES. As eleições municipais não devem repetir onda “bolsonarista” de 2018. As apostas do Presidente brasileiro para as principais cidades parecem estar destinadas ao fracasso. Mas os seus adversários de direita podem ter um bom dia. (Público, Portugal) | bit.ly/3eYebBD

ELEIÇÕES/TRANS. Brasil, país mais transfóbico do mundo, bate recorde de candidaturas de pessoas trans. A gigante sul-americana tem três vezes mais candidatos trans, homens e mulheres, do que há quatro anos. (El País, Espanha) | bit.ly/2UpTu8s

ELEIÇÕES/MILÍCIAS. Nos territórios das milícias cariocas, uma campanha é baseada no medo. Um dos três moradores do Rio de Janeiro vive com um pequeno grupo de milícias, que intimidam os moradores a votarem em seus candidatos. Em grande parte do Rio de Janeiro está em curso uma campanha eleitoral criminosa, promovida pelas milícias que controlavam os bairros internos. Agora, seus elementos estão prestes a entrar na política, mantendo populações internas sobre o sequestro. (Público, Portugal) | bit.ly/32Gwjem

ELEIÇÕES/BOLSONARO. Eleições municipais no Brasil. Bolsonaro usa lives oficiais para fazer campanha por filho e aliados. Rivais dos protegidos do presidente queixam-se do uso do Palácio do Alvorada como sede de uma espécie de tempo de antena clandestino. O filho Carlos Bolsonaro, os candidatos a São Paulo e Rio alinhados ao governo, e até um político da pequena Toritama vêm sendo promovidos. (Diário de Notícias, Portugal) | bit.ly/3pqutbp

COVID-19. Brasil reporta 544 mortos e mais de 48 mil novos casos. O Brasil reportou esta quarta-feira 544 mortes e 48.331 novos casos de Covid-19, num momento em que o Ministério da Saúde ainda não conseguiu reparar totalmente um erro técnico que afeta a monitorização dos dados da doença. Assim, e tendo em conta que os números são parciais, o Brasil totaliza 163 373 vítimas mortais e 5 748 375 casos de infeção desde o início da pandemia, registada oficialmente no país em 26 de fevereiro. (Diário de Notícias, Portugal; El Periódico, Espanha ) | bit.ly/3eUbH7x | bit.ly/3lscgbe

ECONOMIA. A estatal brasileira Eletrobrás, maior empresa de eletricidade da América Latina, teve um lucro líquido nos primeiros nove meses do ano de 5.000 milhões de reais (cerca de 925,9 milhões de dólares), o que representa 34,4% a menos em relação ao mesmo período de 2019. O resultado foi impactado pela redução da receita com geração de energia e pela queda dos preços no mercado livre em função da pandemia do coronavírus. A Eletrobras, em processo de privatização, atua nos segmentos de geração, transmissão e comercialização de energia elétrica, com seis subsidiárias. (La Vanguardia, Espanha) | bit.ly/3ps5QuU

2 - NOTÍCIAS DO MUNDO

ARGENTINA. Rejeitada por várias âmbitos a criação de uma organização de reunião composta por ex-militares e policiais. Múltiplas reações adversas geraram na Argentina o lançamento da chamada Mesa Geral de Libertação San Martín, uma organização composta em sua grande maioria por ex-militares e policiais. O ministro da Defesa, Agustín Rossi, afirmou que a organização tem como objetivo "conspirar, desestabilizar e desgastar" o governo. (La Diária, Uruguai) | bit.ly/3kuKE3G

ARGENTINA. Argentina legaliza autocultura de maconha para uso medicinal. O decreto presidencial também regulamenta a venda de óleo de cannabis em farmácias. (El País, Espanha) | bit.ly/3lvshgj

BOLÍVIA. Luis Arce nomeia o advogado de Evo Morales como novo procurador-geral da Bolívia. O ex-ministro Wilfredo Chávez prometeu que durante seu trabalho fará uma "firme defesa dos interesses do Estado". (El Mercurio, Chile) | bit.ly/3kAeDHO

CHILE. Assim, o governo Nixon favoreceu o golpe no Chile. A NSA divulgou transcrições de palestras e notas que recontam a estratégia implementada pelos Estados Unidos para desestabilizar o líder socialista: "Se há uma maneira de derrubá-lo, deve ser feito". O papel dos Estados Unidos no golpe de Pinochet no Chile já está claro: não se trata mais de hipóteses, prováveis teses sustentadas por uma crença dominante durante e após os 17 anos da mais feroz ditadura militar do século passado. Está escrito a preto e branco. Isso é confirmado por milhares de documentos, transcrições, notas, brochuras, indicações, sugestões que fazem parte do arquivo "Política no Chile". (La Repubblica, Itália) | bit.ly/2Un0K4K

PERU. A extrema direita ultraconservadora assumiu o governo peruano após a queda de Martín Vizcarra. A equipe ministerial é formada por pessoas com perfil ultraconservador. A equipe ministerial é formada por pessoas de perfil ultraconservador, várias delas ligadas ao fujimorismo e ao Partido Aprista do ex-presidente Alan García, que estiveram no governo e estiveram envolvidas em graves escândalos de corrupção e violações dos direitos humanos. O novo primeiro-ministro foi acusado de racismo e o ministro da Defesa foi denunciado por defender esquadrões da morte. (Página 12, Argentina) | bit.ly/2IzW5dn

PERU. Massivas marchas por todo o Peru em rejeição ao governo de Manuel Merino. Peruanos protestam contra o impeachment do presidente Martin Vizcarra. O novo chefe de Estado, Manuel Merino, até então Presidente do Congresso, é contestado nas ruas, mas também nos meios intelectuais. (El Diário, Espanha; Le Monde, França) | bit.ly/35sRZMV | bit.ly/2IrhJkm

CHINA. O Ministério das Relações Exteriores da China na sexta-feira estendeu os parabéns do país a Joe Biden e Kamala Harris, e disse que a China respeita a escolha dos americanos, em uma atitude que analistas chineses demonstram o maior respeito da China pelas leis, regras eleitorais, todos os partidos e eleitores dos EUA enquanto os parabéns dos principais líderes nacionais da China serão enviados assim que os resultados oficiais forem divulgados. (Global Times, China) | bit.ly/2Iwzhez

EUA. De acordo com uma nova pesquisa, 70% dos republicanos não acreditam que a eleição presidencial foi “livre e justa”. Donald Trump e seus partidários continuam a alegar tais problemas, sem oferecer qualquer evidência de fundamentação. 78% dos republicanos que alegaram injustiça disseram que as cédulas pelo correio estimulavam a fraude, enquanto 72% acreditavam que ocorreram adulterações nas cédulas. Mas democratas expressaram confiança na eleição, 90% dizendo que os resultados foram "livres e justos", 52% a mais que na pesquisa pré-eleitoral. (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/2IwCOJQ

EUA. Trump flutua em cenários de sobrevivência improváveis enquanto pondera sobre seu futuro. Não existe uma grande estratégia. O presidente Trump está simplesmente tentando sobreviver de um ciclo de notícias a outro. Surgem pequenas rachaduras no Partido Republicano. O presidente Trump mantém um controle poderoso sobre seu partido, mas um número crescente de representantes eleitos e líderes partidários republicanos tem sinalizado que só aceitarão suas teorias de conspiração por algum tempo. (The New York Times, EUA) | nyti.ms/38CfqFG | nyti.ms/3ktxNPo

EUA/UBER. Um golpe nos direitos dos trabalhadores na Califórnia. Os democratas varreram aquele estado, mas em referendo votaram a favor de empresas como a Uber, que alcançou o objetivo de cortar os direitos de seus empregados. Empresas como a Uber gastaram 200 milhões de dólares na campanha bem-sucedida para aprovar a Proposta 22, que considera seus trabalhadores "contratados independentes". Os advogados trabalhistas veem a mudança como um grande golpe para o progresso recente em consagrar proteções legais para os trabalhadores da plataforma, incluindo não apenas motoristas do Uber e outras empresas, mas também vários freelancers, como escritores e músicos. (La Diária, Uruguai) | bit.ly/3kr5am0

ECONOMIA POS PANDEMIA. Impostos sobre a riqueza, lucros offshore e grandes empresas de tecnologia para responder à pandemia. Um relatório da organização Transnational Institute reúne propostas de financiamento para enfrentar a crise globalmente. "O mundo enfrenta uma série de crises profundas", para as quais "a pior resposta" seria "políticas de austeridade que falharam no passado", diz o pesquisador Ben Tippet, autor do relatório "Como pagar pela pandemia e um apenas transição ”. Neste estudo são feitas dez propostas para a obtenção de recursos que possam dar uma resposta a essa crise no mundo.(La Diária, Uruguai) | bit.ly/32H5aYQ

CORONAVÍRUS. Em 24 horas, foram mais de 10 mil mortes por coronavírus no mundo. Sem contar as possíveis correções ou modificações por parte das autoridades sanitárias, esta é a primeira vez, desde o início da pandemia, que se atinge a cifra simbólica de 10.000 mortes em 24 horas. Cerca de metade (4.961) dessas mortes (10,10) foram registradas na Europa, 1.868 na América Latina e Caribe e 1.330 nos Estados Unidos, país que registrou o maior número de mortes em 24 horas. (La Jornada, México) | bit.ly/3eUt0Fs

HONG KONG. A recusa de Donald Trump em conceder a eleição presidencial dos EUA ganhou algum apoio distante em Hong Kong e Taiwan, onde um número pequeno, mas barulhento, de pessoas espera por sua vitória final. A tentativa do presidente dos Estados Unidos de se agarrar ao poder aguçou as divisões internas no movimento ‘pró-democracia’ de Hong Kong sobre seus laços com o Partido Republicano dos Estados Unidos e gerou uma onda de mordacidade contra jornalistas que relatam ou comentam o voto nos Estados Unidos. (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/3ltom3N

3 - ARTIGOS/ENTREVISTAS

Verónika Mendoza – Peru (El Diário, Espanha) | “Com um governo ilegítimo como o que foi imposto, existe um grande risco de que a violência estatal volte” | bit.ly/2GYCEdL

Maria Luiza Mendonça, entrevista – Brasil (Democracy Now, EUA) | “O aliado de Trump, Bolsonaro, recusa a admitir a vitória de Biden e minimiza a Covid, enquanto o total de mortos aumenta.” | bit.ly/3kmKwDu

Emir Sader – Brasil (El Diário, Espanha) | “O que é Bolsonaro sem Trump?” | bit.ly/3pB8crE

Juan Triana, entrevista – Cuba (El País, Espanha) | “Cuba deve aproveitar a vitória de Biden ” | bit.ly/35sgaLy

Aditya Chakrabortty – EUA (The Guardian, Inglaterra) | “Donald Trump perdeu a eleição - mas o trumpismo veio para ficar” | bit.ly/3luXHDN

Michael Goldfarb – EUA (The Guardian, Inglaterra) | “Trump não foi um acidente. E o país que o fez ainda está aí.” | bit.ly/38GSSUm

Javier Cachés – EUA (Página 12, Argentina) | “O desafio de Biden: unir o arquipélago das facções do Partido Democrata” | bit.ly/3ngG4ry

Paul Krugman – EUA (The New York Times, EUA) | “Um Senado Republicano seria ruim para os negócios. E o que é ruim para os EUA seria ruim para as empresas também.” | “Unyti.ms/2Uvp44t

Mu Lu – Vacina (Global Times, China) | “A politização da vacina por West prejudica seus esforços antivírus” | bit.ly/3kuczB0

Amy Goodman e Denis Moynihan – EUA (Democracy Now, EUA) | “Causas perdidas. Da Confederação a Trump” | bit.ly/36ynWTp

Grace Blakeley - EUA/Reino Unido (Jacobin, EUA) | “O ‘extremo’ centro está travando uma guerra contra a esquerda” | bit.ly/3lu9GRY

Gianni Cadopi – Desigualdade (Sinistra in Rete, Itália) | “Luta contra a pobreza e a desigualdade na China. Uma resposta a Thomas Piketty” | bit.ly/2Ix2llZ



Conteúdo Relacionado