Clipping Internacional

Clipping Mundo - 01/04/2021

Notícias internacionais sobre o Brasil; Notícias do Mundo; e Artigos

01/04/2021 09:05

Apoiadores do governo em manifestação de apoio nesta quarta, 31 de março de 2021, no Rio de Janeiro (Antonio Lacerda/EFE)

Créditos da foto: Apoiadores do governo em manifestação de apoio nesta quarta, 31 de março de 2021, no Rio de Janeiro (Antonio Lacerda/EFE)

 
1. NOTÍCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O BRASIL

BOLSONARO/Crescem os pedidos para a saída do ‘cultor de golpe’ Bolsonaro à medida que a crise se instala. Os líderes da oposição exigem o impeachment pelo que consideram uma tentativa ilegal do presidente de cooptar as forças armadas do país. Líderes proeminentes da oposição brasileira pediram que o presidente Jair Bolsonaro seja imediatamente destituído do cargo para evitar que seus "delírios golpistas e autoritários" se tornem realidade. “Há uma tentativa aqui do presidente de conseguir um golpe - já está em andamento - e é por isso que estamos reagindo”, afirmou Alessandro Molon, líder da oposição na Câmara, no momento em que o pedido de impeachment foi apresentado à Congresso. (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/3whEJpV

COLAPSO NA SAÚDE/ O colapso se espalha por todo o país. Situação dramática nos hospitais do Brasil devido ao coronavírus: ocupação ultrapassa 90% na maioria dos estados. A situação no Brasil devido à pandemia é tão grave que a ocupação média dos hospitais em quase todo o país ultrapassa 90 por cento. Na última semana, o colapso se aprofundou em Brasília e em 17 outros estados. O colapso foi confirmado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), órgão vinculado ao Ministério da Saúde do Brasil. Em seu relatório, ele indica que a situação é pior do que há duas semanas, quando eram 15 estados, os mais populosos, com todos os números em vermelho. Esse estado de coisas agrava a situação, pois além de haver pacientes Covid-19 que morreram enquanto esperavam por uma cama, existe o risco de escassez de suprimentos hospitalares necessários para intubações. (Página 12, Argentina; Esquerda.net, Portugal) | bit.ly/31CNPPX | bit.ly/39PYwmX

NEGACIONISMO/ Bolsonaro rejeita isolamento social e quer volta ao trabalho normal. O presidente do Brasil criticou nesta quarta-feira as medidas que buscam restringir os movimentos da população em face da pandemia do coronavírus e garantiu que "a fome mata muito mais do que o próprio vírus". Bolsonaro expressou seu ponto de vista em comparecimento a jornalistas, sem aceitar questionamentos, enquanto o país registrava na terça-feira um novo recorde diário no número de mortes por covid-19, de 3.780 mortes. Bolsonaro disse que as ordens das autoridades estaduais e municipais no sentido de pedir à população que ficasse em casa "extrapolam o estado de sítio", medida especial que só pode ser autorizada pelo Legislativo. (El Diário, Espanha; Página 12, Argentina; Últimas Notícias, Venezuela) | bit.ly/3wfUgGF | bit.ly/39xVQKs | bit.ly/31CNQDv

GOVERNO BOLSONARO/ Novo ministro da Defesa do Brasil abre exaltando o golpe de 1964. Somada à convulsão política devido à saída abrupta dos comandantes das Forças Armadas após uma grande reforma ministerial, está a catástrofe do coronavírus. Enquanto isso, o presidente Jair Bolsonaro mantém seu negacionismo. Nesta quarta-feira, ele insistiu que a prioridade é ir trabalhar. E, segundo ele, para autoritários, prefeitos e governadores, que adotam restrições para conter o vírus que envolvem "extrapolar o estado de sítio", como declarou após reunião com o gabinete de crise da pandemia. Ele não se referiu ao golpe. E não tem permitido perguntas. (El País, Espanha; El Diário, Espanha; El Periódico, Espanha; El Mundo, Espanha; La Diaria, Uruguai; El Clarín, Argentina; The Independent, Inglaterra; The Sydney Moring Herald, Austrália ) | bit.ly/3whK7cu | bit.ly/2PtM453 | bit.ly/2QTgpKS | bit.ly/3uhMwCr | bit.ly/3mbKLnj | bit.ly/3wr1cB9 | bit.ly/3wgZC4w | bit.ly/31CNKvD

GOVERNO BOLSONARO/ O novo chanceler brasileiro terá que pensar pequeno e focar na contenção de danos. A nomeação de Carlos França como sucessor de Ernesto Araújo à frente do Itamaraty é um claro sinal de que o presidente Jair Bolsonaro e seu filho Eduardo - os dois principais atores da política externa brasileira - não pretendem permitir uma mudança de estratégia internacional do país. França nunca esteve no comando de nenhuma embaixada no exterior, não tem poder político próprio e dificilmente terá muita liberdade para tomar decisões sem o consentimento explícito da família Bolsonaro, que está em processo de centralizar mais se possível o poder político em o executivo. (El País, Espanha) | bit.ly/2PR8Gw4

BOLSONARO/ Enquanto vírus e problemas econômicos assolam o Brasil, Bolsonaro improvisa e confunde. Os críticos veem o comportamento recente do presidente do Brasil - polarizando nos momentos mais críticos - como um sinal enervante de um líder atordoado. Sua estratégia, se houver, é difícil de discernir. Ele zombou da pandemia Covid-19, mesmo quando ela levou o sistema de saúde do Brasil ao colapso. Ele ridicularizou os legisladores da oposição, que buscam seu impeachment. E, seu principal rival está de volta à arena política, ameaçando sua tentativa de reeleição. Mesmo para um líder polarizador que muitas vezes parece agir por instinto, os movimentos recentes do presidente Jair Bolsonaro do Brasil confundiram e enervaram muitos no maior país da América Latina, onde o coronavírus está matando pessoas em uma taxa recorde. (The New York Times, EUA) | nyti.ms/2PNbydw | nyti.ms/3whh9tf

GOVERNO BOLSONARO/ Bolsonaro coloca à frente do Exército, general que teve sucesso na contenção do vírus no quartel. O Ministério da Defesa do Brasil anunciou nesta quarta-feira à tarde os novos comandantes das Forças Armadas. A ex-liderança militar renunciou em bloco na terça-feira, descontente com a pressão crescente do presidente, Jair Bolsonaro, para que os militares ativos se envolvam em suas batalhas políticas. Essa renúncia coletiva somada à demissão na véspera do Ministro da Defesa abriu uma crise militar sem precedentes que se soma à crise de governo aberta por Bolsonaro com a mudança de seis ministros na segunda-feira. Além disso, o Brasil sofre danos gravíssimos com o coronavírus. Nesta quarta-feira, ele quebrou um novo recorde ao somar 3.869 mortes. | bit.ly/3ub06ay

NOVA CEPA/ Brasil detectou nova variante do coronavírus. Pode ser uma mutação de Manaus e África do Sul. O Brasil, que novamente bateu o recorde diário de mortes da Covid-19 ao contar 3.869 no último dia, detectou uma nova variante do coronavírus que pode ser uma mutação de duas poderosas variantes presentes na segunda onda em grande parte do mundo, P1 Manaus ou Amazonas e África do Sul, informou o governo do estado de São Paulo nesta quarta-feira. os laboratórios agora devem fazer um acompanhamento para determinar se essa possível mutação está presente em outros pacientes com coronavírus ou é um caso isolado. (Página 12, Argentina; Le Soir, Bélgica; Deutsche Welle-en, Alemanha; El Mercurio, Chile) | bit.ly/2PR8HjC | bit.ly/2PNbyu2 | bit.ly/2PR8HA8 | bit.ly/31DO7WQ

COVID-19/Brasil registra quase 4.000 mortes e 90.000 novos casos em um dia. O Brasil detecta em suas fronteiras uma nova variante do coronavírus semelhante à sul-africana. O Brasil bate nesta quarta-feira um novo recorde no balanço de dados do coronavírus ao registrar 3.869 mortes e 90.638 novos casos de coronavírus no último dia. Durante o mês de março, 66.868 pessoas morreram em decorrência da doença, tornando-se o segundo mês com mais mortes desde o início da pandemia no país e o número médio de vítimas fatais na última semana atingiu o pior valor já registrado com 2.971. Foi o pior mês da pandemia. Com esses novos dados, o Brasil atingiu a cifra de 321.515 óbitos e 12.748.747 positivos desde o início da pandemia. (El Periodico, Espanha; Diário de Notícias, Portugal; La Presse, Canadá/ El Clarín, Argentina; Jornal de Notícias, Portugal; El Mercurio, Chile) | bit.ly/2PR8InG | bit.ly/3m5b9PQ | bit.ly/3dnu7NH | bit.ly/2PisZTC | bit.ly/3dnIykI | bit.ly/3cDNvXo

VACINA/ Brasil concede aprovação emergencial da vacina Janssen para a Covid-19. A agência reguladora de saúde do Brasil, Anvisa, aprovou na quarta-feira o uso emergencial de uma vacina contra o novo coronavírus, desenvolvida pela Janssen, braço farmacêutico da multinacional norte-americana Johnson & Johnson. A vacina da Janssen se junta à vacina CoronaVac, da farmacêutica chinesa Sinovac, na obtenção de autorização para uso emergencial no Brasil. As vacinas da Pfizer e Oxford-AstraZeneca receberam registro definitivo no país sul-americano. (Xihuanet, China; Diario Correo, Peru) | bit.ly/39PYE5V | bit.ly/2PR8JIg

2. NOTÍCIAS DO MUNDO

CHILE/ Revelado que o Brasil na ditadura militar foi cúmplice dos EUA no golpe contra Salvador Allende. No 57º aniversário do golpe militar no Brasil, o Arquivo do NSA dos EUA publicou documentação confidencial revelando o esforço do regime brasileiro para derrubar o governo de Salvador Allende (1970-1973). Os documentos divulgados detalham a pressão exercida pelo ex-presidente Richard Nixon para que o Brasil coopere na promoção de uma "insurreição" contra o presidente socialista chileno. Os arquivos secretos detalham a pressão exercida pelo ex-presidente norte-americano Richard Nixon para que o Brasil coopere na promoção de uma "insurreição" contra o presidente socialista. E confirmam que agentes secretos do Brasil trabalharam com o Exército e a Força Aérea do Chile para conseguir isso. (Página 12, Argentina; El Espectador, Colômbia) | bit.ly/3doCOHr | bit.ly/3fC4vzd

ARGENTINA/ Segunda onda iminente da pandemia: a perigosa variante de Manaus. A mutação amazônica que já circula na Argentina, denominada “Brasil P.1", é a mais agressiva das últimas variações genômicas detectadas. Ela se espalhou rapidamente pelo Brasil, superando as projeções dos cientistas mais pessimistas, até ultrapassar as fronteiras do país e espalhar para os países vizinhos. O surgimento da variante Manaus nas análises de pessoas infectadas pelo Covid-19 na Argentina soou alarmes sanitários devido à sua periculosidade, que se traduz em maior capacidade de contágio e possibilidade de reinfecção de quem já teve a doença. (Página 12, Argentina; Le Monde, França) | bit.ly/2O7XdYD | bit.ly/2PR8VqY

ITÁLIA/ Militar brasileiro em julgamento na Itália, perto de ser o primeiro condenado por crimes da ditadura no Brasil. O assassinato do ítalo-argentino Lorenzo Viñas Gigli em 1980 pode levar Átila Rohrsetzer à prisão por crimes contra a humanidade. Uma lei de anistia no Brasil impede o julgamento de repressores. ele desapareceu durante a Operação Condor, plano de colaboração repressiva das ditaduras do Cone Sul. Viñas Gigli foi capturada quando tentava fugir do Brasil com sua família para a Itália. Na década de 80, Rohrsetzer foi diretor da Divisão Central de Inteligência do Rio Grande do Sul que atuava em associação com as áreas de segurança e inteligência do III Exército e o temido DOI-CODI, idealizador da tortura de quem eram contra o regime militar. Ao ser intimado pelo governo italiano em carta enviada ao Supremo Tribunal de Justiça em 2011, Rohrsetzer afirmou que não se submete à jurisdição. (El País, Espanha) | bit.ly/2PR94e0

EUA/ Biden revela plano de investimento "uma vez na vida" em infraestrutura de US $ 2 trilhões. O ‘American Jobs Plan’ reconstruiria estradas, rodovias e pontes; enfrentaria a crise climática e conteria a desigualdade de riqueza. Promete à nação, que ainda luta para superar a pandemia de coronavírus, que seu plano de US $ 2 trilhões criaria a "economia inovadora mais forte, mais resistente e mais resistente em o mundo". A proposta expansiva, chamada de Plano de Emprego Americano, reconstruiria 20.000 milhas de estradas e rodovias e repararia as 10 pontes mais economicamente significativas do país entre uma extensa lista de outros projetos que Biden disse que enfrentariam a crise climática, reduziriam a desigualdade de riqueza e fortaleceriam Competitividade dos EUA. (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/3fx32dF

NOVA ZELANDIA/ Nova Zelândia eleva o salário mínimo e aumenta os impostos sobre os mais ricos. Jacinda Ardern aprovou este pacote de medidas para combater a desigualdade e impulsionar a economia após o impacto do Covid-19. O novo salário mínimo será aumentado de NZD 18,90 para NZD 20 por hora, de acordo com o anúncio feito pelo primeiro-ministro na segunda-feira, Nova Zelândia. A medida faz parte de suas promessas eleitorais e vai beneficiar 175 mil pessoas. Também a partir de quinta-feira, o imposto máximo aumentará para 39% sobre a renda das pessoas que ganham mais de 180.000 NZD quando antes o teto era de 33%. (El Diário, Espanha) | bit.ly/3ucShB7

FRANÇA/ A França fecha escolas e proíbe viagens a mais de 10 quilômetros de casa. O presidente francês Emmanuel Macron anunciou na quarta-feira novas medidas para controlar o aumento dos casos de coronavírus no país: as escolas serão fechadas por três semanas e a proibição de viagens entre regiões será estendida a todo o país a partir de sábado. A França tem fechado bares, restaurantes, ginásios, cinemas, teatros e museus desde outubro. O Chile aplica quarentena em Santiago e outras comunas do país. (La Diaria, Uruguai) | bit.ly/3fBgLQu

EUROPA/ OMS diz que são necessárias novas restrições na Europa para combater pandemia. "Não é hora de relaxar". A Organização Mundial da Saúde (OMS) descreveu esta quinta-feira como "necessárias" novas restrições na Europa devido ao crescente número de casos do SARS-CoV-2, ao avanço da variante britânica e ao aumento da mobilidade pela semana da Páscoa. "A situação na região é agora mais preocupante do que vimos em vários meses", disse a diretora regional da OMS para Emergências na Europa, Dorit Nitzan. Em sua opinião, também existem "riscos associados" ao "aumento da mobilidade" e às reuniões nestes feriados da Páscoa. (Diário de Notícias, Portugal) | bit.ly/3wgwt9J

3. ARTIGOS/ENTREVISTAS

Andre Pagliarini - Brasil (The Guardian, Inglaterra) | “O que vem por aí para o Brasil à medida que os problemas de Jair Bolsonaro se aprofundaremm?” | bit.ly/2PR9aCo

Emir Sader – Brasil (El Diário, Espanha) | “Brasil, 1964: foi golpe, foi ditadura” | bit.ly/31CQAkd

Gustavo Veiga – Brasil (Página 12, Argentina) | “A ditadura de 64 e o Brasil de Bolsonaro” | bit.ly/3sJwkcu

Maud Chirio – Brasil (RFI, França) | “Bolsonaro e generais ligados à extrema direita transformam ditadura em projeto de poder” | bit.ly/3dF5NHl

The Economist, reportagem – Brasil (The Economist, Inglaterra) | “Forças armadas do Brasil se afastam de Jair Bolsonaro. Os chefes do Exército, da Marinha e da Força Aérea renunciaram depois que o presidente mudou seu gabinete.” | econ.st/3cCL8US

Marie Laudascher – Brasil (La Croix, França) | “À medida que a crise econômica e de saúde se agrava, o tom aumenta entre o atual chefe de Estado, Jair Bolsonaro, e o ex-presidente Lula. As mudanças atuais prenunciam o duelo pela eleição presidencial de 2022.” | bit.ly/3dtDKu4

David Sangerd - EUA (The New York Times, EUA) | “40 anos depois de Reagan, uma aposta que o grande governo (‘big government’) pode fazer algo. O presidente Biden quer mostrar que o capitalismo democrático pode funcionar.” | nyti.ms/2PitcGo



Conteúdo Relacionado