Clipping Internacional

Clipping Mundo - 02/05/2021

Notícias internacionais sobre o Brasil; Notícias do Mundo; e Artigos

02/05/2021 09:44

Protesto contra o desempenho de Bolsonaro na pandemia, 30 de abril, em São Paulo (Amanda Perobelli/Reuters)

Créditos da foto: Protesto contra o desempenho de Bolsonaro na pandemia, 30 de abril, em São Paulo (Amanda Perobelli/Reuters)

 
1. NOTÍCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O BRASIL

PANDEMIA/ Covid-19 no Brasil: onda de pobreza se junta à epidemia. Enquanto a marca de 400.000 mortes foi ultrapassada no final de abril, o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro afirma não ter cometido "erros" ao lidar com a crise. Pergunta-se como ele consegue se segurar? O Brasil, devastado pela variante P1, banido no cenário internacional, tem mais de 400 mil mortos da Covid-19 e afunda cada vez mais na carnificina humanitária, todos se perguntam sobre a surpreendente capacidade de resiliência do líder da extrema direita. Sua responsabilidade pelo drama em curso é, gritante: Jair Bolsonaro negou sucessivamente a epidemia, impediu qualquer medida de contenção, recusou-se a negociar vacinas, atrasou os planos de imunização. Em qualquer outra democracia, é difícil imaginar um líder assim permanecendo no topo do estado. E, no entanto, continua desfrutando de popularidade entre 25% a 30% da população e uma sólida maioria no parlamento. (Le Monde, França) | bit.ly/3tcco1w

BOLSONARO/ Em plena crise sanitária, marcha a favor de Jair Bolsonaro enquanto o país ultrapassa 400 mil mortes por covid-19. As mostras de apoio ao governo foram realizadas sem dar atenção às medidas de distanciamento para conter a pandemia do coronavírus enquanto o país ultrapassa os 400 mil óbitos pela doença. Um dos slogans dos manifestantes era "Eu autorizo" ou "Eu autorizo o Bolsonaro", aludindo a uma autorização para o presidente da extrema direita brasileira enviar o Exército às ruas. Bolsonaro está atualmente sob investigação junto a membros de seu gabinete por suas ações e omissões na luta contra a pandemia que, no Brasil, soma mais de 14,6 milhões de casos e 406.437 mortes. (Página 12, Argentina; Diário de Notícias, Portugal; Tribune de Genève, Suíça; South China Morning Post, Hong Kong; Diário Correo, Peru) | bit.ly/335zPz1 | bit.ly/3eLMfkU | bit.ly/3aXtOIP | bit.ly/3xFmtrg | bit.ly/33ltNdP | bit.ly/33b5pLL

AMAZÔNIA/ Brasil cético em relação ao compromisso de Bolsonaro com a Amazônia. Numa transformação que merece o senhor Hyde ao doutor Jeckyll, Bolsonaro chegou a dizer que o Brasil "é o país com maior biodiversidade do planeta e está na vanguarda do combate ao aquecimento global". O presidente promete dobrar os recursos para proteger os pulmões do planeta. Depois de anos de negação, Jair Bolsonaro viu a luz com a Amazônia? Na cúpula do clima concluída em 23 de abril, o presidente brasileiro prometeu atingir a meta de desmatamento zero até 2030 e neutralidade das emissões de CO2 - o equilíbrio entre o que é emitido e o que é absorvido no sumidouro da Amazônia - em 2050. Bolsonaro também anunciou em A cúpula que vai dobrar os recursos destinados ao combate às atividades ilegais na vasta região brasileira. (La Vanguardia, Espanha) | bit.ly/3nEntHs

AMAZÔNIA/ A Amazônia brasileira liberou mais carbono do que absorveu nos últimos 10 anos. A Amazônia brasileira liberou quase 20% mais dióxido de carbono na atmosfera na última década do que absorveu, de acordo com um relatório surpreendente que mostra que a humanidade não pode mais depender da maior floresta tropical do mundo para ajudar a absorver a poluição de carbono produzida pelo homem. O estudo analisou o volume de CO2 absorvido e armazenado à medida que a floresta cresce, em comparação com as quantidades liberadas de volta para a atmosfera à medida que é queimada ou destruída. O estudo também mostrou que o desmatamento - por meio de queimadas e corte raso - aumentou quase quatro vezes em 2019 em comparação com qualquer um dos dois anos anteriores, de cerca de 1 milhão de hectares (2,5 milhões de hectares) para 3,9 milhões de hectares (9,6 milhões de hectares). (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/3aW3MG0

AMAZÔNIA/Investidores pedem que Brasil use títulos verdes para salvar a Amazônia. O presidente Jair Bolsonaro chora lágrimas escassas enquanto o desmatamento atinge o nível mais alto em mais de uma década. (Financial Times, Inglaterra) | on.ft.com/33bW5ac

AMAZÔNIA/ Joe Biden coloca Bolsonaro sob pressão. O presidente Joe Biden, que nomeou John Kerry para gerenciar o arquivo "clima", quer parar o desmatamento do "pulmão do planeta". Não tão fácil. Chegou o novo Bolsonaro! No dia 22 de abril, durante a (virtual) "cúpula do clima" presidida por Joe Biden, o presidente brasileiro, gravata verde e tom sereno, começou a falar em "responsabilidade coletiva" no combate ao aquecimento global. O motivo dessa metamorfose repentina? Depois de fazer amizade com Donald Trump, o líder da extrema direita agora deve chegar a um acordo com a nova administração americana. No entanto, durante sua campanha eleitoral, Joe Biden havia ameaçado o Brasil - que abriga 60% da Amazônia - com "consequências econômicas significativas" se ele não parasse o desmatamento. (L’Express, França) | bit.ly/2RmMwTy

VACINA/ No Brasil, os ricos querem fular a fila. O Brasil está em vias de aprovar uma lei que privatiza a compra e distribuição de vacinas da Covid. Em detrimento dos mais pobres. Funesto mês de abril. Como esperado no início de março, a variante P1 do Covid-19. O país paga caro pelos cinco meses, entre outubro e fevereiro, durante os quais o governo federal minimizou a importância sanitária da vacinação. Brasília inicialmente rejeitou 60 milhões de doses do imunizante chinês Coronavac, esnobou recentemente 30 milhões da russa Sputnik V “sob pressão da diplomacia americana durante a administração de Donald Trump”, e também não encomendou as 70 milhões de doses do laboratório Pfizer, como poderia ter feito. Resultado: o Brasil perdeu a ocasião de implementar uma campanha de vacinação acelerada. “Uma lentidão que abriu uma brecha para a iniciativa privada”. (Alternatives Économiques, França; RFI, França) | bit.ly/3eHLyZW | bit.ly/3upgJzC

400 MIL MORTOS/ O Covid já matou mais de 400.000 brasileiros. Apesar da redução no número de mortos nos últimos dias e da chegada de novas vacinas, a preocupação permanece. Jair Bolsonaro é cada vez mais criticado enquanto de ausenta de qualquer declaração ou pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre esse trágico número. O governo recebeu o golpe sem recuar. Nenhum comunicado oficial acompanhou o anúncio dessa triste marca. Há mais de um ano, os brasileiros pagam um dos preços mais altos pela pandemia do mundo, com uma taxa de 189 mortes por 100 mil habitantes. Apenas os Estados Unidos registraram um número maior de mortos. O Brasil também registrou 14,5 milhões de casos confirmados. (Les Echos, França; RFI, França) | bit.ly/332cRst | bit.ly/3tdqujh

CLOROQUINA/ Justiça proíbe o governo brasileiro de promover medicamentos ineficazes para a Covid. Em nota cautelar divulgada nesta sexta-feira, a desembargadora Ana Lúcia Petri Betto determinou que a Secretaria de Comunicação da Presidência da República se abstenha de patrocinar propaganda que "contenha referências" a medicamentos de eficácia duvidosa no combate ao novo coronavírus, como a cloroquina, defendida pelo presidente Bolsonaro. Também proibiu que o Executivo usasse expressões em suas peças publicitárias como "tratamento precoce" ou "kit cobiçado", que reúne uma série de medicamentos anunciados pelo governo federal como uma espécie de cura para a superação do mal. (El Diário, Espanha) | bit.ly/3edAkNT

LULA/ Lula da Silva manda apoio a Marco Enríquez-Ominami: “Temos sido vítimas do uso da justiça como arma de guerra política”. Em carta pública, o ex-presidente brasileiro assegurou que o ex-candidato presidencial chileno foi vítima de perseguição "por não poder votar nas próximas eleições. “Há mais de uma década vimos como na América Latina se realiza uma ofensiva contra os dirigentes da região, erodindo -com ela- as conquistas democráticas. Fui vítima disso, e no Chile também. Marco Enríquez-Ominami ", disse o ex-presidente em sua carta. (El Mercurio, Chile) | bit.ly/3ebkiDU

PRIVATIZAÇÃO/ Rio conclui a maior privatização de saneamento básico do Brasil. O estado do Rio de Janeiro celebrou a maior privatização de saneamento básico do Brasil na sexta-feira em um leilão que arrecadou R $ 22,69 bilhões (4,2 bilhões de dólares). O Rio cedeu o serviço de água e esgoto do estado à iniciativa privada por um período de 35 anos, durante licitação realizada na Bolsa de Valores de São Paulo e que contou com a presença do Presidente da República, Jair Bolsonaro, e do Ministro da Economia, Paulo Guedes. (El Diário, Espanha; Deutsche Welle, Alemanha) | bit.ly/3ubmKQs | bit.ly/3gUXqud

2022/ Lula, Bolsonaro e as alternativas para o Brasil nas próximas eleições. Atualmente, o retorno de Lula como candidato potencial reforça a tendência do PT de ser o principal adversário do bolsonarismo. No entanto, a chamada “terceira via”, que inclui várias figuras proeminentes, como alguns governadores do PSDB, busca repetir a narrativa antipetista. O PSDB, partido de centro-direita, que esteve no poder de 1994 a 2002, com Fernando Henrique Cardoso, e nos doze anos seguintes os seus candidatos chegaram sempre às segundas voltas presidenciais contra os do PT. Em 2018, uma hecatombe eleitoral. Como será no ano que vem? (El Espectador, Colômbia; Diário de Notícias, Portugal) | bit.ly/3gWqK3q | bit.ly/3nHzPi7

WITZEL/ Governador do Rio de Janeiro demitido por corrupção. Wilson Witzel foi considerado culpado de cometer atos dolosos em meio a pandemia que devastou o terceiro estado do Brasil. (El Periódico, Espanha; El País, Espanha; Público, Portugal) | bit.ly/3xR0Vbk | bit.ly/2Smnfcz | bit.ly/3nFuBmY

2. NOTÍCIAS DO MUNDO

EUA/Palestino preso há 19 anos em Guantánamo sem julgamento. Um palestino detido na Baía de Guantánamo está levando os Estados Unidos, o Reino Unido e cinco outros estados perante um painel de direitos humanos da ONU por seu papel na rendição da CIA e detenção de suspeitos de terrorismo em “locais negros” ao redor do mundo. O palestino Abu Zubaydah, detido por 19 anos sem julgamento, leva os EUA, o Reino Unido e cinco outros países ao painel. Abu Zubaydah é um palestino de 50 anos criado na Arábia Saudita que foi detido em 2002 e entregue à CIA. Ele foi inicialmente descrito como um líder da Al Qaeda, mas a agência em 2006 concluiu que ele nem mesmo era membro do grupo. Ele, no entanto, está detido em Guantánamo desde então, sem perspectiva de libertação. (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/2PFKi0Q

COLÔMBIA/ Governo colombiano usa o Exército para controlar protestos contra a reforma tributária. Os motins continuam no quarto dia de protestos contra a reforma tributária do governo, em que foram registradas três mortes e outras três estão sendo investigadas. Os episódios de violência e desordem voltaram neste sábado a Bogotá, Cali e outras cidades da Colômbia no quarto dia de protestos contra a reforma tributária do governo colombiano, que coincidiu com o primeiro de maio, uma celebração aos trabalhadores que passaram pacificamente nas primeiras horas de o dia. A organização de direitos humanos Human Rights Watch disse que recebeu denúncias de possíveis abusos cometidos pela polícia em Cali, e grupos de direitos humanos locais que teriam ocorrido até 14 mortes. (El Diário, Espanha; The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/3nHU53i | bit.ly/3uiEd9W

AMERICA LATINA/ Caos político e pobreza deixam a América do Sul à mercê do vírus. A América do Sul produziu alguns dos episódios mais terríveis da pandemia no ano passado, com valas comuns cavadas na Amazônia brasileira e corpos jogados nas calçadas da cidade equatoriana de Guayaquil. Mas no final de 2020 havia alguma esperança de que com o início da vacinação o pior pudesse ter passado. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, chegou a afirmar que a crise atingiu o seu "fim" em dezembro. Especialistas em saúde pública dizem que a agonia da América do Sul é em parte resultado de problemas estruturais de longa data, incluindo sistemas de saúde com recursos insuficientes e pobreza. As políticas de quarentena eficazes se mostraram impossíveis de serem aplicadas em uma região onde entre 30% e 60% dos trabalhadores estão empregados no setor informal. (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/2QMIqnD

PERU/ Primeiro debate entre Pedro Castillo e Keiko Fujimori. Foi um encontro improvisado e imprevisto - a autoridade eleitoral organizou dois debates para os dois domingos anteriores à eleição de 6 de junho - que começou a ocorrer apenas três dias antes, quando os dois candidatos se desafiaram e só foi confirmado na tarde de sexta-feira. Os dois candidatos se reuniram na praça central de Chota, província do norte andino de Cajamarca, onde nasceu e vive o professor e sindicalista Castillo. Com as pesquisas contra ele por ampla margem, Keiko precisava urgentemente tentar mudar esse cenário e pressionou seu rival a debater. "Não corra, Pedro", repetiu várias vezes, procurando encurralar o adversário para o obrigar a debater. (Página 12, Argentina) | bit.ly/3h1Dw0V

EUA/ Partido Republicano quer capacitar ‘observadores de urnas’ aumentando o alarme sobre supressão de votos. Enquanto legisladores republicanos em grandes estados de batalha buscam tornar a votação mais difícil e confusa por meio de uma teia de novas leis eleitorais, eles estão simultaneamente fazendo um esforço legislativo para conceder mais autonomia e acesso a observadores eleitorais partidários - cidadãos treinados por uma campanha ou partido e autorizado por funcionários eleitorais locais para observar o processo eleitoral. Esse esforço levantou o alarme: no passado, os observadores das urnas foram usados para intimidar os eleitores e assediar os trabalhadores, muitas vezes de maneiras que visam as pessoas de cor. (The New York Times, EUA) | nyti.ms/3tg6zA6

EUROPA/ Canadá, Finlândia, Suécia, Bélgica ... Milhares de manifestantes contra restrições de saúde. Em várias capitais, manifestantes se reuniram para protestar contra as medidas de saúde, incluindo o uso de máscaras. Todas essas reuniões foram marcadas por prisões. (Le Parisien, França) | bit.ly/3aUeEE8

CUBA/ A fase 3 do ensaio da vacina anticovide Abdala é concluída em Cuba. A vacina candidata anti-Covid-19 de Cuba, Abdala, concluiu a fase 3 dos testes clínicos em Santiago de Cuba, Guantánamo e Granma neste sábado, informou a televisão nacional. Esta fase de pesquisa começou em 22 de março nas províncias orientais do país com a aplicação da primeira dose a 48.290 indivíduos durante seis semanas. Em seguida, foi administrada a segunda dose, cuja etapa se encerrou no dia 17 de abril, com 47.620 voluntários e resultados satisfatórios; enquanto em 19 de abril começaram as últimas duas semanas da aplicação da terceira dose. (La Jornada, México) | bit.ly/3vyYk3I

ÍNDIA/ A Índia registra 400.000 casos de covid-19 em 24 horas. A Índia anunciou neste sábado mais de 400.000 novos casos de covid-19 em 24 horas, um número mundial sem precedentes, quando o gigante asiático se prepara para vacinar seus quase 600 milhões de adultos, apesar da escassez de injetáveis. (Últimas Notícias, Venezuela) | bit.ly/3vGbLyZ

3. ARTIGOS/ENTREVISTAS

Naiara Galarraga Gortázar, reportagem – Brasil/Bolsonaro (El País, Espanha) | “Bem-vindos à galáxia paralela de Bolsonaro no Facebook” | bit.ly/3vCfEoE

Devika Girish – Brasil/filme (The New York Times, EUA) | “Crítica do filme ‘Marighella’. A estreia provocativa de Wagner Moura narra a luta armada liderada por Carlos Marighella contra a ditadura militar do Brasil na década de 1960.” | nyti.ms/3eMpGwD

Terrence McCoy – Brasil/pandemia (The Washington Post, EUA) | “Bolsonaro insultou grande parte do mundo. Agora o Brasil precisa de ajuda dela” | wapo.st/3xAga8p

Eric Nepomuceno - Brasil (Página 12, Argentina) | “Lembranças de abril” | bit.ly/3tbziGc

Robert Reich – EUA/Biden (The Guardian, Inglaterra) | “Os primeiros 100 dias de Biden também foram os primeiros 100 sem Trump - isso diz algo.” | bit.ly/3nGDAEj

Charles Enderlin – Israel/direita (Le Monde Diplomatique, França) | “Cinqüenta anos de observação da direita israelense: o campo da paz não entende a ideologia de Netanyahu" | bit.ly/3tfa1ee

Ariel Gold – Israel/extrema direita (Jacobin, EUA) | “O extremismo está em alta em Israel. Israelenses extremistas marcharam em Jerusalém na semana passada gritando "Morte aos árabes". É parte de uma tendência profundamente preocupante de ascensão do sionismo de extrema direita.” | bit.ly/3aS7116

Fawaz A. Gerges – Israel/racismo (Project Syndicate, EUA) | “Apartheid na Terra Santa” | bit.ly/2RcJr8l

Mathias Reymond – EUA/Guerra Fria (Le Monde Diplomatique, França) | “Washington causa estragos no mercado europeu de gás: conflito na Ucrânia, destino do opositor Alexeï Navalny, gasoduto Nord Stream 2: a deterioração das relações entre a Rússia e a Europa Ocidental desde 2014 ocupou as chancelarias.” | bit.ly/3vyYnwq

Richard McGregor – EUA-China/Guerra Fria (The Guardian, Inglaterra) | “Biden e Xi falam de um choque de civilizações. Mas o verdadeiro objetivo compartilhado é o domínio” | bit.ly/3nEYBzn

Mario Wainfeld – Argentina/pandemia (Página 12, Argentina) | “Argentina no modo James Bond: as vacinas, o populismo, os maniqueus” | bit.ly/33agr3H

Laura Höflinger e Adnan Bhat – Índia/pandemia (Der Spiegel, Alemanha) | “Complacência e falhas do governo alimentaram o desastre do Covid na Índia” | bit.ly/3xIwDY0



Conteúdo Relacionado