Clipping Internacional

Clipping Mundo - 14/04/2021

Notícias internacionais sobre o Brasil; Notícias do Mundo; e Artigos

14/04/2021 09:05

(Marcos Fabricio/Reprodução/bit.ly/3tiD7dE)

Créditos da foto: (Marcos Fabricio/Reprodução/bit.ly/3tiD7dE)

 
1. NOTÍCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O BRASIL

BOLSONARO/ Foi criada uma CPI para investigar seu papel contra a pandemia. O presidente Bolsonaro acusa os governadores e prefeitos de terem causado a crise econômica por quarentenas contra o colapso do hospital devido ao coronavírus. O presidente de extrema direita reagiu assim à criação de uma comissão parlamentar para investigar o papel do governo contra a pandemia. Bolsonaro protagonizou mais um escândalo neste domingo depois que o senador Jorge Kajurú divulgou conversa com o presidente, em que o presidente indica que é necessária a criação de outra comissão para investigar governadores e prefeitos e acelerar os pedidos de destituição de juízes não alinhados ao governo. (Página 12, Argentina) | bit.ly/3ddk3b8

CPI DA COVID/ Por que o Brasil é hoje o pior país do mundo na pandemia? Médicos, infecciologistas e investigadores apontam uma razão: o governo de Jair Bolsonaro, que será investigado politicamente em Comissão Parlamentar de Inquérito no Senado Federal brasileiro por omissão no combate à covid-19. No Brasil, o número de casos e de óbitos por covid-19 disparam. A média móvel aumenta. As vagas hospitalares apertam. O país é visto pela Organização Mundial de Saúde como celeiro de novas variantes. E a vacinação atrasa ou falha. De quem é a culpa? Depois de recusar comprar vacinas, além de criticá-las, de promover tratamentos ineficazes e de rejeitar isolamento e máscaras, os especialistas apontam o dedo ao presidente Jair Bolsonaro, cujo governo vai começar a responder politicamente pela tragédia em Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) por omissão no combate à doença. | bit.ly/3mJiHbl

PANDEMIA/ França suspende voos com o Brasil para evitar propagação de variante da Covid. O primeiro-ministro francês, Jean Castex, anunciou nesta terça-feira (13) que a França suspenderá, "até nova ordem", todos os voos com Brasil. O objetivo principal é impedir a propagação da variante do coronavírus originária de Manaus, conhecida como P1. "Constatamos um agravamento da situação e decidimos suspender até a nova ordem todos os voos entre o Brasil e a França", anunciou o premiê francês diante dos deputados na Assembleia Nacional do país. Castex também classificou como "absolutamente dramática" a situação no Brasil e lembrou que o país "é o que mais utiliza a hidroxicloroquina". (RFI, França; Libération, França; Le Nouvel Observateur, França; Le SOir, Bélgica; La Repubblica, Itália; L’Express, França; Euronews, Portugal) | bit.ly/2QkZwIE | bit.ly/32cbOFM | bit.ly/3mJ2J0S | bit.ly/2QoRMVW | bit.ly/3mK7qY6 | bit.ly/3sgBsUF | bit.ly/3abZM3L

VACINA RUSSA/ Justiça brasileira dá à agência de saúde um mês para decidir sobre o Sputnik V. Um ministro do STF decidiu nesta terça-feira conceder um mês, a partir do dia 29 de março, à Anvisa para decidir sobre a importação de doses da vacina russa contra a cobiça, Sputnik V. O prazo estipulado pelo juiz começou a correr em 29 de março, data em que o governo do Maranhão solicitou a importação da vacina desenvolvida pelo Instituto Gamaleya. Desde janeiro passado, as autoridades russas e o laboratório brasileiro União Química, com o qual firmaram um acordo de transferência de tecnologia, tentam sem sucesso obter a autorização da Anvisa para o uso do medicamento no país. (El Diário, Espanha; The Independent, Inglaterra) | bit.ly/3dhnjlW | bit.ly/3mNgtHV

FOME/ Quase 60% da população sofre de insegurança alimentar devido à pandemia de coronavírus. A alta dos preços dos alimentos no ano passado agravou o problema da fome no país. Estudo coordenado pelo Grupo Poder, Política e Desigualdades Alimentares na Bioeconomia da Universidade Livre de Berlim, Alemanha, concluiu que 59,3% dos brasileiros, o que equivale a 125,6 milhões de pessoas, não comem a quantidade necessária e a qualidade adequada de alimentos desde o início da pandemia do coronavírus. (La Diaria, Uruguai) | bit.ly/3siErf2

MINERAÇÃO ILEGAL/Índios no Brasil denunciam que garimpeiros ilegais compram vacinas com ouro. Eles também acusam os garimpeiros de espalharem notícias falsas sobre imunização. Uma associação que representa os índios Yanomami no Brasil denunciou nesta terça-feira a suposta venda de doses da vacina contra o coronavírus destinadas aos povos indígenas para garimpeiros que atuam ilegalmente em terras indígenas em troca de ouro. Em nota, a Associação Yanomami Hutukara afirmou que, desde o início da vacinação no país, acumulam-se "denúncias de irregularidades que colocam em risco a imunização da população indígena", que está entre os grupos prioritários no processo de imunização., começou em janeiro passado. (El Periódico, Espanha) | bit.ly/3sheIDZ

POLITICA E VACINA/ No Brasil, em meio à pandemia Covid-19, o uso da vacina chinesa torna-se questão política. A vacina CoronaVac produzido em parceria com a China é a mais difundida do país. Ajuda a reduzir a mortalidade em pessoas idosas, mas não pode mudar uma situação que está fora de controle. É sempre com grande alarde e sob o olhar atento das câmeras que o governador de São Paulo, João Doria, apresentou 1,5 milhão de doses da vacina CoronaVac e exibe mais uma vez o V de vitória para os fotógrafos. O uso político da vacinação está no auge no Brasil, à medida que o país passa por uma preocupante recuperação da epidemia. (Le Monde, França) | bit.ly/2RAqgWg

COVID-19/ Brasil soma 3808 mortes e mais de 82 mil casos em 24 horas. O número total nacional de mortes subiu para 354.617. Houve outros 35.785 casos de Covid-19 foram notificados nas últimas 24 horas, elevando a contagem nacional para 13.517.808. O Brasil vive uma nova onda de casos desde janeiro, e muitos estados do país relataram uma sobrecarga de seus sistemas de saúde. O Brasil iniciou o processo de vacinação em meados de janeiro e já inoculou 23.286.249 pessoas com uma dose e 7.052.402 com duas.Jornal de Notícias, Portugal; Xihuanet, China) | bit.ly/3dgUvd9 | bit.ly/3deQLJb

2. NOTÍCIAS DO MUNDO

VACINAS/ A decisão dos EUA de interromper as vacinas da J&J é outro golpe para a luta global da Covid. Efeitos colaterais raros significam que a confiança nas vacinas Johnson & Johnson e Oxford / AstraZeneca agora está abalada. Os EUA estão investigando seis casos de coagulação sanguínea, a partir de 6,8 milhões de doses da vacina Johnson & Johnson. As agências de saúde recomendaram que os estados dos EUA interrompam o uso da vacina enquanto as investigações são feitas em seis casos de mulheres que tiveram eventos raros de coagulação do sangue combinados com plaquetas baixas nos dias após a vacinação. Os seis casos nos EUA - a partir de 6,8 milhões de doses da vacina J&J administradas - parecem ser semelhantes aos que causaram alarme em toda a Europa, ligados à vacina Oxford / AstraZeneca. (The Guardian, Inglaterra) | bit.ly/3tgS6F2

ARGENTINA-LAWFARE/ Cristina Kirchner e Axel Kicillof foram liberados do julgamento do dólar futuro. A decisão foi unânime e garante que não houve crime. Cinco anos após a inusitada abertura da futura caixa do dólar, pelas mãos de Bonadio e a validação da Câmara Federal e Cassação, Cristina Kirchner, Axel Kicillof e todos os acusados foram demitidos por falta de crime. Com a decisão, foi exposto em detalhes como o aparato judiciário é utilizado para a perseguição política. A causa do futuro do dólar foi mais um exemplo no uso da justiça para a perseguição política. Como nos casos do Memorando de Entendimento com o Irã, no caso pela morte de Alberto Nisman, no caso Hotesur-Los Sauces, nas obras públicas de Santa Cruz, Óleo Combustíveis e uma longa lista adicional caem na mesma categoria. (Página 12, Argentina) | bit.ly/2Qsrjak

GUERRA FRIA/ O Irã desafia as negociações do acordo nuclear elevando o enriquecimento de urânio para 60%. O ministro das Relações Exteriores da Rússia acusa a UE de prejudicar as negociações para reativar o pacto de 2015 ao sancionar várias autoridades iranianas. A visita do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, a Teerã na terça-feira, permitiu que os governantes iranianos se sentissem apoiados contra o Ocidente. Lavrov acusou a UE de minar os esforços para reativar o acordo nuclear sobre as sanções impostas no dia anterior a vários militares e policiais iranianos por reprimir protestos populares em 2019. (El País, Espanha) | bit.ly/3abZQ3v

GUERRA FRIA/ Cresce a tensão entre as tropas ucranianas e separatistas russos no leste da Ucrânia. Biden conversou com Putin sobre o assunto e a Otan pediu à Rússia que parasse de enviar tropas para a zona de conflito. Os combates na região de Donbass, localizada no leste da Ucrânia, ao longo da fronteira com a Rússia, voltaram a se intensificar a partir do início de abril. Lá, o exército ucraniano está em uma situação de guerra intermitente com separatistas pró-russos desde 2014.Há vários dias a Ucrânia acusa a Rússia de enviar numerosas tropas e material militar à fronteira entre os dois países para preparar a entrada de suas forças militares nos territórios separatistas. Tal atividade foi confirmada por ucranianos e americanos. (La Diária, Uruguai) | bit.ly/3mMyUwv

EUA-POLÍCIA/ A masculinidade tóxica da polícia, causa da brutalidade. Em vez de promover uma imagem da polícia trabalhando para a comunidade, os departamentos enfatizaram o policiamento e o combate ao crime para criar um guerreiro protótipo. Algo horrível está acontecendo em Minnesota: desde 2000, 207 cidadãos do estado foram mortos pela polícia. Dessas mortes, 55 foram de africanos (27%), 15 de índios americanos, 10 de asiáticos e 9 de latinos. (El Telespectador, Colômbia) | bit.ly/3mMoFrP

EUA-AFGANISTÃO/ Joe Biden desiste da guerra no Afeganistão, deixando um aliado enfraquecido. As tropas americanas devem partir em 11 de setembro, 20 anos após sua chegada. O Taleban voltará ao poder? No auge da guerra, uma década depois, os Estados Unidos tinham mais de 100.000 soldados lutando contra o Taleban. Mais uma década depois, todos eles irão embora e a guerra mais longa da história americana terminará - para os americanos, pelo menos. Biden herdou um acordo de paz de seu antecessor, Donald Trump. Em fevereiro de 2020, a administração de Trump assinou um acordo com o Taleban no qual a América se comprometia a reduzir as forças e, por fim, retirar-se inteiramente do país até 1º de maio deste ano em troca dos compromissos do Taleban de romper com a Al-Qaeda e discutir um acordo político o governo afegão em Cabul. (The Economist, Inglaterra) | econ.st/3uOv5cL

3. ARTIGOS/ENTREVISTAS

Jon Lee Anderson – Brasil/Bolsonaro (The New Yorker, EUA) | “A crise do Covid-19 e o caos presidencial de Jair Bolsonaro. Sua abordagem de nada fazer em relação a pandemia estaria finalmente ameaçando seu futuro político?" | bit.ly/2Qpsszm

Emir Sader – Equador (Pàgina 12, Argentina) | “A lição do Equador” | bit.ly/3shZ9vF

Valeria Vegh Weis – Argentina (Página 12, Argentina) | “O encerramento do processo de Cristina e Axel: vencemos o ‘lawfare’?” | bit.ly/3dj6Cqh

Cristophe Deroubaix – Neoliberalismo (L’Humanité, França) | “Estados Unidos: o neoliberalismo não é mais o profeta no seu país” | bit.ly/32gSZS5

Xavier Ragot, entrevista – EUA/Biden (Libération, França) | "O plano Biden, ‘muito keynesiano' é uma evolução política profunda" | bit.ly/3mG9DE7

Robert Kuttner – EUA/Biden (American Prospect, EUA) | “O milagre da ‘bidenomics’ | bit.ly/3sj1w1t

Jeneé Osterheldt - EUA/racismo (The Boston Globe, EUA) | “‘Gráfico e não editado’: a violência policial contra os negros não é um erro” | bit.ly/3tm0q6j

Richard Keizer – EUA/racismo (Le Monde Diplomatique, França) | “Um país minado por assassinatos policiais. Expressão brutal de desigualdades raciais nos Estados Unidos” | bit.ly/2ONdSkB

Liza Featherstone – EUA/desigualdade (Jacobin, EUA) | “Finalmente Nova York está taxando os ricos” | bit.ly/3e1X6H1

Ishan Taroor – Guerra Fria (The Washington Post, EUA) | “Israel faz o estraga prazeres na jogada de Biden no Irã” | wapo.st/2QlDk1c

Igor Delanoë – Guerra Fria/Ucrânia (Le Monde Diplomatique, França) | “Quem quer paz na Ucrânia? Situação bloqueada no dia seguinte à cúpula de Paris” | bit.ly/2QlFP3p



Conteúdo Relacionado