Eduardo Galeano: Ayotzinapa

Os governantes perderam o controle sobre o medo, a fúria que desencadearam está se voltando contra eles. A raiva digna fará o México despertar e questionar

05/12/2014 00:00

Mundo al Revés / Flickr

Créditos da foto: Mundo al Revés / Flickr

Os órfãos da tragédia de Ayotzinapa não estão sós na obstinada busca de seus queridos, perdidos no caos dos aterros incendiados e das valas cheais de restos humanos. 


Os acompanham as vozes solidárias e sua presença calorosa em todo o México, incluindo os campos de futebol onde os jogadores festejam seus gols desenhando com os dedos o número 43 no ar, em homenagem aos desaparecidos. 


Em meio a tudo isso, o presidente Peña Nieto, recém chegado da China, advertia que esperava não ter de fazer uso da força, em tom de ameaça.


O presidente ainda condenou ''a violência e outros atos abomináveis cometidos pelos que não respeitam nem a lei, nem a ordem,'' ainda que não tenha esclarecido que estes grosseiros poderiam ser úteis para a fabricação de discursos ameaçadores.


O presidente e sua esposa, de nome artístico ''Gaivota,'' fazem ouvidos moucos para aquilo que não gostam de ouvir e desfrutam da solidão do poder.


Foi certeira a sentença do Tribunal Permanente dos Povos, pronunciada depois de três anos de sessões e milhares de testemunhos: ''neste reino da impunidade há homicídios sem assassinos, torturas sem torturadores e violência sexual sem abusadores.''


Neste mesmo sentido, foi entregue o manifesto dos representantes da cultura mexicana, que advertiram: ''Os governantes perderam o controle sobre o medo, a fúria que desencadearam está se voltando contra eles.''








De San Cristóbal de las Casas, o Exército Zapatista de Libertação Nacional declarou: ''é terrível e maravilhoso que os pobres que aspiram a ser professores tenham se convertido nos melhores professores, com a força de sua dor convertida em raiva digna, para que o México e o mundo despertem, perguntem e questionem.''















Conteúdo Relacionado