Economia Política

Neoliberalismo pegou covid-19 e deixou para o Estado resolver a crise

Não será a primeira nem última vez. Manuais ortodoxos caíram em desuso. Paradigmas costumam mudar

20/04/2020 21:22

O Federal Reserve, banco central dos EUA, tem comprado títulos até de devedores de cartão de crédito sem, no entanto, obter efeitos na economia norte-americana (Andrew Harnick/AP)

Créditos da foto: O Federal Reserve, banco central dos EUA, tem comprado títulos até de devedores de cartão de crédito sem, no entanto, obter efeitos na economia norte-americana (Andrew Harnick/AP)

 
A economia de mercado, naquela versão que relega as funções do Estado moderno à mínima insignificância, conhecida pelo apodo de neoliberalismo, foi infectada pelo novo coronavírus, pegou covid-19 e está em UTI, correndo o risco de ser entubada. A cada dia em que a pandemia avança, com aumento no número de mortos, de infectados e de internados, abarrotando hospitais, mais funções e responsabilidades são assumidas pelos governos, diante de um debilitado neoliberalismo.

Ninguém, porém, tem o direito de esquecer a capacidade de resistência do enfermo. As transferências de atribuições para um Estado combalido, depois de insistentemente atacado pelo agora infectado, não podem ser entendidas como uma capitulação definitiva do doente ante um insidioso vírus heterodoxo. A infecção de agora é bem grave, talvez a mais grave desde a Grande Depressão dos anos 30, mas não é a primeira da história do neoliberalismo nem muito menos é o caso de acreditar que será a última.

Não se sabe quando o neoliberalismo sairá da UTI, se a cloroquina que lhe estão administrando ajudará na recuperação ou produzirá arritmias ainda mais preocupantes. Mas, se os exemplos da História valem de alguma coisa, é possível estabelecer um roteiro de como se dará a passagem da socialização dos prejuízos para o retorno à privatização dos lucros.

No momento em que se voltar à normalidade, ou pelo menos a uma quase normalidade, depois de um certo tempo de convalescença, o neoliberalismo, recuperado, ainda que talvez com algumas sequelas, tratará de renovar a lógica da eficiência alocativa dos mercados, se deixados livres para operar sem interferências do poder público.

Enquanto o neoliberalismo continua na UTI, coisas estranhas andam acontecendo na economia. Desde o início da pandemia de covid-19, por exemplo, o Federal Reserve (Fed), banco central da maior economia do planeta, está comprando título de tudo e de todos –até de devedores de cartão de crédito. Já “imprimiu” inéditos quase US$ 2,5 trilhões, o equivalente a mais de 10% do PIB americano, nesse período, sem que os efeitos colaterais previstos nos manuais ortodoxos dessem o ar da graça.

A inundação de dinheiro novo em folha nos mercados não resultou em desvalorização do dólar e muito menos em explosões inflacionárias. Ao contrário, apesar do aumento oceânico da liquidez, os índices de inflação, em março, recuaram 0,4%, na maior queda em cinco anos, em linha com a disparada dos pedidos de seguro-desemprego.

No resto do mundo, a “impressão” de dinheiro também está a toda, para atender a linhas de auxílio a pessoas, empresas e bancos. Nos países da Europa, os gastos públicos somam montantes que variam ao equivalente entre 15% e 30% do PIB –este último caso, na sempre austera e disciplinada Alemanha. Pela primeira em sua história, a União Europeia acionou a “cláusula geral de escape”, que retira qualquer limite de gastos públicas nos países membros.

Crises do porte da que está em curso costumam mudar paradigmas econômicos e derrubar mitos, mantidos de pé por formulações mais ideológicas do que técnicas. Foi assim, para não ir tão longe, na crise dos petrodólares dos anos 70 do século passado. Depois de sucessivos colapsos, em diversas partes do mundo, a saída da crise detonou a regra então estabelecida segundo a qual a base monetária deveria funcionar como âncora inflacionária.

É hoje risível lembrar, lá se vão quatro décadas, as preocupações do então ministro brasileiro Mário Henrique Simonsen com a “sensibilidade da base monetária”. Em busca de uma nova âncora para a inflação, economistas atravessaram uma década e meia de hiperinflação, crises cambiais e deficits fiscais, sobretudo nos países emergentes.

Dos escombros da base monetária como âncora da inflação nasceu o regime de metas. Começando com a nova Zelândia, em 1991, o regime é hoje o padrão no mundo das economias de mercado, em combinação com o câmbio flutuante. Agora, é oportuno perguntar: até quando vai se manter do jeito que é hoje?

A partir do crash financeiro de 2008, nunca até hoje completamente resolvido, uma parte das economias abraçou programas ortodoxos de rigorosa austeridade fiscal. Juros cada vez mais baixos, até ingressar em terreno negativo, não conseguiram reanimar, com o desejado ímpeto, a confiança de consumidores e investidores. Impossível impulsionar com vigor a atividade econômica diante da contração fiscal padrão.

Agora, os mantras de que os cofres estão vazios, não se pode gastar mais do que se arrecada, não há espaço para gastos sociais, há limites estritos para as dívidas públicas e outros do gênero estão sendo derrubados como castelos de areia. Há, sim, dinheiro em quantidades ilimitadas para evitar um colapso devastador dos sistemas econômicos.

O incômodo com a crescente desigualdade de renda tem impulsionado portentosos programas de renda básica, em resposta ao colapso econômico decretado pela pandemia. Pode ser este incômodo civilizatório o vetor capaz de contrapor uma face mais humana ao neoliberalismo, quando ele, curado da covid-19, voltar a acionar seu arsenal de teorias e ideologias para tentar jogar o Estado social novamente nas cordas.

*Publicado originalmente em 'Poder 360'



Conteúdo Relacionado