Economia Política

O poder infraestrutural do capitalismo de plataforma

Não podemos voltar a um mundo sem plataformas de trabalho, então sua infraestrutura digital proprietária deve ser recriada como um bem público.

21/12/2020 16:02

(Reprodução/Pixabay)

Créditos da foto: (Reprodução/Pixabay)

 
Um novo ecossistema de plataformas digitais de trabalho emergiu na última década - transformando as próprias infraestruturas do capitalismo. O crescimento das plataformas representa um movimento duplo, pelo qual certas plataformas, em áreas-chave como logística, entrega de alimentos e mobilidade, estão se tornando tão difundidas e centrais para o funcionamento das economias e da vida cotidiana que estão se tornando não apenas gigantes corporativos, mas também infraestruturas .

Nesse novo sistema, o modelo de negócios da plataforma domina não apenas como a produção é organizada, mas também como é distribuída e precificada. Neste processo, as plataformas também começam a pressionar outras infraestruturas mais tradicionais para a adoção do seu modelo de negócio, pondo em causa possibilidades de lucro e margens, bem como a eficiência de outros sistemas. A pandemia acelerou especialmente esse processo, com uma rápida 'plataformização' do trabalho em uma variedade de setores, de finanças a hotelaria, à medida que o espaço e o escopo para outras estruturas do mercado de trabalho diminuíam ou se tornavam insustentáveis sob confinamento.

Em suma, as plataformas agora moldam os mercados de trabalho em todo o mundo - e não há volta.

O íntimo financeiro

Apesar de seu papel como infraestrutura, a tecnologia de plataforma 'não é boa nem ruim; nem é neutra ', como disse Melvin Kranzberg. As tecnologias vêm com suas próprias características íntimas, carregando preconceitos, falácias e estereótipos de quem as projetou. Elas também estão situadas na lógica das organizações e instituições - as estruturas políticas e econômicas - nas quais estão inseridas, e as refletem.

No entanto, algumas dessas características íntimas são tratadas como menos problemáticas do que outras. Embora a fome de dados das plataformas seja bem conhecida, o local de onde provem essa fome não é. Embora seja amplamente conhecido o papel dos algoritmos em moldar e obscurecer métricas e processos, como fixação de preços, remuneração e taxas de comissão, o fluxo global de finanças - incluindo capital de risco, investimentos 'anjo', fundos de pensão nacionais, fundos de hedge e assim por diante - no apoio a essas plataformas para desenvolver essas tecnologias é menos reconhecido.

Essa negligência em dar atenção ao interior financeiro tem importantes consequências políticas: restringe o campo do pensamento crítico e da ação social necessários para domar o poder infraestrutural das plataformas digitais de trabalho. O foco nos fluxos de capital também destaca o desequilíbrio de poder entre aqueles que estabelecem, financiam e operam essas plataformas e aqueles que trabalham para elas ou consomem seus serviços.

Proposição 22

As disputas políticas e jurídicas contemporâneas destacam o crescente domínio financeiro das plataformas na formação da opinião pública e sua subsequente influência na regulamentação. O sucesso recente das plataformas com a Proposta 22 na Califórnia é indicativo de seu papel central em fazer lobby e fazer campanha para exercer influência e abrir espaço para si mesmas na regulamentação, enquanto se estabelecem aos olhos de financiadores e clientes.

A Proposta 22 foi uma proposição eleitoral que isentava as empresas de plataformas do AB5, uma lei trabalhista aprovada pela assembleia estadual no ano passado que teria estendido a proteção trabalhista aos trabalhadores de plataformas. O que distinguiu essa proposição de outras foi exatamente quanto as plataformas gastaram para fazer prevalecer seu interesse e as táticas de marketing difundidas que usaram para garantir um resultado favorável.

Uma coalizão de plataformas de serviços temporáriosa, incluindo Uber e Lyft, gastou mais de US$ 200 milhões promovendo sua campanha - a maior quantia gasta em uma votação na história dos Estados Unidos - enquanto os defensores do trabalho arrecadaram apenas um décimo (embora US$ 20 milhões em si não fosse um valor despresível). No dia em que a Prop 22 passou, as ações da Uber e da Lyft subiram 18 e 22 por cento, respectivamente, adicionando US$ 13 bilhões ao seu valor de mercado combinado.

Interesses do capital

As plataformas têm sido eficazes em pressionar os reguladores em todos os setores a desenvolver uma legislação favorável à sua estratégia de negócios, à custa dos direitos dos trabalhadores. Como podemos pressionar por um trabalho de plataforma justo, se os discursos públicos em torno dessa questão são moldados pelos interesses do capital como uma força maior?

Nossa pesquisa sobre o trabalho em plataformas ao redor do mundo mostra que as assimetrias entre trabalho e capital nem sempre funcionam da mesma maneira. Em alguns casos, as plataformas adotam outras estratégias além da gritante classificação errada - de trabalhadores como 'contratados independentes' - que eles defenderam na Califórnia. Na Alemanha, por exemplo, o Uber teve que adaptar sua estratégia e, em vez disso, subcontratou intermediários de transporte privados, que por sua vez empregavam motoristas. Esses contratos de trabalho terceirizados podem ser extremamente precários para os trabalhadores, com vários motoristas ganhando abaixo do salário mínimo, e outros expressando incerteza sobre se seriam segurados pela plataforma em caso de acidente.

Nosso trabalho de campo na África do Sul e na Índia reforça essas descobertas, sugerindo que as plataformas se cruzam com os contextos regionais de maneiras únicas, evitando, evadindo-se e contornando as estruturas regulatórias e os esforços de sindicalização dos trabalhadores. Portanto, é fundamental desafiar essas lógicas de exploração além do reino do direito do trabalho.

Pontos de alavancagem

Existem muitos pontos de influência social, política e regulatória para avançar em direção a um futuro mais justo para o trabalho de plataforma. O movimento cooperativo de plataforma mostra-se promissor, embora as plataformas de propriedade dos trabalhadores provavelmente não superem as multinacionais, em termos de participação de mercado e recursos financeiros - dada a forma como as atuais estruturas de financiamento que apoiam as plataformas favorecem a disrupção do mercado e a expansão irrestrita, em vez dos direitos trabalhistas.

Sanjukta Paul, professor de Direito na Wayne State University, argumenta que há um questionamento antitruste a ser feito para os direitos do trabalhador da plataforma. O objetivo seria realocar os direitos de coordenação "para os participantes menores e longe dos dominantes", de modo que "um município pudesse executar o aplicativo e coordenar publicamente o mercado, levando em consideração o interesse público".

Olhando para o quadro geral, Francesca Bria e Evgeny Morozov afirmam que o domínio da tecnologia de plataforma proprietária apoiada por capital de risco na direção e redirecionamento de processos econômicos nos impulsiona fundamentalmente a repensar e recriar a infraestrutura digital como um bem público.

Sem investimento estatal significativo e engajamento nos níveis nacional e regional, no entanto, tais ideias permanecem abstrações e esforços bem-intencionados. À medida que as plataformas se tornam infraestruturais, elas começam a servir a uma função cada vez mais pública - mas sem a responsabilidade pública para desafiar suas estruturas de governança e propriedade fundamentalmente não democráticas.

Com os mercados financeiros recompensando as plataformas por escaparem às responsabilidades trabalhistas com sucesso, as apostas para remodelar as trajetórias do capitalismo de plataforma estão mais altas do que nunca. Sem um desafio social e político compatível, será impossível evitar um futuro do trabalho onde uma queda ao fundo do poço é a única opção.

*Esse artigo faz parte de uma série sobre a Transformação do Trabalho apoiada por Friedrich Ebert Stiftung

Funda Ustek-Spilda é pesquisadora de pós-doutorado e gerente de projetos na Fairwork Foundation, Oxford Internet Institute, University of Oxford.

Pablo Aguera Reneses é assistente de pesquisa na fundação, trabalhando em comunicação e divulgação e contribuindo com pesquisas sobre economia de gig.

Fabian Ferrari é um estudante de doutorado na Universidade de Oxford e pesquisador do projeto Fairwork.

Matthew Cole é um pesquisador de pós-doutorado que trabalha no projeto, ajudando a liderar várias partes dele em diferentes países e planejando estratégias de como institucionalizar os princípios do Fairwork em toda a economia de plataforma.

Mark Graham é professor de geografia da Internet no Oxford Internet Institute e diretor da Fairwork Foundation.

**Publicado originalmente em 'Social Europe'





Conteúdo Relacionado