Economia Política

O regime dos rentistas e a direita

17/06/2011 00:00

Paul Krugman (*)

Bob Kuttner escreveu um excelente artigo em The American Prospect sobre a “política da dívida” (1). Gostaria de refletir um pouco sobre isso.

Se observamos as exigências de política econômica que vêm da direita diante do atual desmoronamento econômico, poderíamos dizer que parecem notavelmente insensíveis ao fato de que, precisamente, nos achamos em uma situação de desmoronamento econômico. No começo, alguns conservadores bradavam pelo uso de políticas monetárias, não fiscais, para estimular a economia (e tínhamos os que, como Greg Mankiw e Ken Rogoff, reclamavam um período de inflação acima do normal). Mas rapidamente foram silenciados e o que a direita exige agora não é somente austeridade fiscal (ainda que sem aumentar impostos), mas também rigor monetário. Os monetaristas modernos, como Scott Sumner, encontram-se agora sem abrigo político.

O que explica essa oposição a qualquer meio concebível para mitigar o desastre? Posso imaginar várias causas, mas Kuttner argumenta muito bem a favor desta explicação: tudo o que estamos vendo só tem sentido se a direita política se converteu na representante dos interesses dos rentistas, dos credores portadores de títulos do passado – bônus, empréstimos -, ou seja, de pessoas que vivem em total contraste em relação àqueles que tratam de ganhar a vida produzindo coisas. A deflação é um inferno para os trabalhadores e para os proprietários de empresas produtivos, mas é o céu dos credores.

Não quero dizer com isso que estamos assistindo a um exercício de cinismo. Minha experiência é que há relativamente pouca gente capaz de manter conscientemente em segredo uma estante de livros intelectuais e que predique o regresso neandertalense ao padrão ouro, porque isso favorece seus interesses, ao mesmo tempo em que relê Keynes à noite para saber o que está realmente ocorrendo. Não, eu acredito que, em geral, as pessoas terminam por acreditar em tudo aquilo que se adequa a seus interesses. E talvez nem sequer isso: suspeito que haja um bom número de proprietários de pequenas empresas que acreditam fielmente nos alertas de hiperinflação lançados por Glenn Beck, em 2010, sem perceber que a intimidação do Federal Reserve [BC dos EUA] é precisamente o que os manteve flutuando.

De modo, pois, que pensar no que está ocorrendo em termos de um regime dominado por alguns rentistas que privilegiam seus interesses às custas da economia real ajuda muito a entender a situação.

(1)Tradução em espanhol no SinPermiso.

(*) Paul Krugman é professor de Economia da Universidade de Princeton e Prêmio Nobel 2008.

Tradução: Katarina Peixoto


Conteúdo Relacionado