Educação

Não é crise, é projeto

 

06/05/2019 16:39

Bolsonaro dá concretude ao seu discurso anti-conhecimento (José Cruz/Agência Brasil

Créditos da foto: Bolsonaro dá concretude ao seu discurso anti-conhecimento (José Cruz/Agência Brasil

 
Nunca fez tão sentido a frase de Darcy Ribeiro, segundo a qual a crise na educação brasileira não é uma crise, mas um projeto das elites. Na semana que passou, o governo Bolsonaro deu concretude ao seu discurso anti-conhecimento, que dialoga com a extrema-direita e faz acenos aos empresários da educação. Depois de anunciar redução de verbas para cursos de Humanas, descobrir que não podia e então defender o bloqueio no repasse de recursos a três universidades federais que tinham sido palco de protestos (UnB, UFF e UFBA), o ministério da Educação resolveu anunciar então que o bloqueio de 30% na verba das instituições vai valer para todas as universidades e todos os institutos federais no segundo semestre. A UFBA, por exemplo, teve bloqueio repentino nos recursos de custeio, provavelmente por motivação ideológica do ministro Abraham Weintraub. Como disse Fernando Haddad, ex-ministro da Educação, "este governo é contra o pensamento crítico, é contra a ciência”, e estes cortes fazem parte de “um projeto político, não tem nada a ver com economia”. Um projeto que, curiosamente, vem desde o impeachment. Reportagem do UOL na quinta (2) mostrou que o investimento em educação no Brasil caiu 56% nos últimos quatro anos. Entre 2014 e 2018, diminuiu de R$ 11,3 bilhões para R$ 4,9 bilhões

Alvo inicial da tesoura do ministro, UnB, UFF e UFBA estão entre as 20 melhores universidades brasileiras no Ranking Universitário Folha e entre as dez instituições brasileiras que mais aumentaram a produção científica na última década de acordo com a base internacional Web of Science. As informações são de dois pesquisadores da Unicamp e da Unifesp em artigo para a Folha.

Enquanto isso, o bolsonarismo segue incentivando ameaças contra professores. Como já dissemos mais de uma vez: o projeto Escola Sem Partido nem precisa ser aprovado, pois já acontece na prática. Bolsonaro chegou a publicar em seu Twitter o vídeo em que uma estudante instiga uma professora de cursinho a criticar Olavo de Carvalho. Logo ficou-se sabendo que a autora do vídeo, Tamires de Souza Costa de Paula, é secretária-geral do PSL em Itapeva (SP) e chegou a registrar candidatura a deputada estadual pelo partido em 2018.

*O texto faz parte da coluna Boletim Ponto, publicado originalmente no site Brasil de Fato



Conteúdo Relacionado