Educação

Sua voz na conjuntura: Defesa da Educação Pública

O objetivo é amplificar a palavra de intelectuais, lideranças sociais e políticas, na construção da ampla convergência de forças e projetos que a encruzilhada brasileira cobra de todos os democratas e progressistas

21/08/2019 18:13

 

 
Defesa da Educação Pública– os recentes "tsunamis" de massa poderão impulsionar novas metas e níveis de organização num segmento social que influencia cerca de 50 milhões de brasileiros e brasileiras?

Como isso pode ser feito?

Deve-se caminhar para a organização de instancias propositivas – fóruns ou conferências nacionais, por exemplo —  que consolidem alternativas de políticas para a educação pública, a contrapelo da asfixia em curso?

Ouça o último podcast:
Reinaldo Centoducatte, Reitor da UFES - Universidade Federal do Espírito Santo
Governo corta verbas das Universidades e inviabiliza o ensino superior público no país.
É preciso esclarecer a população sobre a importância da educação como principal fator de ascensão social.
A sociedade deve continuar se mobilizando contra os ataques ao ensino e ao saber.
Tudo o que prejudica a educação é ruim também para o Brasil.


Ouça os podcasts anteriores:

Pedro Hallal, Reitor da Universidade Federal de Pelotas - UFPel
Com o "Future-se" não se pode vislumbrar Universidades públicas e gratuitas no futuro do Brasil
Em Pelotas, a UFpel injeta nada menos de R$ 700 milhões por ano na economia do município.
Nenhuma outra instituição traz tanto recurso para a cidade e região.
O único hospital cem por cento SUS em Pelotas é o da Universidade com 175 leitos.
É um momento de muita mobilização. Aqui, temos certeza de que mais de 80 por cento da população defendem a UFpel.
 


Marcelo Knobel, Reitor Unicamp
Sem boas universidades, o Brasil não tem futuro
Há um forte déficit de comunicação por parte das Universidades públicas.
É preciso o engajamento de todos para mostrar à sociedade o que é feito nas universidades.
Exemplo: CPI no Estado de SP solicitou todas as pesquisas realizadas nos últimos 8 anos. Não tem noção do que isso significa em quantidade e volume.

Wagner Romão, Presidente da Associação de Docentes da Unicamp e Coordenador do Fórum das 6 (USP, UNESP, UNICAMP).
Autonomia universitária permite ao pesquisador buscar o interesse público; sem ela, fica refém do mercado
Em SP  o nosso grande trunfo é a autonomia financeira que o governo do Estado quer 'flexibilizar'
Proposta orçamentária para a educação em 2020 agrava ainda mais o quadro atual de quase paralisia
Em todo mundo há um cerco ao saber, é vital que a sociedade defenda a liberdade de aprender e de ensinar

Márcio Pochmann, Doutor em Ciência Econômica, Presidente da Fundação Perseu Abramo, do Partido dos Trabalhadores.
Asfixiar a universidade pública põe em risco 95% da pesquisa brasileira
Está em jogo um dos maiores sistemas de ensino superior do mundo
São 2.448 instituições, 35,4 mil cursos, 1,1 milhão de formandos, 50 mil mestres, 17 mil doutores e 3,2 milhões de novos estudantes por ano
Extensão do ensino público realiza 17,4 milhões de exames médicos por ano, 6,8 milhões de consultas, 232 mil cirurgias e 1.398 transplantes
Arrocho atual piora um gasto per capita com universitários que já é inferior aos da Indonésia, Colômbia, Argentina, Chile, México e 3% do norte-americano

Gilberto Maringoni, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC
'Future-se' ataca o que a Universidade tem de melhor: ela é pública, gratuita e de massa.
Objetivo é descomprometer o Estado de bancar a Universidade, acusada de ser 'um ralo de dinheiro público'
Supor que empresas internacionais vão financiar  pesquisa aqui é ignorar a dinâmica global e a experiência histórica
Telesp tinha um centro de inovação em Campinas, quando foi privatizada por FHC o centro foi  extinto

Egas Moniz Bandeira, advogado, pesquisador do Centro de Estudos da Ásia Oriental da Universidade Autônoma de Madrid.
Não conheço nenhum outro  lugar que trate a educação como inimiga
Há toques de ressentimento pessoal e desforra ideologia na ação contra a Universidade
O utilitarismo raso do governo trata papel emancipador da educação como balbúrdia
No Japão, maior aspiração ao sair da Universidade é trabalhar no setor público e não 'empreender'


Jorge Barcellos, historiador, doutor em Educação, Coordenador de Cursos da Câmara Municipal de Porto Alegre.
'Formar uma frente de salvação da educação nacional'
Ampliar a participação também para os diversos níveis da educação paraescolar.
Debater cada vez mais amplamente os temas direta ou indiretamente ligados ao ensino e à cultura.

Hector Poggiese, professor argentino da FLACSO - Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais
'Não é só no Brasil, em toda América Latina há uma ofensiva contra o papel emancipador da educação'
Revogar o acesso à educação como direito democrático é o objetivo das elites em nossa região
Universidades estão sendo submetidas a uma asfixia financeira  só comparável a do ciclo militar
Precisamos de uma rede latino-americana para defender a escola contra o ataque das elites globalizadas

Aluisio Schumacher, Professor de Ciências Sociais da UNESP.
'Meta do Future-se é adestrar a Universidade na lógica do lucro
Gestão, pesquisa, inovação  passam a se orientar por critérios do mercado financeiro
Os códigos  de eficiência mercantil levarão à asfixia do conhecimento crítico e emancipador
 É preciso reagir: a terceirização de atividades fins da Universidade é inconstitucional

Juarez Guimarães, Professor de Ciência Politica da UFMG
A luta pela educação pública pode se tornar um laboratório de reconstrução do país
Ataca-se a universidade cortando-se verba e filtrando-se quem pode ou não ser reitor sob este governo. O eixo do Future-se é transferir a gestão da universidade a organizações privadas com fins lucrativos. A defesa da educação pública pode unir o Brasil: ela é quase um consenso, tem força massiva e abrangência nacional

Liszt Benjamin Vieira, Doutor em Sociologia, professor da PUC-Rio de Janeiro.
Sem educacão, o Brasil voltará a ser colônia, sem autononia e sem futuro.
A defesa da educação exige que os setores da sociedade civil construam um grande fórum nacional para definir as prioridades de uma luta democrática que é de todos


Reginaldo Moraes, professor de Ciência Política da Unicamp.
Educação pública enfrenta ataques de bárbaros.
É preciso construir em cada lugar e em cada momento as bases organizadas de um grande fórum permanente em defesa da educação brasileira


Ouça os outros temas de 'Sua voz na conjuntura':

- Crise econômica internacional se agrava

- Democracia x Arbítrio


Conteúdo Relacionado