Histórias do Futuro

Agência Internacional de Energia propõe o fim do investimento em novas instalações de petróleo e gás

Poucos meses antes da COP26, a organização apresenta um roteiro global para descarbonizar o setor de energia até 2050 e limitar o aquecimento global

20/05/2021 10:51

Usina solar instalada na antiga base aérea de Marville (Meuse), em operação desde 1º de maio de 2021 (Jean-Christophe Verhaegen/AFP)

Créditos da foto: Usina solar instalada na antiga base aérea de Marville (Meuse), em operação desde 1º de maio de 2021 (Jean-Christophe Verhaegen/AFP)

 
Há, no horizonte remoto, um mundo em grande parte livre de carbono. E há um caminho a percorrer para chegar até lá. Para o setor de energia, o caminho rumo à meta de “emissões líquidas zero” em 2050 promete ser repleto de armadilhas: em qualquer caso, significa iniciar sem demora uma mudança radical e sistêmica.

É esta "tarefa monumental" que a Agência Internacional de Energia (AIE) descreve em um relatório crucial divulgado terça-feira, 18 de maio. Escrito a pedido da presidência da Conferência Mundial do Clima (COP26), o relatório deverá permitir a preparação das negociações previstas para novembro na Escócia - o setor energético é hoje fonte de três quartos das emissões de gases de efeito estufa.

Nos últimos anos, um grande número de países se comprometeu a alcançar “emissões líquidas zero” nas próximas décadas. Mas, apesar desse compromisso, a conta não fecha. Mesmo se todas as promessas fossem cumpridas, cerca de 22 bilhões de toneladas de CO2 ainda seriam emitidas em 2050. Um resultado incompatível com a limitação do aquecimento global a 1,5 ° C - uma meta que a AIE está claramente endossando pela primeira vez.

É importante destacar que a maioria dos compromissos não se traduziu em ações concretas. “Há uma enorme distância entre a retórica e a realidade”, diz Fatih Birol, o diretor executivo da AIE. Este ano deve ser um dos piores em emissões de CO2. Produzimos este relatório para mostrar aos formuladores de políticas que o setor de energia deve atingir uma transformação total até 2050. Porque, até agora, muitos deles ainda não compreenderam isso".

Para uma implantação massiva de energias limpas

Este roteiro da AIE, produzido a partir de modelos, mostra como poderia ser o sistema de energia de 2050. Nesse cenário de “emissão líquida zero”, a demanda global de energia cai 8%, apesar dos 2 bilhões a mais de habitantes do planeta. A demanda por eletricidade dobra e a participação das energias renováveis aumenta oito vezes, de 29% da produção total de eletricidade em 2020 para 90% trinta anos depois. Painéis fotovoltaicos são instalados em 240 milhões de telhados, contra 25 milhões hoje.

Os combustíveis fósseis tornam-se coisa do passado: o uso do carvão cai 90%, o do petróleo 75%. A participação do nuclear dobra, permanecendo abaixo de 10% da produção global, e novas tecnologias se desenvolvem: a demanda por hidrogênio, por exemplo, é multiplicada por seis. “Os principais pilares da descarbonização do sistema energético global são a eficiência energética, as mudanças comportamentais, a eletrificação, as energias renováveis, o hidrogênio e os combustíveis à base de hidrogênio, a bioenergia e a captura e armazenamento de carbono”, resume o relatório.

Antes disso, a próxima década terá um papel decisivo. A AIE, portanto, apela para uma implantação "imediata e massiva" de todas as fontes de energia limpa. Quase 630 gigawatts (GW) de energia solar fotovoltaica e 390 GW de energia eólica precisarão ser instalados a cada ano até 2030, quatro vezes o nível recorde registrado em 2020.

Ao mesmo tempo, a AIE exorta-nos a virar a página dos combustíveis fósseis sem demora. Além dos projetos já aprovados, nenhum investimento em novas instalações de petróleo ou gás ou em novas usinas a carvão sem uma solução de captura ou armazenamento de carbono deve ser feito, diz ela.

“Esta declaração é um terremoto”, disse Marc-Antoine Eyl-Mazzega, diretor do Centro de Energia e Clima do Instituto Francês de Relações Internacionais (IFRI). “A AIE dá as costas à indústria de petróleo e gás que ela sempre apoiou. Esta é uma mensagem muito forte."

400 "etapas" a ultrapassar

Terceiro curso de ação: priorizar a inovação. Se a implantação de soluções existentes, como a energia solar e eólica, pode reduzir significativamente as emissões de gases de efeito estufa até 2030, será necessário, nas próximas décadas, contar com tecnologias que ainda estão agora apenas no estágio experimental de protótipo ou demonstração. “Precisamos dessas tecnologias para a indústria pesada, aviação, transporte marítimo ... Se os governos levarem seus compromissos a sério, eles devem fazer do investimento em inovação uma de suas prioridades”, insiste Fatih Birol.

Para apoiar essa transição, a AIE estabelece cerca de 400 "etapas" a serem ultrapassadas em todos os setores. Marcos que podem parecer mais ou menos alcançáveis, mas que devem estimular os governos a estabelecer objetivos mensuráveis %u20B%u20Be de curto prazo.

Em 2025, a AIE planeja proibir a venda de caldeiras a óleo. Em 2030, 60% dos carros vendidos serão elétricos (em comparação com 5% em 2020); em 2035, as economias avançadas terão um setor de eletricidade com “emissão líquida zero”. Até 2040, metade dos edifícios terão sido renovados de forma eficiente… Fornecer eletricidade a 785 milhões de pessoas que não têm acesso a ela e soluções de cozinha adequadas para 2,6 bilhões de habitantes também fazem parte do plano.

Essas grandes transformações obviamente têm um custo: a AIE estima que os investimentos no setor de energia terão que aumentar de 2 trilhões para 5 trilhões de dólares (até 4,1 trilhões de euros) por ano até 2030. "Este aumento histórico nos investimentos em energia limpa pode levar a um maior crescimento global e gerar grande número de novos empregos ", diz Fatih Birol.

As mudanças necessárias prometem ser colossais

A AIE não faz segredo disso: esse roteiro contém muitas incertezas inerentes a esse tipo de exercício prospectivo. Mudanças no comportamento dos cidadãos, no papel da bioenergia e no desenvolvimento de técnicas de captura e armazenamento de CO2, em particular, são evoluções difíceis de antecipar ou sobre as quais não haverá consenso. Organizações ambientais já criticaram o aumento planejado do uso da bioenergia. "A AIE precisa retomar a pesquisa e repensar a parte bioenergética desse cenário", disse Mary Booth, diretora do grupo de pesquisa em bioenergia dos Estados Unidos Partnership for Policy Integrity.

Quaisquer que sejam as configurações precisas dos vários parâmetros deste cenário, as mudanças necessárias devem ser colossais. Elas exigem "foco inabalável" de todos os governos, bem como uma cooperação internacional aprimorada. "O caminho para alcançar a meta é estreito, mas sempre é possível alcançá-la", espera Fatih Birol.

*Publicado originalmente em 'Le Monde' | Tradução de Liszt Vieira





Conteúdo Relacionado