Arte/Humor

Diário do Bolso, 1º de novembro de 2020

 

01/11/2020 15:07

 

 

Diário, não é à toa que eu tive que tirar uma pedra da bexiga. É muita encheção de saco!

Eu e minha turma estamos sendo mais vigiados que mendigo em porta de condomínio de luxo.

Agora foi a vez do Rachadinho, quer dizer, o Flavinho (aqui em casa a gente chama ele assim). O site Metrópoles descobriu que ele pediu reembolso das passagens para Fernando de Noronha, pronde ele foi com a mulher passar o feriado de Finados. Na mesma hora, a assessoria do Rachadinho disse que foi um erro e que vai cancelar o reembolso. O meu pessoal vai acreditar.

E tem mais: aqueles ex-amigos da Crusoé e aquela chinesa da Thaís Oyama contaram que o Ricardo Salles também está em Fernando de Noronha. E no primeiro dia de trabalho ficou cinco horas tomando vinho branco com os amigos num bar. O Ricardão foi num jato da FAB, está numa pousada que custa mais de R$ 1.800 por dia e levou a patota toda: foi o Gilson, aquele sanfoneiro que é presidente da Embratur, o Marcelo Álvaro, ministro do Turismo (que a gente chama de Laranjão), o secretário da Pesca, o presidente do ICMBio e mais cinco assessores, inclusive uma coordenadora de cerimonial, que deve ser pra ensinar o pessoal a beber vinho branco de dedinho levantado, kkk!

Acabou? Não. Tem mais! Aquela revista nordestina, a Piauí, contou que o ministronauta Marcos Pontes inventou uma secretaria de Articulação e Promoção da Ciência para a sócia dele, a Christiane Corrêa. E ela não é cientista nem nada. A moça já viajou para Estados Unidos, Índia, China, Israel, Espanha, Antártica, França, Áustria, Emirados Árabes, Catar e Suíça. Tem um decreto meu que diz que, para ocupar um cargo tão alto, a pessoa tem que ter mestrado, experiência de cinco anos em atividade correlata ou três anos em cargo de confiança. Pô, existe maior cargo de confiança do que sócio?

Ah, e tem mais futrica ainda! Um leitor do Intercept (será que eles têm esse nome porque interceptam ligações telefônicas?) tanto fuçou, tanto pediu documento, que o governo teve que admitir que não fez nenhum plano nacional de combate à covid. Mas plano pra quê? O treco é simples: morreu, enterra.

Se for um mexeriqueiro, melhor ainda.

#diariodobolso

Conteúdo Relacionado