Arte/Humor

Diário do Bolso, 1º de outubro de 2019

A reforma da Previdência é igual o kit gay: uma mentirinha inocente. O trabalho foi bem feito. Coisa de profissional. O Paulo Guedes tinha uma tese e aí o pessoal dele fez os números darem o resultado que ele queria.

01/10/2019 14:51

(Agência Senado)

Créditos da foto: (Agência Senado)

 
Pô, Diário, logo agora, na véspera de votar essa porcaria da Previdência, uns professores da Unicamp descobriram a falcatrua nos números do Paulo Guedes.

Mas tudo bem, porque isso só vai sair na CartaCapital e nuns sites de esquerda, e aí ninguém vai ver.

As seis centrais sindicais até estão fazendo barulho, pedindo a suspensão da votação de hoje. Mas que político liga para central sindical hoje em dia? Elas são que nem carro velho: fazem barulho mas não saem do lugar.

Olha, Diário, o trabalho foi bem feito. Coisa de profissional. O Paulo Guedes tinha uma tese e aí o pessoal dele fez os números darem o resultado que ele queria. Número é assim mesmo, volúvel. Você pega um 9, vira de cabeça para baixo e tem um 6. Põe um 3 na frente de outro e tem um 8.

Em abril, o governo decretou sigilo sobre os dados que embasaram a Nova Previdência. Mas aí o Paulo Guedes quis dar uma de bonzinho e liberou parte das informações. Mesmo sem as planilhas com a memória de cálculo, os unicampistas comunistas perceberam as maracutaias.

Por exemplo, para calcular o custo de uma aposentadoria por tempo de contribuição, o governo usou os números de uma aposentadoria por idade mínima. Só aí já ferrou tudo.

Pra piorar, a turma do Posto Ipiranga também calculou o déficit da aposentadoria por idade mínima usando o pico e não a média dos salários. Aí enlameou de vez.

Botaram água na gasolina, kkk!

Tem também um monte de outros “errinhos” que eu não vou explicar aqui porque esse negócio de economia me dá gastrite. O que importa é que o Guedes deu um jeito de parecer que a coisa estava pior do que estava e que ia ficar melhor do que vai ficar.

Foi uma mentirinha inocente, tipo o kit gay.

Esses números foram usados nas apresentações que o Rogério Marinho, secretário especial da Previdência, fez para a imprensa e na Câmara dos Deputados.

Se político tivesse vergonha na cara, ia pedir que recalculassem tudo. Mas eles têm? Não mesmo! É tudo cara de pau. A gente usa óleo de peroba em vez de creme de barbear, kkk!

A lei vai passar. As emendas parlamentares já foram pagas e não tem ninguém gritando na rua.

Diário, ainda bem que eu me aposentei aos 33 anos.

Minha pensão acima de tudo, eu acima de todos!

Via @diariodobolso



Conteúdo Relacionado