Arte/Humor

Diário do Bolso, 13 de julho de 2020

 

13/07/2020 12:24

 

 
Ufa!

Até que enfim...

Chegamos ao último dia da campanha de financiamento coletivo do “Diário do Bolso 3 – 500 dias no quinto dos infernos”.

Pessoas de 18 estados entraram na campanha (e também teve gente da Argentina, do Japão, da Alemanha e dos EUA). Lendo a lista dos apoiadores, fico pensando em que será Maria, a solitária apoiadora do Maranhão, e se Moro estará entre os 13 paranaenses, o terceiro estado com mais apoiadores, só atrás de SP e RJ. Hum..., acho que não.

A campanha do “DdB 3” já bateu um recorde. Foram adquiridos 565 livros até agora, contra 497 no “DdB 1” e 353 no “DdB 2”. E estamos perto de bater o recorde de número de apoiadores: foram 194 no segundo livro, 362 no primeiro e, por enquanto, 345 neste.

Curiosamente, muitos optaram por pagar mais de dez reais, o que eu interpreto como: “Sim, eu quero o livro, mas o mais importante é que o Diário do Bolso continue, porque ler esse treco me ajuda a evitar uma úlcera”. A esses, só posso responder que eu nem tenho opção, porque fazer o Diário também é o que segura minha gastrite.

Não haverá lançamento, mas todos os apoiadores receberão convites para uma conversa pelo Zoom. Provavelmente será às 19h00 do dia 20, porque o Catarse precisa deste tempo para fazer a lista final.

Porém, amanhã mesmo já começo a mandar as recompensas para os primeiros apoios confirmados. Assim, no lançamento, poderemos conversar sobre os textos (além de xingar o Bolso, é claro).

O livro vai em pdf, mas é um livro de verdade, com ISBN, ficha catalográfica, diagramação, revisão, edição, etc... Só não é em papel. E fazê-lo em pdf e não em e-book foi uma opção para deixar o livro colorido, mais belo, mais barato e também para ele poder ser copiado livremente. A graça é que ele seja espalhado por aí.

Fica aqui um antecipado agradecimento a Ivo Minkovicius, que fez as ilustrações e o projeto gráfico, a Maria Rita, editora sempre com boas ideias, a Annita, revisora que viu erros que eu jamais veria, e aos 30.903 seguidores da página, de quem roubei um sem número de piadas.

O link, neste derradeiro dia, é este: https://www.catarse.me/DiariodoBolso3?ref=project_link

#diariodobolso

PS: Uma curiosidade inútil, mas divertida: a expressão “quinto dos infernos” surgiu no período colonial para se referir à quinta parte do ouro que se pagava a Portugal. Com o tempo, o apelido deixou a taxa e foi para o local de pagamento. Ou seja, “o quinto dos infernos” é aqui. Ainda mais depois do Bolsonaro.






Conteúdo Relacionado