Arte/Humor

Diário do Bolso, 18 de abril de 2020

 

18/04/2020 12:11

 

 
Pô, Diário, ler é um negócio difícil. Aquele tal de teleprompter é um inferno. As letras passam muito rápido e ele fica muito longe, não dá para botar o dedo para ajudar.

Então o jeito foi usar ponto eletrônico na coletiva sobre o demissão do Mandetta e a chegada do Tropeço, quer dizer, do Coveiro, quer dizer, do Tich (pô, não posso bobear e chamar ele pelos apelidos na reunião ministerial).

Foi bom, que assim eu falei mais devagar, porque eu tinha que escutar o que me diziam e depois repetir. Parecia até que eu estava pensando, Diário!

O treco era bem claro, cor de carne (carne de branco, né? kkk!) e ficava quase invisível na orelha. Eu pensei que ninguém ia reparar. Mas na mesma hora o pessoal já começou a fazer piadinha nas redes sociais. Disseram que eu sem ponto eu não sabia nem cantar o hino nacional; que não era ponto eletrônico, mas o meu cérebro; que era cera de ouvido e mais um monte de bobagens.

Só que o mais importante, Diário, é saber quem tava falando na minha orelha. Isso é segredo. Mas eu vou colocar aqui dez opções e você escolhe uma, talkei? Vamos lá:

( ) O Trump

( ) O Wajgarten

( ) A Regina Duarte, que é craque nisso

( ) O Olavo de Carvalho

( ) O Carluxo

( ) O general Heleno

( ) O Queiroz

( ) O Carioca (e, na verdade, eu que imito ele)

( ) O Coronavírus

( ) Ou o Diabo

Como diria o Toni Ramos, Diário: "Você decide". Kkk!

@diariodobolso



Conteúdo Relacionado