Arte/Humor

Diário do Bolso, 18 de setembro de 2020

 

18/09/2020 18:22

 

 
Grande dia, Diário, eu ganhei! Eu ganhei o Nobel!

E melhor ainda: ganhei junto com o Trump!

Agora a gente pode cantar aquela música “We are the champions!” daquele cantor bigodudo. Aliás, aquilo é que é bigode de macho!

Pô, nenhum brasileiro tinha ganhado o Nobel. Fui o primeirão!

Também, pudera, nunca antes na história desse país teve um presidente que nem mim.

A justificativa foi que eu e o Donald tivemos um "efeito mais imediato sobre a vida e sobre a morte do que cientistas e médicos na gestão da pandemia do novo coronavírus ".

Isso é que é elogio! Viva a cloroquina!

Aliás, será que é Nobel de Química ou de Medicina? Preciso ver isso daí.

De acordo com os organizadores, o objetivo é "celebrar o incomum, homenagear a imaginação e estimular o interesse das pessoas na ciência". Poxa, eu sabia que um dia iam reconhecer o meu valor, porque se tem alguém com pensamento incomum sou eu.

Eu penso umas coisas que só eu que penso, de tão gênio que eu sou.

Mas o melhor de tudo, Diário, é que vai ter prêmio em dinheiro!

Os vencedores ganham uma nota de 10 trilhões de dólares do Zimbábue. Eu não sei quanto está o câmbio do dólar zimbabuezano, mas deve dar um dinheirão.

Opa! Agora que eu pensei numa coisa: será que eu vou ter que rachar o prêmio com o Trump? Ah, se tiver, tudo bem. Rachadinha é a especialidade da família.

Só achei estranho uma coisa: eu lembrava que o nome do prêmio era Nobel. Mas a imprensa disse que eu ganhei o “Ig Nobel”. Acho que “Ig” é o primeiro nome do tal do Nobel.

Bah, isso não faz a menor diferença. O que importa é que agora eu sou um nobelizado.

Grande dia, Diário, grande dia!

 #diariodobolso

Conteúdo Relacionado