Arte/Humor

Diário do Bolso, 2 de setembro de 2019

 

02/09/2019 12:41

 

 
Diário, na minha vida eu já ganhei um monte de apelidos.

O primeiro que eu me lembro é “Cavalão”, que é do tempo de exército. Mas até hoje eu não sei se eles me chamavam assim pela minha saúde ou se era pelo meu jeito mesmo.

Tem uns esquerdistas que me chamam de “Bolsonazi”, porque dizem que eu sou um nazista. Mas o Ernesto Araújo, que é grande intelectual, já falou que o nazismo é de esquerda. E eu concordo. Se uma coisa é ruim, é porque é de esquerda, pô!

Um apelido que eu gosto é “Trumpnaro”, porque mistura meu nome com o do Donald. Eu mesmo já tinha escrito esse nomenum caderninho só para ver como ficava...

“Capitão Motosserra” eu mesmo me dei, porque eu sou isso mesmo. Se depender de mim, no Brasil só vai ter árvore de natal, kkk!

Um que eu acho maldoso é “Capetão”. Afinal, o Capeta é a favor de matar e torturar gente, gosta de fogo, xinga todo mundo... Opa! Melhor eu parar de pensar nisso.

“Bozo” é palhaçada. Nem ligo.

Quando eu estava nos EUA, me chamaram de “Capitão Pateta”. Desse eu gostei, porque eu sempre achei o Pateta o personagem mais inteligente da Disney. Nem sei porque tem gente que acha graça nele.

“Johnny Bravo” é outro apelido que eu que me dei para mim. Mas não pegou. Que pena, porque ele é machão, bonitão e tem um topete loiro que nem eu queria ter.

Ultimamente estão falando muito em “Bolsonero”, porque parece que um tal de Nero botou fogo em Roma e eu estou botando fogo na Amazônia. Falando nisso, se eu fosse presidente da Itália mandava derrubar aquela velharia do Coliseu e colocava um baita shopping lá. A gente tem que ser moderno, pô.

E o meu apelido mais recente foi dado pelo pessoal do Centrão. Eles deram pra me chamar de “Dilmo”. Uns dizem que é porque eu sou grosso que nem ela. Outros, que é porque diziam que com a Dilma o dólar ia chegar a 4 reais, mas chegou foi comigo. E tem uma turma que fala que é porque eu vou acabar impichado que nem ela.

Olha, Diário, esse apelido já é bem ruim, mas o pior é que, sempre que eu escuto “Dilmo”, fico me imaginando de vestido vermelho e me dá uma sensação estranha...

@diariodobolso

Conteúdo Relacionado