Arte/Humor

Diário do Bolso, 20 de abril de 2020

 

20/04/2020 14:35

 

 

Ah, Diário, que fim de semana!

Ontem dei mais um rolezinho. E com discurso. Subi num carro e falei um monte de coisa. Nem lembro o quê. O pessoal gritava “Fora Maia!”, pedia o AI-5 e levantava cartaz de “Fecha o Congresso”. Mas o que eu mais gostei é que tinha um monte de faixas (todas iguaizinhas) com a frase: “Intervenção militar com Bolsonaro no poder”.

Enfim, uma festa da democracia.

Em São Paulo também teve manifestação, e até com buzinaço na frente de hospital. Todo mundo saiu do carro, conversou e fez live. Lá não tem covardia. Se eles morrerem, vou mandar coroa de flores pra todo mundo.

Sabe, Diário, eu acredito naquele ditado: “Se a vida te dá limões, taca eles no vizinho”. Tanto que, aproveitando essa doença aí, vou substituir uns programas do governo.

No lugar do “Minha casa, minha vida”, vou fazer o “Minha vala, minha morte”. E, em vez do “Bolsa Família” vou fazer o “Saco Preto Família”. Boas ideias, né? Cabeça não foi feita só para usar quepe.

Falando em boas ideias, os governadores têm que seguir o exemplo da milícia de Rio das Pedras, que fez o comércio voltar ao trabalho. Milícia merece respeito, pô. Tanto que essa semana revoguei umas portarias de identificação e rastreamento de armas. Já pensou em como isso ia atrapalhar o serviço do pessoal?

Mas o que importa é que eu sou assunto no mundo todo. Na semana passada saí numa revista importante aí, chamada The Economist. Ela falou de mim e de mais três presidentes.

O primeiro foi o Ortega, da Nicarágua, que disse que fazer quarentena é exagero, e por isso lá nada parou, nem o futebol, nem as escolas (apesar de que os netos do Ortega ficam em casa).

O segundo é o cara do Turcomenistão, que proibiu as pessoas de falarem “coronavírus” e recomendou o uso da fumaça de um tipo de arruda para matar o bicho. Cada país tem a sua cloroquina, talkei?

E o terceiro é o Lukashenko, presidente da Bielorrússia, que receitou sauna e vodca para acabar com o vírus. Se ele está há 26 anos no poder, é porque sabe das coisas, é ou não é?

Resumindo, estou na companhia de grandes pensadores, Diário. É que nem diz aquele outro ditado: “Diga-me com andas e te direi se vou junto”.

@diariodobolso


Conteúdo Relacionado