Arte/Humor

Diário do Bolso, 28 de janeiro de 2020

 

28/01/2020 10:41

 

 
Diário, hoje eu acordei arrancando os cabelos.

Primeiro porque eu não gosto de índio e tô numa terra cheia de índio indiano.

Segundo, porque a comida daqui é horrível. Eu fico só no miojo. E sabor bolonhesa, que pra mim vaca não é sagrada, kkk!

E em terceiro lugar porque a Foice de S.Paulo fez mais uma reportagem contra o Fábio Waingarden..., Wajgengaten..., Waginagorden..., sei lá o nome dele. O Fabinho da Secom, pô.

O jornaleco falou que, na primeira parte da campanha de mídia da Previdência, a Globo ficou com a maior parte do dinheiro, porque era a tevê com mais audiência.

Mas, na segunda parte da campanha, quando o Fabinho já era chefe da Secom, a coisa foi bem diferente. Eles receberam só R$ 2,6 milhões. E as outras tevês ganharam bem mais. Mesmo com menos audiência.

A Record, do meu amigo Edir, recebeu R$ 6,5 milhões. O SBT, do meu broder Silvio, ficou com R$ 5,4 milhões. A Band, do meu chapa Datena, ganhou R$ 1,1 milhão.

A Folheca de S.Paulo insinua que essas tevês ganharam mais porque são clientes da FW, a empresa do Fabinho. Mas não é por isso, pô! É porque a gente não liga pro índice de audiência. Só pro índice de puxassaquismo. Quem me elogia mais, ganha mais.

Por exemplo, a Rede TV!, do Marcelo de Carvalho, que lambe a minha bota na internet, ganhou R$ 1 milhão. E olha que ninguém assiste aquilo lá.

Fora isso, o Fabinho também passou a distribuir dinheiro para emissoras pequenas, mas amiguinhas.

A Rede Gênesis, da Igreja Sara Nossa Terra, do ex-deputado Robson Rodovalho, embolsou R$ 176,3 mil. O Róbson é quase um irmão. Daqueles de dividir palito de dente. Tanto que de vez em quando até faço um discurso lá na igreja dele.

A TV Canção Nova, da Renovação Carismática Católica, recebeu R$ 146,9 mil. Ela não é evangélica, mas eu e o monsenhor Jonas Abib somos unha e carne.

A TV Gospel, da bispa Sonia, e a RIT TV, do R.R. Soares, ganharam R$ 54 mil cada.

Também demos R$ 69,9 mil pra TV Boas Novas, do irmão do Silas Câmara, líder da bancada evangélica na Câmara, e R$ 39,2 mil para a Rede Super, da Igreja Batista da Lagoinha, frequentada pela Damares.

Pros amigos, filé mignon. Pros inimigos, músculo.

Será que a Folha do Seu Paulo pensa que eu vou despedir o Fabinho só porque ele deu menos dinheiro para a Globo e mais para os clientes dele?

Não mesmo! Ele é meu amigo de fé, meu irmão camarada (opa!, camarada não, que camarada é coisa de comunista).

O Fabinho tá comigo desde o começo. E fazendo coisa importante. No dia 10 de agosto de 2018, num momento importante da campanha, ele chamou 62 empresários na sua cobertura pra me ouvir falar. Estavam lá o Flávio Rocha (Riachuelo), o Meyer Nigri (Tecnisa), o José Salim Mattar (Localiza), o Sebastião Bomfim (Centauro), o Bráulio Bacchi (Artefacto) e o Luciano Hang, da Havan.

O que teve de zap-zap a meu favor depois disso, vou te contar...

Agora me diz, Diário, dá pra abandonar um cara que me consegue 62 empresários? Não dá.

E, no final das contas, quem é que liga pra esse negócio de ética?

Ética é titica.

@diariodobolso.






Conteúdo Relacionado