Arte/Humor

Diário do Bolso, 29/05/2019

 

29/05/2019 11:37

(Reprodução)

Créditos da foto: (Reprodução)

 

Ainda bem que o pessoal da passeata de domingo não exigiu o fim da corrupção. Senão, como é que eu ia explicar o Queiroz. O sujeito pagou 133 mil em dinheiro vivo pela operação e pela internação. E a investigação sobre o Flavinho vai investigar 133 imóveis.

Se o Dudu tiver um filho, eu vou ser chamado de Vô Mito? Preciso ver isso daí.

O Osmar Terra, ministro da Cidadania, mandou arquivar um estudo da Fundação Oswaldo Cruz porque não concordou com o resultado dela. A pesquisa disse que o Brasil não vive uma epidemia de drogas, e ele sempre fala isso em todo discurso. Pô, o Terra está certo. Se a pesquisa desmente o que ele fala, tem que esconder a pesquisa. É verdade que a FioCruz entrevistou 16 mil pessoas. Mas o Terra disse que andou pelas ruas de Copacabana e elas estavam vazias, e para ele isso quer dizer que há uma epidemia de drogas (também podia ser o último capítulo da novela. E o que ele estava fazendo em Copacabana?). Bom, o melhor é a Fiocruz fazer a pesquisa de novo e dessa vez dar o resultado certo, talkei?

O nome que eu mais odeio é Chico. Tem o Anísio, que fazia gracinha com político corrupto, tem o de Assis, que ficava naquele mimimi com os bichos, tem o César, que faz música para estudante, tem o Papa, que manda cartinha pro Lula, tem o Mendes, que lutava pelo mato, e tem o Buarque, que ganhou o prêmio Caolho. Tudo comunista! Abaixo o chicomunismo!

E o Marco Antônio Villa foi para a geladeira. Achei muito bom. O cara não parava de me criticar. Está pensando que eu sou quem? A Dilma? O Lula? Não senhor, tem que ir para o freezer. Aliás, essa Jovem Pan é ótima. Está sempre do lado certo. O direito, kkkk! E vem fazendo uma tremenda campanha pela reforma da Previdência. Depois preciso dar uma comenda para esse pessoal.

Conteúdo Relacionado