Arte/Humor

Diário do Bolso, 29 de março de 2021

 

29/03/2021 11:03

(Aloisio Mauricio/Fotoarena/Sipa USA/PA Images)

Créditos da foto: (Aloisio Mauricio/Fotoarena/Sipa USA/PA Images)

 
Diário, sonhei que o Brasil tinha sido invadido pelo exército de outro país!

Aí, nos primeiros dias, quando o exército inimigo estava começando a tomar as nossas ruas, eu fui pra tevê e disse: “Calma, pessoal. Isso é só uma briguinha. Vamos continuar trabalhando senão todo mundo vai morrer é de fome.”

Quando francos atiradores já começavam a matar centenas de brasileiros por dia, um pessoal esquerdalhento disse que o povo precisava de máscaras, capacetes e coletes à prova de balas. Mas eu falei que esse treco de proteção era mimimi.

Pro povo pensar que estava seguro, mandei distribuir aqueles revolvinhos que disparam água. E chamei eles de hidroxipistolina. Não adiantou muita coisa, mas a fábrica de hidroxipistolina se deu bem.

Os estados protestaram no STF e conseguiram o direito de fazer barricadas. Eu tentei impedir, dizendo que as barricadas feriam a liberdade de ir e vir das pessoas. Mas perdi essa.

Para me vingar, não fiz um planejamento centralizado e coloquei o meu pior general para organizar a defesa.

Ofereceram armas tremendas para nós: tanques Pfizer, metralhadoras Covax e bombas chinesas. Mas eu disse que quem mandava era eu e não deixei comprarem porcaria nenhuma.

Chamei o pessoal que se escondia em bunkers de mariquinhas e disse que tinha que enfrentar o inimigo de peito aberto.

Pra dar o exemplo, aglomerei, joguei bola, fui na praia e passeei de jet ski. O engraçado é que, logo depois que eu saía de um lugar, o inimigo bombardeava a cidade.

Nessa altura, a gente já estava perdendo mais de dois mil soldados por dia.

Eu dizia que quem estava matando o pessoal não era o inimigo. Era pneu que estourava no peito do cara, era diabetes, era velhice. Qualquer coisa, menos o inimigo.

Só quando já tínhamos perdido centenas de milhares de soldados é que eu liberei a compra de armas. Mas a distribuição foi bem lenta. Morreram mais sei lá quantos.

Até aí, tudo bem. Então começou o pesadelo de verdade. É que, quando finalmente o inimigo foi vencido, os sobreviventes foram pra rua e pediram a minha cabeça.

Pode tamanha ingratidão, Diário?

#diariodobolso

PS: A ideia para o texto de hoje foi do leitor Luiz Fernando Zanandréa.



Conteúdo Relacionado